A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
PRODUÇÃO DE PROTEÍNA

Pré-visualização | Página 1 de 2

PROCESSO DE TRANSCRIÇÃO E TRADUÇÃO EM CÉLULAS EUCARIONTES 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
RIO CLARO – SP/2018 
 
 
SUMÁRIO 
Introdução ........................................................................................................................................... 1 
 
Objetivo ................................................................................................................................................ 1 
 
Processo de Transcrição ..................................................................................................................... 1 
 
Tradução .............................................................................................................................................. 3 
 
Conclusão ............................................................................................................................................ 5 
 
Bibliografia ........................................................................................................................................... 5 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1 
 
1 INTRODUÇÃO 
A transcrição é um processo de produção de uma molécula de RNA. Neste processo as fitas do DNA 
se separam e uma serve de molde para o RNA, enquanto a outra fica inativa. Ao fim da transcrição, 
as fitas unem-se. 
Apenas um trecho do DNA, chamado de genes (pedaço do DNA com informações genéticas) pode 
ser transcrito em RNA. Após a transcrição do RNA a próxima etapa é a tradução. Nesta etapa o RNA 
é usado como molde para formar a proteína. 
2 OBJETIVO 
Descrever e entender os processos de transcrição e tradução nas células eucariontes. 
3 PROCESSO DE TRANSCRIÇÃO 
 A transcrição do RNAm ocorre no núcleo da célula eucarionte, o RNAm é produzido usando a fita 
molde (codificadora) de DNA, a transcrição do RNAm é inserida de 5’ -> 3 (senso), logo a fita molde 
do DNA deve ser 3’ -> 5’ (anti-senso). A fita codificadora de DNA possui informação genética que é 
reescrita em uma fita simples de RNA. 
O processo de transcrição é catalisado por um complexo enzimático, na qual a principal enzima é a 
RNA polimerase. Os eucariontes possuem três tipos de RNA polimerase I, II e III. Cada enzima é 
responsável por uma classe especifica de genes. 
 
Outras enzimas também participam da iniciação de síntese de cadeias de RNA chamadas de fatores 
de transcrição. Os RNA’s sintetizados podem ser de três tipos: Mensageiro, Ribossômico e 
Transportador. O RNAm é o portador de informação genética diretamente do DNA (através dele 
obtemos a transcrição genética), RNAr são os lócus da síntese proteínas, RNAt unem aminoácidos 
específicos e transportam para a região de síntese proteínas. As etapas da transcrição são três: 
Iniciação, Alongamento e Término. 
Iniciação: os fatores de transcrição se juntam a região promotora (são sequências específicas de 
nucleotídeos reconhecida pela RNA polimerase) do DNA, tornando um complexo favorável antes que 
a RNA polimerase ligue-se e comece a transcrição dos genes. O reconhecimento da RNA polimerase 
com a região promotora dá-se ao fator sigma, ele liga-se com à RNA polimerase promovendo a 
afinidade com as sequências promotoras. O desenovelamento (abertura) do DNA é muito importante 
na iniciação da transcrição, ocorre rompendo as ligações de hidrogênio entre as bases nitrogenadas 
 
2 
 
(A, T, G, C). É essencial que uns dos nucleotídeos de um filamento estejam disponíveis a novos 
pareamentos. 
 
Os promotores contêm sequências consenso localizadas antes do início da transcrição, a distâncias 
específicas. 
 
 TATA box: é o primeiro elemento conservado mais próximo do sítio de transcrição. 
Sua sequência é TATAAAA na posição – 30. Seu papel é importante no posicionamento 
do ponto de início da transcrição. 
 
 CAAT box: é o segundo elemento conservado. Sua sequência é GGCCAATCT na posição –
80. 
 
