A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
85 pág.
SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO

Pré-visualização | Página 10 de 24

e conforme o mesmo Instituto e ainda baseado em dados 
da SMED do ano de 2009, no que tange as receitas municipais estas tinham um valor de 
165.964.157,05. No mesmo ano as despesas do município chegaram ao montante de 
160.648.579, com pouca diferença entre receita e despesa. Mantendo o município em 
equilíbrio. 
 
3.3.1 A Secretaria Municipal da Educação (SMED) 
 
A SMED de Toledo é o órgão gestor da política de educação. Sendo pessoa jurídica 
de direito público interno. De acordo com o site
14
 oficial do município de Toledo, são 
atribuições da SMED: coordenar, orientar, assistir, acompanhar, gerenciar a educação no 
município nos seguintes níveis de ensino: educação infantil, ensino fundamental, educação 
especial e educação de jovens e adultos. Neste sentido, a SMED responsabiliza-se com a 
qualidade do ensino público das escolas e CMEIs. 
Ainda conforme o mesmo site, a preocupação dos profissionais da SMED não é 
unicamente com o ensino, mas também com a infra-estrutura das escolas e CMEIs além da 
 
14
TOLEDO. Secretaria Municipal da Educação. Disponível em: 
<http://www.toledo.pr.gov.br/?q=portal/portal-municipal-da-educacao/secretaria-da-educacao > Acesso em: 
27/maio /2011> 
30 
 
capacitação continuada de forma a proporcionar o “fortalecimento da gestão democrática” e 
“atualização dos recursos didático-metodológicos” visando uma maior qualidade do ensino. 
A SMED através de sua equipe tem como meta: 
 
Assessorar continuamente as escolas e CMEIS. Os coordenadores de área e o setor 
administrativo procuram estar o maior tempo possível, apoiando, acompanhando, 
discutindo, fornecendo material teórico – prático de modo a intervir imediatamente 
nas dificuldades encontradas. (TOLEDO, 2011) 
 
A SMED conhece a necessidade de permanente inovação e implementação de 
programas e a demanda pela produção de material de apoio pedagógico e por isso vem se 
empenhando para alterar de forma positiva a organização das escolas e CMEIs, além de 
intervir na relação dos profissionais com a comunidade, (nas escolas especificamente na 
relação pais, professores e alunos). 
 
A educação tem sofrido alterações significativas em função de mudanças na 
estrutura social, na organização das famílias, na educação dos filhos, da forte 
influência dos meios de comunicação e dos recursos tecnológicos, fatores que 
indicam a necessidade de se investir tanto na formação profissional, quanto na 
formação pessoal do professor. 
É de consenso que o profissional da educação sofre um acentuado desgaste 
emocional, o que impõe a necessidade de propor alternativas que fortaleçam o 
professor, sua capacidade de administrar conflitos, dificuldades e diferenças, 
atendendo os alunos nas suas especificidades, sem perder de vista o fim último da 
educação: A formação ética, intelectual e social do cidadão. (TOLEDO, 2011) 
 
A equipe da SMED em sua intervenção profissional utiliza como base as seguintes 
legislações: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (9394/96 - LDB), Lei Orgânica 
do Município de Toledo, Plano Nacional de Educação (2001-2010) (PNE) e Plano Municipal 
de Educação 2009 (PME). 
De acordo com o site do município, as preocupações centrais da equipe SMED são: 
“a paixão de ensinar, o prazer de aprender e o dever de investir, assim assumindo o lema: 
Plantando Conhecimento, Colhendo Educação.” 
 
