tumores osseos Benignos
3 pág.

tumores osseos Benignos


DisciplinaAnatomia Humana I29.032 materiais1.162.457 seguidores
Pré-visualização2 páginas
vértebra pode produzir escoliose
RX dá o DX, porem TC e Cintilografia podem ser útil para localizar a lesão 
TC pode localizar o local de origem (olho de boi) enquanto RX mostra somente esclerose
Na cintilografia o sinal de dupla densidade parece ser DX de OO
Para cura efetiva o local de origem (olho de boi) deve ser retirado
Pode fazer a retirada do foco em bloco ou ressecção com curetagem, ou trefina guiado por escopia ou TC., ou ainda radiofreqüência 
TUMOR CARTILAGINOSO:
Osteocondroma:
Tumor ósseo benigno mais comum
São provavelmente anomalias do crescimento e não neoplasmas verdadeiros
mais comum em homens, entre 20-40 anos
São provenientes do periósteo, na metáfise de osso longo próx. a fise
Produzido por ossificação endocondral 
Cresce conforme crescimento do paciente e interrompe crescimento com parada de crescimento do individuo
90% dos pacientes tem lesão única
São vistos com > freqüência no fêmur distal, tíbia proximal, e úmero proximal
Raramente ele se desenvolve na articulação 
Podem não causar sintomas, ou causar compressão nervosa edema e etc
Podem ser pediculados ou sésil 
Pediculados são mais comuns tendo origem na fise, a parte pediculada tem componente cortical e esponjoso, lesão é coberta por cartilagem, que não é vista no RX, podem haver calcificações 
Quando a capa cartilaginosa se tornar mais espessa deve pensar em transformação para condrosarcoma
SO é recomendada em lesões grandes e nas que produzem sintomas ou quanto RX sugere malignidade
Pode sofrer malignização sendo que em homens é mais comum
Recorrência é rara e provavelmente devido a falha na remoção da capa cartilaginosa
Exostose subungeal, mais comum no halux pode ser confundida
Osteocondromatose Múltipla:
Ocorrem múltiplas exostoses, mas ocorre também distúrbio do crescimento ósseo 
Ocorre com freqüência de 5-10% dos osteocondromas é mais comum em homens
Em família com 1 atingido 50% dos filhos
Mulheres podem ser portadoras e não manifestarem a doença 
Geralmente são em grande numero de lesões 
RX com achados similares ao OC
SO indicado para melhorar função e diminuir dor, corrigir e previnir deformidades e alivio de impacto
Classificação de Masada:
Classificação das deformidades do ATB com osteocondromatose múltipla
I: sem luxação da cabeça do rádio; OC na ulna
II: com luxação (IIa: rádio e ulna com OC; IIb: apenas ulna com OC)
III: sem luxação, OC no rádio
Pode ocorrer malignização porem é raro
Qualquer massa que demonstre sinais de alargamento aumento de dor deve fazer biopsia
Condroma (Inclui Encondroma e Condroma periostal):
São tumores benignos da cartilagem hialina madura, geralmente centricos e conhecidos como encondromas
Com menos freqüência são localizados justa ou pericortical, chamados de condroma
São menos comuns do que osteocondromas e mais comuns na 3a e 4a décadas de vida
Tem predileção para ossos tubulares pequenos das mãos e dos pés 
Encondroma é o tumor mais comum das mãos e geralmente não tem comportamento agressivo, no úmero e fêmur também não são raros
Geralmente é achado em FX patológicas se houver dor e crescimento, sugere malignidade
RX parece rarefeito central ao osso, pode haver calcificação no tumor
Tratamento do encondroma atravez de curetagem e enxertia e condroma periosteal deve ser retirado em bloco
Pode recorrer
Encondromatose Múltipla (Doença de Ollier):
Doença rara, com múltiplas lesões em osso longos grandes e pequenos
Causada por falha na ossificação endocondral
Tumor localizado na epífise e partes adjacentes na metáfise e diáfise 
Geralmente leva a deformidade como encurtamento, alargamento da metáfise e arqueamento ósseo
Quando associada a hemangiomas é chamado de Síndrome de MAFFUCCI
Lesões similares a encondroma porem com maior tendência a transformação maligna (50% Maffucci, 25% Ollier)
Se transformação maligna BX aberta é mandatória
Osteotomias podem ser usadas para correção de deformidades