Síndrome Extra Piramidal
31 pág.

Síndrome Extra Piramidal


DisciplinaFisioterapia Neurofuncional1.858 materiais15.098 seguidores
Pré-visualização1 página
Fisioterapia Neurológica 
Síndrome Extra Piramidal
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Também chamada de Distúrbios do Movimento
\uf097 Lesão dos núcleos da base
\uf0a1 Putamem
\uf0a1 Caudado
\uf0a1 Globo Pálido (interno e externo)
\uf0a1 Núcleo Subtalâmico
\uf0a1 Substância Negra (compacta e reticular)
\uf097 Os núcleos da base recebem as principais aferências do
córtex cerebral e enviam a maioria das eferências de
volta para o córtex cerebral através do tálamo.
Controle motor, 
movimento 
ocular, 
cognitivo, 
percepção.
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Telencéfalo: corpo estriado
\uf0a1 caudado e putamem
\uf0a1 globo pálido (interno e externo)
\uf097 Diencéfalo = núcleo subtalâmico
\uf097 Mesencéfalo = substância negra (compacta e 
reticular)
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Basicamente duas vias através dos núcleos da base:
\uf0a1 Direta: projeções diretas do corpo estriado para o globo pálido 
interno ou para substância negra. EXCITATÓRIA (aumenta 
ativação do córtex motor).
\uf0a1 Indireta: projeções do corpo estriado para o globo pálido 
externo e dali para o núcleo subtalâmico e para o globo pálido 
interno. INIBITÓRIA (diminui a ativação do córtex motor).
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Neurônios GABA-érgicos \u2013 eferentes \u2013 inibitórios
para suas células alvo no tálamo.
\uf097 A remoção da eferência inibitória dos núcleos da
base, é, portanto considerada como uma influência
facilitadora sobre o movimento final.
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Esta síndrome acarreta movimentos involuntários
\uf0a1 Coréia
\uf0a1 Atetose
\uf0a1 Balismo
\uf0a1 Tiques
\uf0a1 Mioclonias
\uf0a1 Tremor
\uf0a1 Distonia 
\uf0a1 Parkinson (hipocinesia)
Alterações hipocinéticas 
(redução dos 
movimentos. Alterações 
hipercinéticas (aumento 
dos movimentos).
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Coréia: fluxo contínuo de movimentos imprevisíveis; 
movimentos rápidos e amplos (similar a uma dança), 
ocorre de forma migratória (ora num lugar, ora 
noutro), pode ocorrer na face. 
\uf097 Comum em PC.
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Atetose: movimentos lentos, podendo variar de 
hipotonia a hipertonia; movimentos vermiformes, 
mais lentos que na coréia. Pode ocorrer na face, mas 
o predomínio é distal. 
\uf097 Comum em PC.
\uf097 Lesão do corpo estriado.
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Balismo: movimentos bruscos de grande amplitude, 
simulam arremessos. Geralmente ocorre associado à 
coréia. Núcleo subtalâmico. 
\uf097 Tiques: podem ser simples ou complexos, podem ser 
parcialmente controlados.
\uf097 Mioclonias: contrações espontâneas curtas e breves, 
podendo ocorrer nas crises epiléticas e em usuários 
de drogas. 
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Tremor: pode ser de várias velocidades
\uf0a1 De repouso: a cada segundo tremor de 4 a 8x, melhora com o 
movimento (Parkinson).
\uf0a1 De intenção: aumenta quando vai chegando ao final do 
movimento (sd. Cerebelares)
\uf0a1 Postural: tremor ao manter uma postura ou posição de um 
membro.
\uf0a1 Função: específico, ocorre durante uma determinada ação.
Síndrome Extrapiramidal
\uf097 Distonia: alterações do tônus que levam a contrações 
exageradas e sustentadas (contração entre agonista e 
antagonista).
\uf0a1 Distonia focal: em uma única parte do corpo.
\uf0a1 Distonia segmentar: em 2 ou mais segmentos
\uf0a1 Distonia generalizada: em MMII e outro lugar
\uf0a1 Hemidistonia: MS e MI homolateral
F IS IO TE R A P IA N E U R O LÓ G IC A
S É TIM A F A S E
P R O F E S S O R A M S C . C A R O LIN A M E N D E S R O D R IG U E S
Síndrome Cerebelar
Síndrome Cerebelar
\uf097 O cerebelo tem 3 papéis importantes no controle do 
movimento:
\uf0a1 Sincronização
\uf0a1 Aprendizado
\uf0a1 Coordenação 
Integração de 
atividades 
motoras 
voluntárias e 
involuntárias.
Síndrome Cerebelar
\uf097 Funções do cerebelo:
\uf0a1 Coordenação e execução dos movimentos (planejamento)
\uf0a1 Monitorar direção do movimento voluntário
\uf0a1 Corrige erros durante a execução do movimento
\uf0a1 Mantém equilíbrio e tônus muscular
\uf0a1 Aprendizado de tarefas motoras.
