Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
sistema de produção de bens e serviços aula 6

Pré-visualização | Página 1 de 4

SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE 
BENS E SERVIÇOS 
AULA 6 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prof. Gil Fábio de Souza 
 
 
 
 
2 
 
CONVERSA INICIAL 
Olha aí! Não é que chegamos à nossa última rota de aprendizagem, na 
qual veremos uma série de aplicações dos principais temas tratados em nossas 
aulas! 
Hoje, concluiremos os seguintes temas: 
 Aplicação de controle de estoques 
 Aplicação de ressuprimento de estoques 
 A filosofia e técnicas de JIT e manufatura enxuta: exemplo sistema 
Kanban 
 A teoria das restrições 
 Extensões do MRP 
Ao final desta aula, estaremos com conceitos reforçados: 
 Aplicar conhecimento nas técnicas do sistema JIT 
 Participar e operacionalizar a teoria das restrições nas empresas de bens 
e serviços 
 Saber determinar e diferencias as várias filosofias de produção 
 Conhecer o estado da arte dos sistemas de controle da produção 
 
CONTEXTUALIZANDO 
A aplicação das metodologias vistas dos sistemas de produção nas 
empresas de diversos segmentos tem sido uma prática muito adotada, tendo 
como consequência um ganho em termos de produtividade e eliminação de 
perdas nos processos produtivos. 
Atualmente, vivenciamos grandes mudanças econômicas, maior 
competitividade através de baixos custos de produção, qualidade e prazo de 
entrega cada vez mais eficazes, o que faz com que as empresas busquem cada 
 
 
3 
vez mais técnicas para ad ministrar melhor as atividades produtivas. Existem 
vários exemplos de técnicas que podem ser utilizadas para melhorar a 
capacidade produtiva de uma empresa, dentre elas, o modelo de produção 
enxuta, que utiliza ferramentas como Kanban, redução de estoques, Just In 
Time, nivelamento da produção, melhoria contínua etc. 
 
PESQUISE 
Acesse o link abaixo de um artigo do XXIV Encontro Nacional de 
Engenharia de Produção, que se encontra no Portal da ABEPRO (Associação 
Brasileira de Engenharia de Produção) e veja uma aplicação prática dos 
sistemas de manufatura enxuta: 
http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2004_enegep0106_1712.pdf 
 
TEMA 1: APLICAÇÃO DE CONTROLE DE ESTOQUES 
Existem várias críticas com relação aos diversos modelos de controle de 
estoques. 
A primeira é a de que o modelo é “inelástico” ou pouco sensível com 
relação à variação da quantidade no lote. Isto é, mesmo que o tamanho do lote 
adquirido (Q) seja diferente do lote econômico (LE), o custo total (CS) sofre 
variações muito pequenas. Caso, com os dados do exemplo, fosse comprado de 
cada vez um lote de 3.000 unidades (Q), 50% a mais que o lote econômico (LE), 
o custo do sistema (CS) seria: 
 
CS = 3,50 x 12.000 + 100 x 4 + 3,50 x 0,20 x 3.000/2 = $43.450,00, justificando 
a crítica. 
 
Uma segunda crítica ao modelo tem sido o fato de que não se encontram 
incluídos aspectos relativos ao fornecedor do material. Assim, não se sabe se o 
fornecedor pode fornecer um lote do tamanho calculado ou se, eventualmente, 
existe um lote mínimo de fornecimento. Os aspectos do transporte do produto 
 
 
4 
também não estão identificados. Pode ocorrer (e, em geral, ocorre) de o lote 
calculado estar em desacordo com o tamanho mínimo necessário para que se 
tenha um custo de transporte mínimo. 
 Dado o impasse, a sugestão prática é fixar o lote em função da 
classificação do material (classificação ABC) e negociar o tamanho do lote com 
o fornecedor. 
 Exemplificando, para itens da classe A, devem ser encomendados lotes 
pequenos e com maior frequência, para a classe C, pode-se operar com lotes 
maiores e com poucas reposições anuais. Para os itens da classe B, devem ser 
adotados intermediários às classes A e C. 
Agora, vamos verificar um exemplo de controle de estoques com entrega 
parcelada, que pode ser uma alternativa aos problemas apresentados acima! 
 
