A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo Sistema Nervoso

Pré-visualização | Página 8 de 29

camada gelatinosa, na qual ficam imersos muitos pequenos cristais de carbonato de cálcio – 
estatocônias  estatocônias calcificadas têm um gravidade específica 2 a 3 vezes acima da gravidade específica do líquido e tecidos 
circunjacentes  curva cílios na direção da tração gravitacional. 
 Nas máculas encontramos milhares de células ciliadas  projetam cílios para cima na camada gelatinosa; as bases e lados das 
células ciliadas fazem sinapse com as terminações sensoriais do nervo vestibular. 
 Células Ciliadas na Mácula – Estereocílios (50 a 70 pequenos cílios) e Quinocílio (1 grande cílio) – quinocílio localizado em um lado e 
os estereocílios se tornam cada vez mais curtos em direção ao lado oposto. 
 Quando os estereocílios e o quinócilo se curvam na direção do quinócilo, os filamentos puxam os estereocílios, afastando-os do corpo 
celular  influxo de íons positivos  despolarização da membrana do receptor. 
 A deformação dos cílios para longe do quinócilo diminui o tráfego de impulsos, muitas vezes inibindo-o completamente  
hiperpolarização do receptor. 
 
CEREBELO: 
 Chamado de área silenciosa – excitação elétrica não causa qualquer sensação consciente e raramente causa qualquer movimento 
motor. 
 Dividido em 3 lobos: 
1. Lobo Anterior. 
2. Lobo Posterior. 
3. Lobo Floculonodular – mais antiga das partes do cerebelo. Desenvolveu-se juntamente com o sistema vestibular no 
controle do equilíbrio do corpo. 
 Auxilia na sequência das atividades motoras. 
 Monitora e faz ajustes corretivos nas atividades motoras corporais enquanto estão sendo executadas, de modo que elas estejam de 
acordo com os programas motores elaborados pelo córtex motor cerebral e outras partes do sistema nervoso central. 
 Recebe, a partir das áreas de controle motor cerebrais, informações continuamente atualizadas sobre a sequência de contrações 
musculares desejada. 
 Recebe informações sensoriais das partes periféricas do corpo, informando sobre as mudanças seqüenciais da situação de cada parte 
do corpo – sua posição, velocidade de movimento, forças que atuam sobre ela, etc. 
 Compara as informações com os movimentos reais – informações sensoriais periféricas com os movimentos originalmente 
programados pelo sistema motor. 
 Se houver discrepância entre as duas informações, envia sinais corretivos subconscientes instantâneos de volta para as estruturas 
envolvidas no controle motor com o objetivo de aumentar ou diminuir os níveis de ativação de músculos específicos. 
 Coordenação das funções de controle motor: 
o Vestibulocerebelo ou Arquicerebelo – consiste principalmente em pequenos lobos floculonodulares (cerebelo posterior) e 
porções adjacentes do vermis (parte central do cerebelo). 
 Proporciona circuitos neurais para a maioria dos movimentos associados ao equilíbrio do corpo. ajuda a coordenar 
o equilíbrio e os movimentos oculares. 
 Separado da porção principal do cerebelo pela fissura posterolateral, sendo, em termos filogenéticos, a mais antiga 
região cerebelar. 
 Mantém conexões recíprocas com os núcleos vestibulares do tronco cerebral, e atua essencialmente no controle do 
equilíbrio e na coordenação de movimentos oculares. 
 