 Cada Fator de transcrição que ajuda a RNA polimerase II para o início da transcrição é 
chamado TFIIX (X é a letra que identifica o fator individual): 
 
 TFIID – é o primeiro a interagir com o promotor – sua proteína de ligação é a TATA (TBP); 
 
 TFIIA e TFIIB; TFIIF se liga à RNA polimerase II e depois ao complexo de iniciação 
– e promove desenrolamento do DNA; 
 
 TFIIE se junta ao complexo de iniciação ligando-se ao DNA e em seguida ao ponto de iniciação 
da transcrição; 
 
 TFIIH e TFIIJ se juntam ao complexo após TFIIE. 
 
 
 http://slideplayer.com.br/slide/51972/ 
 
Alongamento: nesta etapa a RNA polimerase desloca-se pela molécula de DNA transcrevendo as 
bases nitrogenadas na fita de RNAm, lembrando que na fita de RNAm a ligação da Adenina é feita 
com a Uracila. Assim a RNA polimerase sintetiza uma molécula de RNAm cada vez mais alongada. 
Momentaneamente o RNAm recém-sintetizado pareia-se com a fita molde do DNA, formando um 
híbrido curto de RNA-DNA. A fita de RNAm sintetizada é livre e simples. 
 
3 
 
 
 http://slideplayer.com.br/slide/51972/ 
Término: no momento em que a RNA polimerase alcança a região terminalizadora (sequência do 
DNA que contém genes sinalizadores do término) o RNAm para de ser transcrito, nenhuma base 
nitrogenada é incluída ao RNAm. Neste instante a bolha de transcrição se desprende, liberando a 
molécula de RNAm e o DNA recompõe sua dupla-hélice. 
 
 http://slideplayer.com.br/slide/51972/ 
Pós - Transcrição: ainda no núcleo ocorre o processamento chamado SPLICING ALTERNATIVO, 
onde o RNAm recém-sintetizado é transformado em RNAm maduro, unindo os éxons, retirando os 
íntrons (partes não importantes para a formação da proteína) e adicionando a cauda de poli-A (adição 
de dezenas de adenosinas na extremidade 3’) e CAP (guanina metilada adicionada na extremidade 
5’ do RNAm), deste modo mantém a molécula mais estável. 
4 TRADUÇÃO 
O RNAm amadurecido é exportado para o citoplasma, onde é decodificado para a produção de 
polipeptídio (uma longa cadeia de aminoácidos). O RNAm possui instruções para a produção de 
proteínas que vem em grupos de 3 nucleotídeos chamados de códon, os códons de um RNAm são 
lidos por ordem (5’ > 3’) por moléculas de RNAt. Cada RNAt possui um anticódon, um conjunto de 
três nucleotídeos que se liga ao códon correspondente no RNAm através do pareamento de bases. 
A outra extremidade do RNAt traz o aminoácido especificado pelo códon. 
 
No ribossomo (organelas) os RNAt se unem aos RNAm preenchendo os compartimentos e liga-se 
aos códons. Seus aminoácidos são adicionados à cadeia crescente de polipeptídios em uma reação 
química. O produto final é um polipeptídio cuja sequência de aminoácidos reflete a sequência de 
códons no RNAm (Um códon AUG é um sinal de "início" para começar a tradução, também especifica 
o aminoácido metionina). 
 
4 
 
 
https://pt.khanacademy.org/science/biology/gene-expression-central-dogma/translation-polypeptides/a/the-stages-of-
translation 
A tradução também possui três etapas (Iniciação, Alongamento e Terminação). 
Iniciação: nesta etapa, o ribossomo se junta ao RNAm e ao primeiro RNAt para que a tradução possa 
ter início. Dentro da célula o RNAt transporta a metionina unindo-se a subunidades ribossômicas 
pequena. Juntos, se ligam à extremidade 5' do RNAm através do reconhecimento do cap 5' GTP 
(adicionado durante o processamento no núcleo). Em seguida, eles "caminham" ao longo do RNAm 
na direção 3' e param quando alcançam o códon de iniciação (com frequência, mas nem sempre, o 
primeiro AUG).