Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Caso clínico   Anatomofisiologia 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

Caso clínico
Paciente do sexo feminino, 45 anos, caucasiana, de média estatura, chegou a clínica da FTC, se queixando de dores de dente, foi submetida ao exame intra-oral, onde foi diagnosticado extensas lesões de cárie com comprometimento pulpar nos elementos 34, 35, 46, 47, com bolsas periodontais nos dentes supracitados e mobilidade dentárias. No decorrer da anamnese foi relatado pela paciente em seu histórico médico que a mesma tinha Insuficiência Renal Crônica (IRC), consequentemente pressão arterial (PA) elevada e problemas de coagulação devido a deficiência plaquetária no sangue. No histórico odontológico foi relatado deficiência na higienização oral e pouquíssimas visita ao Cirurgião Dentista (CD).
Considerações
No caso da deficiência plaquetária, citada no caso clinico descrito acima, pacientes que têm essa condição clínica (IRC), faz uso de heparina nas sessões de hemodiálise. A heparina é um potente anticoagulante utilizado durante a hemodiálise, que evita que o sangue coagule (“coalhe”). O paciente recebe a heparina na “máquina” de diálise e perde por várias horas a capacidade de coagular o sangue, havendo assim um maior risco de sangramentos ou em casos mais graves hemorragias durante procedimentos cirúrgicos. Sendo extremamente aconselhável que esse paciente não vá ao dentista no dia em que fez a diálise, deixando para fazer qualquer procedimento cirúrgico, mesmo que minimamente evasivo no dia de intervalo da diálise.
Para o tratamento de qualquer paciente com IRC, uma série de exames pré-operatórios devem ser solicitados, pois, através destes, é possível avaliar aspectos sistêmicos relevantes ao procedimento cirúrgico e, assim, permitir uma melhor elaboração do plano de tratamento pelo profissional.
A IRC é uma doença sistêmica com manifestações bucais importantes. Portanto o CD precisa estar atento e atualizado sobre esse assunto. O tratamento odontológico desse paciente precisa ser realizado de forma multidisciplinar com uma intensa comunicação entre o médico nefrologista e o CD. O manejo do paciente com IRC deve seguir um protocolo que estabeleça um plano de tratamento adequado, sendo este elaborado de acordo com sua condição sistêmica.