Uma lesão exclusiva 
no cerebelo não 
altera a percepção 
sensitiva e força 
muscular.
Síndrome Cerebelar
\uf097 Apresenta 2 hemisférios : aferências e eferências do
córtex cerebral = coordenação da motricidade
voluntária dos membros.
\uf097 Vérmis: aferências e eferências da FR e Núcleos
vertibulares = equilíbrio.
Síndrome Cerebelar
\uf097 Dividido em lobos:
\uf0a1 Anterior
\uf0a1 Posterior
\uf0a1 Flóculo-Nodular
\uf097 Na substância branca estão os núcleos:
\uf0a1 Fastigial
\uf0a1 Globoso e Emboliforme
\uf0a1 Denteado 
Síndrome Cerebelar
\uf097 Características clínicas das lesões cerebelares:
\uf0a1 Distúrbios de equilíbrio
\uf0a1 Alteração na execução dos movimentos
\uf0a1 Distúrbio do tônus
\uf0a1 Ataxia (distúrbio de equilíbrio e coordenação).
\uf097 Sinais da Síndrome Cerebelar:
\uf0a1 Hipotonia
\uf0a1 Assinergia
\uf0a1 Nistagmo
\uf0a1 Distúrbio da fala (fala escandida)
\uf0a1 Ataxia
\uf0a1 Tremor intencional 
Síndrome Cerebelar
\uf097 Causas:
\uf0a1 AVE cerebelar
\uf0a1 Tumores
\uf0a1 Abcessos cerebelares
\uf0a1 Esclerose múltipla
F IS IO TE R A P IA N E U R O LÓ G IC A
S É TIM A F A S E
P R O F E S S O R A M S C . C A R O LIN A M E N D E S R O D R IG U E S
Síndrome do Neurônio Motor 
Inferior
SNMI
\uf097 Este neurônio faz sinapse no corno anterior da
medula com o neurônio motor superior, e percorre o
nervo periférico até o músculo.
\uf097 Pode ser lesionado no seu corpo (na medula
espinhal) ou no seu prolongamento (axônio no nervo
periférico).
\uf097 Sua lesão ocasiona interrupção do sinal elétrico que
iria até o músculo.
SNMI
\uf097 Características:
\uf0a1 Falta de contração muscular (a informação não chega ao 
músculo).
\uf0a1 Fraqueza muscular (paresia ou plegia).
\uf0a1 Atrofia 
\uf0a1 Hiporreflexia ou arreflexia
\uf0a1 Hipotonia 
A tentativa frustrada da 
musculatura se contrair, 
gera miofasciculações.
SNMI
\uf097 Principais causas:
\uf0a1 Neuropatia motora multifocal
\uf0a1 Esclerose lateral amiotrófica
F IS IO TE R A P IA N E U R O LÓ G IC A
S É TIM A F A S E
P R O F E S S O R A M S C . C A R O LIN A M E N D E S R O D R IG U E S
Síndrome da Hipertensão 
Intracraniana
Síndrome da Hipertensão Intracraniana
\uf097 PIC: pressão intracraniana acima de 15mmHg
\uf097 PIC normal: 5 a 15 mmHg
\uf097 A calota craniana não tem capacidade de expansão.
\uf097 Os sintomas pioram em casos de instalação aguda,
pois não existe adaptação cerebral ao aumento de
volume.
Síndrome da Hipertensão Craniana
\uf097 Tríade de sintomas: 
\uf0a1 Cefaléia + vômito em jato+ edema de papila
\uf0a1 Cefaléia: compressão de vasos
\uf0a1 Vômito em jato: deslocamento do tronco cerebral
\uf0a1 Edema de papila: compressão da veia central da retina pelo
liquor no espaço aracnóide.
\uf0a1 Alteração de personalidade e nível de consciencia
\uf0a1 HAS, bradicardia, irregularidade FR: falha na perfusão do
cérebro
\uf0a1 Convulsões: irritação do córtex.
Síndrome da Hipertensão Craniana
\uf097 Causas:
\uf0a1 Hemorragia
\uf0a1 Abcesso
\uf0a1 Tumor
\uf0a1 Neurotoxoplasmose
\uf0a1 Insuficiência hepática
\uf0a1 Hidrocefalia
F IS IO TE R A P IA N E U R O LÓ G IC A
S É TIM A F A S E
P R O F E S S O R A M S C . C A R O LIN A M E N D E S R O D R IG U E S
Síndromes Medulares
Síndromes Medulares
\uf097 Lesão completa da medula:
\uf0a1 Perda total da motricidade e sensibilidade do dermátomo
afetado para baixo da lesão.
\uf0a1 Tetra/paraplegia
\uf0a1 Arreflexia
\uf0a1 Anestesia
\uf097 Hemisecção medular:
\uf0a1 Acomete uma metade da medula
\uf0a1 Síndrome piramidal homolateral abaixo da lesão
\uf0a1 Perda do tato discriminativo, propirocepção e sensibilidade 
vibratória homolateral abaixo da lesão.