A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
PROCESSO

Pré-visualização | Página 2 de 2

de um advogado, nessas situações a própria lei afasta a necessidade de um advogado, pois existe um juiz postulante que resolve o problema. 
OBS: Existe uma outra forma de diferenciar que chama pressupostos processuais positivos e negativos, os positivos devem estar no processo; e os negativos não devem ocorrer, ou seja o pressuposto é a inexistência daquele elemento 
	C) PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS OBJETIVOS EXTRÍNSECOS 
Afetam o processo. São negativos, porque na presença destas situações o processo não continua, gera o encerramento da causa. É extrínseco pois para identificar um deles, é necessário analisar um outro processo, comparar duas situações e analisá-las. Todos discutem a validade. É extrínseco porque é necessária a análise de algo exterior ao processo. Também chamados de pressupostos processuais negativos, ou seja, são aquelas situações que não devem ocorrer, o pressuposto é a inexistência do elemento, pois caso exista o processo não pode continuar.
C.1) Coisa Julgada Material 
São ações iguais mas uma delas já foi julgada, tenho o encerramento de uma causa e a repropositura da mesma ação, não para rediscuti-la. No caso de coisa julgada material, o mérito já foi analisado, então o juiz nem aceita a petição inicial, porque já foi decidido, não cabe rediscutir essa decisão. Quando a coisa julgada for formal, o núcleo do direito ainda não foi decidido, então o autor pode repropor a ação corrigindo o vício. Só não posso repropor a causa quando ela já foi decidida em seu mérito. Só pode repropor quando o juiz julgar sem aprofundamento no mérito (formal)
* Coisa julgada: é o fenômeno de imutabilidade da decisão judicial, a coisa julgada ocorre quando não tenho mais como recorrer, por perda de prazo ou porque meus recursos acabaram e a partir dai, ela se torna imutável. É por meio disso que eu alcanço segurança jurídica na decisão. Existem duas formas de coisa julgada: formal, acontece quando eu tenho vícios processuais, quando não há análise de mérito; e material, quando o mérito é analisado. Sempre se da preferência ao conteúdo em detrimento da forma, analise tem que ser do mérito, o ideal é que sempre se tenha a coisa julgada material
C.2) Litispendência 
São dois processos iguais tramitando ao mesmo tempo. Essas duas ações iguais não podem conviver, apenas uma será mantida. Isso gera a extinção de um processo, ele para de existir. 
C.3) Perempção
É uma punição processual ao autor da causa quando ele dá motivo (causa) três vezes para extinção do processo. Se eu for autor de uma ação, tenho o direito de desistir da causa quando eu quiser. Ok eu desisto da causa... ai no mês seguinte eu proponho a mesma ação, desisto de novo, no outro mês faço isso pela terceira vez. 
A perempção é essa sanção que vai ser aplicada ao autor quando ele dá causa para extinção três vezes sem motivo, na quarta vez o juiz não julga mais essa causa, o autor fica impossibilitado de rediscutir aquele direito. Isso também afeta todos os futuros processos que eu queira rediscutir aquela causa. 
	D) PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS OBJETIVOS INTRÍNSECOS 
Não necessitam buscar um elemento exterior ao processo. Também chamados de pressupostos processuais positivos, já que são necessários para a continuidade do processo.
D.1) Demanda – Existência: significa falar de direito de ação, so há processo quando houver direito de ação pois somente ela da inicio ao processo. Se a demanda é inexistente, o processo é inexistente. Se não tem direito de ação o processo nunca existiu. 
D.2) Petição Inicial Apta – Validade: se eu tiver direito de ação e processo significa falar que ele existe? Sim ele existe. A existência do processo depende disso, mas a validade do processo depende da análise do juiz quanto a petição inicial. Não adianta ter uma petição inicial se ela estiver incompleta, só vale se ela estiver apta.
D.3) Citação Válida – Validade: a citação é o ato pelo qual eu integro o réu na relação jurídica processual, o juiz avisa o réu da causa. Sempre que isso ocorrer a citação tem que ser válida, se ela não for válida, não consigo realizar os princípios do contraditório e ampla defesa, etc. A citação do réu é essencial para que o processo seja válido. Quando o processo for extinto logo no início, o juiz nem avisa o réu, porque não vai gerar nenhum tipo de prejuízo a ele (exceção). A citação valida é essencial quando eu tiver a necessidade do réu no processo, e isso é na maioria dos processos. Eu preciso que a citação seja valida para desenvolver aquele processo 
D.4) Regularidade Forma – Validade: o processo é desenvolvido mediante um procedimento de vários atos praticados. Se a lei exige um tipo de regularidade de forma obrigatória para o ato, eu tenho que seguir este procedimento, se eu não cumprir essa forma, poderia surgir a ideia de que aquilo seria inválido, já que não estou seguindo o que a lei estipula. Seguir essa forma significa alcançar a validade do ato.
-> Princípio da instrumentalidade das formas: o processo é um instrumento para concretização do direito material, portanto o foco não é a forma, mas sim o mérito. Esse principio diz que a forma é importante sim e é importante segui-la, mas se eu e alcançar o mesmo objetivo de outra maneira sem prejudicar ninguém, é adequado anular o ato por causa da informalidade? Não. O foco é o objetivo e não a forma, se eu o alcancei seguindo forma distinta e isso não gerou prejuízo para ninguém, tudo bem. Eu considerarei válido o ato que por mais que não tenha seguido a forma prevista na lei, alcance seu objetivo sem gerar prejuízo para ninguém.