A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
artigo história mecanização

Pré-visualização | Página 11 de 11

de 
transportes mais eficientes o comércio 
para outras regiões no território destes 
países começou a se fortalecer 
 - Início da produção de empresa 
americanas em outros países com 
potencial na agricultura, como Argentina e 
Brasil, na América do Sul. 
 - Surgimentos de empresas locais no 
mercado Europeu 
 - Logo após o término da segunda guerra houve forte aumento 
nas vendas de máquinas agrícolas 
 - A partir da década de 1980 o mercado apresentou crescimento 
atenuante, devido a relativa maturidade dos mercados, 
especialmente nos Estados Unidos e Europa 
 - Crescimento no mercado reposição de máquinas obsoletas 
 - Estudo realizado pelo Centro de Estudos Internacionais das 
Nações Unidas (UNTC), apontavam, no final dos anos de 1970, 
capacidade de expansão no mercado para Estados Unidos, Europa 
e Japão eram de 20%, 12% e 10%, respectivamente 
 - Aumento da demanda de 
máquinas por países do leste 
europeu 
 - Crescente demanda da China 
por alimentos 
 - Expansão da produção de 
Biodiesel no mundo 
 - Expansão da mecanização em 
países com baixo nível de 
mecanização 
Distribuição 
geográfica das 
maiores 
empresas do 
setor. 
 - Concentrado nos Estados Unidos e na 
Europa (principalmente na Inglaterra) 
 - Maior participação de outras regiões como compradoras deste 
equipamentos 
 - Expansão para a América Latina (as empresas se instalam nos 
principais países produtores de produtos agrícolas, como Brasil) 
 - Expansão para o Leste Europeu 
 - A Massey Ferguson, Ford, International Harvester e Deere 
dominavam o mercado. A Deere tinha uma participação 
predominante no mercado norte americano, mas nos outros países 
as outras três que dominavam. 
 - América Latina passa ter maior 
importância nas vendas de 
equipamentos e máquinas 
agrícolas, principalmente Brasil 
 - Ásia e Pacífico apresentam 
crescimento nas compras de 
equipamentos, apresentando 
grande potencial de expansão na 
China e Índia 
 - Surgimento da AGCO e CNH, 
confirmação da Jonh Deere como 
líder no mercado mundial. 
Fonte: Elaborado pelo autor. 
Outro fator importante nesta dinâmica são as parcerias entre as empresa para a pesquisa, visto que 
algumas patentes são registradas em nome de várias empresas. Isto é importante também para a atuação 
em nichos de mercado, como os tratores para frutas e colheitadeiras específicas, onde a produção conjunta 
permite ganhos de escala e sinergias operacionais. 
Tabela 7 - Principais Patentes Depositadas, desde 1998, das Principais Empresas no Mundo 
 
Patentes depositadas desde 1 998 
Implementos agrícolas 
Mecânica dos 
Tratores Eletrônica Embarcada 
AGCO 27 34.62% 53.85% 11.54% 
Claas 67 28.79% 57.58% 13.64% 
Deere Co. 133 21.97% 67.42% 10.61% 
Fóton 8 85.71% 14.29% 
Mahindra 12 27.27% 72.73% 
CNH 42 36.59% 58.54% 4.88% 
Fonte: Elaboração dos autores a partir de pesquisa nas bases internacionais de patentes. 
6 – Considerações Finais e Agenda de Estudos 
 
Campo Grande, 25 a 28 de julho de 2010, 
Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural 
Após a análise da evolução histórica do setor pode-se perceber que as inovações não só originaram o 
setor como promoveram seu desenvolvimento, já que estas, além de produtos novos, geraram vantagens 
decisivas de custos e qualidade e proporcionando, no longo prazo, a expansão da produção e a redução dos 
preços. Existiram também as pequenas inovações que geram vantagens ao produtor, assim com a inovação, 
a simples diferenciação nos produtos oferece a possibilidade de ganhos extras aos produtores no mercado, 
tendo a flexibilidade de aumentar os preços sem ter perdas significativas de clientes. Justificando os 
grandes e crescentes investimentos em P&D que as empresas realizam periodicamente. Características do 
processo de “Destruição Criadora”. 
Quando apresentados os números de patentes depositadas de equipamentos agrícolas, mecânica de 
tratores e eletrônica embarcada por empresas, sem grandes surpresas, nota-se que as empresas que 
investem mais em pesquisa e desenvolvimento têm um número maior de patentes depositadas 
consequentemente são as que têm o maior faturamento na venda de máquinas e equipamentos agrícolas. 
 Para a expansão dos mercados as empresas têm ampliado suas plantas em diversos países, a 
distribuição geográfica passou a ser importante fator para o ganho de mercado. Os mercados como 
América Latina e Ásia estão em franca ascensões e apresentam grande potencial de expansão no uso de 
máquinas, assim como em suas áreas agricultáveis, por isso estão recebendo atenção especial deste setor. 
 A atual estruturação do mercado confirma que o setor permanece como um oligopólio diferenciado, 
classificado conforme estrutura técnica - produtiva (tamanho e número de empresas no mercado, tecnologia 
utilizada e características dos produtos) e no tipo de processo competitivo de cada mercado (preços, 
diferenciação de produto, lançamento de novos modelos, etc.) e a existência destes tipos de mercados deve-
se essencialmente a presença de barreiras à entrada. Este oligopólio é comum nos mercados de bens de 
consumo duráveis, sendo a principal característica a possibilidades de diferenciação de produtos, que existe 
neste setor. 
O forte processo de fusão e aquisição que ocorreu nas últimas décadas no setor colaborou para atual 
concentração da participação das vendas no mercado mundial nas mãos das três principais empresas atuantes 
no mercado. No início do século passado os principais motivos que levaram as firmas a fundir-se era o 
desejo de aumentar o poder de monopólio/oligopólio e as especulações sobre o valor da firma. Porém, 
esta tendência mudou com o decorrer do tempo, o foco das fusões e aquisições passou a ser as economias 
de escala e escopo, ganhos em marketing e pesquisa e desenvolvimentos (P&D). 
 A competição no mercado destas empresas ocorre por meio da diferenciação e inovação de 
produtos, através de elevados gastos com pesquisa e desenvolvimento para a criação de novos modelos e 
desenhos, redução de preços e aumento da qualidade, visando atender às diferentes faixas de consumidores 
por nível de renda, hábitos e idade. As barreiras à entrada neste setor são: diferenciação e inovação de 
produtos, que exigem elevados investimentos em propaganda e na formação e controle dos canais de 
comercialização, fixação de marcas e hábitos na preferência dos consumidores. 
 Como agenda de estudos, destaca-se a necessidade de trabalhos voltados para o levante histórico de 
empresas de menor porte, porém com importância no desenvolvimento regional do setor; o desenvolvimento 
da indústria no Brasil, já que o país é apontado como um importante mercado para as empresas do setor e 
com grande potencial para elevação do índice de mecanização e de expansão de suas fronteiras agrícolas; 
estudo sobre as tendências do mercado de produtos agrícolas, como novas máquinas, tecnologias de gestão 
integrada, tecnologias de water management, tecnologias limpas, entre outras; e por último, potencial de 
novos entrantes neste mercado.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.