TEMA 2: APLICAÇÃO DE RESSUPRIMENTO DE ESTOQUES 
Vamos verificar um exercício considerando ressuprimento por ponto de 
pedido: 
Elaborar um sistema de ressuprimento de estoques por ponto de pedido 
e explicar seu funcionamento, admitindo-se reposições em lotes econômicos, 
para um item com uma demanda anual de 2.000 unidades, um custo de 
preparação do pedido de R$ 20,00, uma taxa de encargos financeiros sobre os 
estoques de 30% ao ano e um custo unitário de R$ 15,00. Vamos admitir ainda 
que este item tenha um estoque de segurança de 30 unidades, e um tempo de 
ressuprimento de 5 dias para um ano com 250 dias úteis. 
Faça sem ver a resposta! 
Resposta Esperada: 
D = 2000 unidades; 
A = $20,00 por ordem; 
I = 0,30 ao ano; 
C = $15,00 por unidade; 
 
 
5 
Qs = 30 unidades; 
t = 5 dias; 
d = 2000 unidades por ano / 250 dias por uno = 8 unidades por dia. 
PP = d.t + Qs = 8.5 + 30 = 70 unidades 
Considerando que: 
Q
D A
C I
 
2 2 2000 20
15 0 30
. .
.
. .
. ,
 = 133,33 ==> 134 unidades 
Qmax = Qs + Q* = 30 +134 = 164 unidades 
Qmin = Qs = 30 unidades 
Sempre que o saldo de estoques atingir 70 unidades, é providenciado um 
pedido de reposição de 134 unidades, que, se tudo ocorrer normalmente, deverá 
dar entrada em estoques após 5 dias. Caso o valor mínimo e máximo forem 
frequentemente ultrapassados, o modelo deve ser revisto. 
Agora, então, vamos montar um modelo de ressuprimento de estoques 
por revisões periódicas, com periodicidade econômica, para o item do exercício 
anterior, explicando seu funcionamento. 
Admitindo-se que em uma das revisões não haja saldo em estoque e sim 
uma demanda reprimida de 20 unidades e que nesse período deverá chegar um 
lote de reposição atrasado de 100 unidades, calcular a quantidade do lote de 
reposição a ser colocado. 
Considerando que: 
  srpfr QQQQttdQ  
Qf = quantidade de saldo final em estoque; 
Qp = quantidades pendentes de entrega; 
Qr = quantidade solicitada e não atendida; 
Qs = estoque de segurança. 
 
 
6 
t
Q t
Dr
ano 


. .134 250
2000
 =16,75 => 17 dias => 15 vezes ao ano 
A cada 17 dias úteis, aproximadamente 15 vezes por ano, será feita uma 
revisão dos estoques deste item, e, se tudo correr bem, deverá ser 
encomendado um lote de aproximadamente 134 unidades. 
Qf = 0; 
Qp = 100 unidades; 
Qr = 20 unidades; 
Qs = 30 unidades. 
Q = d . (tr + t) - Qf - Qp+ Qr + Qs = 8.(17+5)-0-100+20+30 = 126 unidades. 
 
TEMA 3: A FILOSOFIA E TÉCNICAS JIT E MANUFATURA ENXUTA: EXEMPLO 
SISTEMA KANBAN 
O Lean Manufacturing ou Manufatura Enxuta é uma filosofia de gestão, criada 
pela Toyota e expandida para todo o mundo, focada em diminuir sete tipos de 
desperdício: superprodução, tempo de espera, transporte, excesso de 
processamento, inventário, movimento e defeitos. Eliminando esses 
desperdícios, a empresa melhora. 
Uma das maneiras de se alcançar o sucesso foi o modelo dos “4 P’s da Toyota”: 
Philosophy, Process, People and Partners e Problem Solving, explicado pelo 
administrador Adriano Fernandes Lima, no Portal Administradores: 
Philosophy (Filosofia – Pensamento a Longo Prazo) 
Decisões gerenciais baseadas em uma filosofia de longo prazo, ao invés de 
objetivos financeiros de curto prazo. 
Process (Processos – Eliminação de Desperdícios) 
 Criar processos onde os produtos realmente “fluam”; 
 Usar sistemas de produção puxados pelos clientes, para evitar que sejam 
produzidos materiais desnecessários; 
 
 
7 
 Parar o sistema quando houver um problema de qualidade (Jidoka); 
 Padronizar as atividades para que haja melhoria contínua sempre; 
 Controle visual do processo para que não haja problemas que não sejam 
percebidos; 
 Usar apenas tecnologia testada e de confiança. 
People and
Página1234