o Espinocerebelo ou Paleocerebelo – consiste na maior parte do vermis do cerebelo posterior e anterior, mais as zonas 
intermediárias adjacentes em ambos os lados do vermis. 
 Fornece os circuitos necessários para a coordenação dos movimentos nas partes distais das extremidades 
(especialmente mãos e dedos). ajuda a coordenar o movimento estereotipado (locomoção e reações posturais) e o 
tônus muscular. 
 A porção principal do cerebelo é dividida em três regiões: vermis, zona intermediária e zona lateral. 
 O vermis e a zona intermediária constituem o espinocerebelo, e recebem informações sensoriais por intermédio da 
medula espinal, além de responderem também a estímulos visuais e auditivos. 
 De origem filogenética mais recente, o espinocerebelo deve ter-se desenvolvido paralelamente a uma maior 
complexidade de movimentos dos membros necessários à locomoção. 
 As projeções eferentes do espinocerebelo são efetuadas por intermédio dos núcleos cerebelares fastigial, globoso e 
emboliforme, alcançando a medula espinal e núcleos supraespinais do sistema extrapiramidal. 
 Eferências do espinocerebelo também alcançam o córtex motor, por intermédio de projeções talâmicas. 
 
o Cerebrocerebelo ou Neocerebelo – formado pelas grandes zonas laterais dos hemisférios cerebelares, situadas 
lateralmente às zonas intermediárias. 
 Recebe praticamente toda a sua aferência dos córtices motor cerebral e pré-motores adjacentes, e do córtex 
somatossensorial. 
16 
 
SISTEMA NERVOSO MARCUS N. OTTONI 
 Ajuda a coordenar a programação de movimentos dos membros, estando relacionado com os movimentos não 
estereotipados como aqueles resultantes de ensinamentos e treinamentos. 
 Transmite suas informações de saída na direção cranial de volta ao prosencéfalo, funcionando em um modo de 
feedback com o sistema sensoriomotor cortical para planejar movimentos voluntários seqüenciais do corpo e das 
extremidades – antes dos movimentos reais  desenvolvimento de imagens motoras dos movimento a serem 
realizados. 
 Densamente inervado por projeções de áreas corticais motoras e sensoriais. 
 As eferências do neocerebelo emergem do núcleo denteado, projetando-se majoritariamente, via núcleos talâmicos, 
sobre o córtex cerebral contralateral. 
 Esses núcleos talâmicos projetam-se sobre o córtex motor primário, o córtex pré-motor, e áreas pré-frontais. 
 O neocerebelo representa a aquisição filogenética mais recente dos circuitos cerebelares, relacionando-se com o 
controle de movimentos voluntários. 
 Enquanto o vestibulocerebelo constitui-se no responsável por ajustes posturais de origem labiríntica, o neocerebelo faria parte dos 
circuitos responsáveis pelo planejamento do movimento, e o espinocerebelo estaria relacionado ao controle da execução do 
movimento. 
 
APRENDIZADO: 
 O aprendizado pode ser definido como a capacidade para alterar o comportamento com base na experiência. 
Memória é a capacidade de relembrar eventos passados, a nível consciente ou inconsciente. 
 
NEUROPLASTICIDADE  Capacidade do sistema nervoso de alterar sua estrutura e função em decorrência dos padrões de 
experiência. Pode ser concebida e avaliada a partir de uma perspectiva estrutural (configuração sináptica) ou funcional (modificação de 
comportamento). 
 
FORMAS DE APRENDIZADO: 
 Memórias são armazenadas no cérebro pela mudança da sensibilidade básica da transmissão sináptica entre neurônios como 
resultado da atividade neural prévia. 
 As vias novas ou facilitadas são chamadas de traços de memória – podem ser seletivamente ativados pelos processos mentais para 
reprodução das memórias. 
Habituação (Memória Negativa): 
 A maior parte das nossas memórias são memórias negativas – nosso cérebro é inundado com informações sensoriais de todos os 
nossos sentidos  o cérebro aprende a ignorar a informação sem consequências. 
 Forma simples de aprendizado em que o estímulo neutro é repetido muitas vezes. 
 Na primeira aplicação, o estímulo é uma novidade e evoca uma reação – reflexo de orientação. 
 Com a repetição, o estimulo evoca cada vez menos resposta elétrica, até o ponto em que o indivíduo se habitua e passa a ignorá-lo. 
 Exemplo de aprendizado não-associativo – aprende a respeito de um único estímulo. 
 Resulta da inibição das vias sinápticas. 
 
Sensitização (Memória Positiva): 
 De certa forma é uma reação oposta. 
 Um estímulo repetido produz uma