3.3.2 Histórico do Centro de Atenção Psicossocial (Centrinho) ao atual Núcleo de Estudo e 
Pesquisa em Educação (NEPE) 
15
 
 
 Para dar um atendimento educacional especializado a crianças com deficiência, 
 
15
 As assistentes sociais desde 1991 até 2009 atuaram na SMED, mas a partir de 2009, com a criação do NEPE, 
as mesmas foram incluídas a este, sendo que o espaço físico do NEPE está instalado junto a SMED, e vinculado 
ao Departamento de Ensino da SMED. 
31 
 
déficit de aprendizagem ou com superdotação, a SMED de Toledo criou no ano de 2007, o 
Centro Multidisciplinar de Atendimento à Criança – Centrinho, visando proporcionar o 
intercâmbio entre a família e a escola. Este Centro, de acordo com o Plano Municipal de 
Educação tinha por objetivo geral: 
 
Atender alunos com problemas de agressividade, dificuldades de relacionamento 
com a equipe escolar, com acentuados problemas de aprendizagem ou limitações no 
processo de desenvolvimento, que dificultam o acompanhamento das atividades 
escolares. (PASTÓRIO; SALVADOR, 2009, p. 178) 
 
Conforme o Plano Municipal de Educação (2009, p. 179), para serem atendidas pelos 
profissionais do “Centrinho”, as crianças deveriam ser encaminhadas pela coordenação ou 
direção das escolas municipais. O trabalho era desenvolvido tanto com as crianças 
encaminhadas quanto com suas famílias em busca da inserção das mesmas nas relações 
sociais mais amplas, participando da formulação, execução e controle dos programas e ações 
que eram desenvolvidos, exercendo suas funções de afeto, socialização, e educação. 
Procurando sempre resgatar nas famílias e nas crianças uma qualidade de vínculo com a 
equipe que pudesse permitir o atendimento com qualidade e dignidade. 
O Centrinho contava com uma equipe multiprofissional, composta por assistente 
social, psicólogo e fonaudiólago e um funcionário do quadro geral de servidores para realizar 
os atendimentos ao público e agendamento de horários. 
Com o desenrolar das discussões sobre a inclusão, e a necessidade de dar conta de 
situações inerentes à educação especial no município e nas escolas que faziam o atendimento 
especializado, compreendeu-se que não se estava dando conta da demanda da rede. E, ainda 
havia as diversas situações que se apresentavam no cotidiano de atendimento na rede em sua 
integralidade. Isso foi atribuído à insuficiente formação docente para alcançar competência 
profissional, sendo necessário maior conhecimento sobre o processo de aprendizagem, o 
desenvolvimento, os modos de se ensinar e aprender. 
 Ao proceder a uma análise atual, observa-se que estas são questões que não 
silenciavam no cotidiano docente e, apesar de possuir aparato teórico, a demanda busca por 
um saber que compreenda a dimensão de totalidade das relações e a dinâmica social. Isto 
exige que o profissional esteja sempre buscando aprimorar-se de acordo com as exigências 
postas pela sociedade e proporcione o diálogo entre a teoria e a prática já que só assim será 
possível dar acesso aos direitos sociais para estas crianças e famílias. 
E, na ânsia de dar conta destas situações ou poder auxiliar os profissionais das 
32 
 
escolas, em 2009, o Centrinho transformou-se em Núcleo de Estudo e Pesquisa em Educação 
- NEPE, para aprofundarem-se os estudos e formas de intervenção junto às crianças que 
freqüentavam as classes especiais, salas de recursos e salas de conduta típicas. Cabe destacar 
que este projeto busca superar a educação como uma visão tradicional de transmissão de 
conteúdos e torná-la um núcleo de produção e multiplicação de conhecimento. 
O NEPE visa promover o diálogo entre a teoria e a prática na busca por construir 
uma educação de qualidade para todos. Em sua constituição, de acordo com o projeto de 
implantação, (TOLEDO, 2008, p.7) 
16
 tem por objetivo: 
 
Assegurar o conjunto de recursos teórico-práticos organizados institucionalmente, a 
partir da pesquisa, estudo e aplicação para apoiar, complementar, potencializar os 
serviços educacionais comuns, de modo a garantir uma educação de qualidade para 
todos em detrimento à classificação e exclusão. 
 
De acordo com a Revista Escola de Pais (2009, p.28), o NEPE é um espaço de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.