A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
TÉCNICA DE DISTRAÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 1

TÉCNICA DE DISTRAÇÃO
ANA PAULA LEOPARDI
LÍVIA NOGUEIRA 
NICOLE GAZZOTTO
INTRODUÇÃO
Muitos pacientes ansiosos experimentam imagens ameaçadoras recorrentes, como cenas imaginárias ou eventos aversivos traumatizantes (Dobson e Franche, 1996). 
Eventos aversivos levam ao aparecimento de reações cognitivas e autonômicas desagradáveis, por exemplo:
 
As reações vão acontecendo até ocorrer uma completa extinção de comportamentos anteriormente prazerosos.
CASOS DE DEPENDÊNCIAQUÍMICA
CASOSDE DORES CRÔNICAS
Osdependentes quando passam pelo episódio de fissura, têm dificuldade de se concentrar em várias reações corporais desagradáveis e no modo de pensar, o qual acompanha tais reações.
Asdores crônicas fazem com que os pacientes se isolem e não se concentrem em mais nada, além de sua dor e tristeza.
DESCRIÇÃO DA TÉCNICA
De modo geral, a técnica trabalha com a mudança do foco de atenção para outras situações que podem ser agradáveis e disponíveis no próprio ambiente, como por exemplo:
1. Prestar atenção em detalhes do ambiente;
2. Buscar encontrar um diálogo neutro;
3. Sair de um evento que proporciona algum incômodo;
4. Tentar encontrar, nas tarefas domésticas, algo que possa ser usado como fonte de distração positiva (e que proporcione um aumento na auto-estima);
5. Ler em voz alta para o (a) parceiro(a) ou familiares aquilo que mais gosta ou mesmo cantarolar alguma musica;
6. Iniciar alguma atividade lúdica que pode ser: jogos, videogame, cartas, etc. Ou seja, tudo que pede a atenção do paciente e que faca ele se desviar do estimulo original (“ruim”) (Knapp, Luz Jr. e Baldisserotto, 2001).
DESCRIÇÃO DA TÉCNICA
Passando ao paciente que a técnica de distração.
Em seguida, o terapeuta pede que o paciente focalize em algum objeto. 
O exercício da distração é usado para proporcionar uma forte demonstração do modelo cognitivo. 
Quando o exercício e bem-sucedido, solicita-se ao paciente que o pratique em situações nas quais se sinta ameaçado ou incomodado.
VÍDEO – TÉCNICA DA DISTRAÇÃO UTILIZADA NA SÍNDROME DO PÂNICO
MODALIDADES DE DISTRAÇÃO
MODALIDADES DE DISTRAÇÃO
O QUE ELASSÃO?
IMAGENSAGRADÁVEIS
O paciente imagina situações agradáveis, não ligadasao seu foco de atenção;
IMAGENSDRAMATIZADAS
Ele imagina as situações nas quais encontra dificuldades,que sejam torturantes ou incomodas e, ao final, ele consegue se
livrar delas, sem o auxilio de intermediários;
IMAGENSNEUTRAS
Ele deve fixar o pensamento em novos objetivos, comoplanejar novas atividades, filme que assistiu, elaboração de um novo cardápiosemanal etc.;
CONCENTRAÇÃOAMBIENTAL
Ele identifica algo que necessita ser renovado nasua residência, como roupas, livros, moveis (que devem ser trocados ouapenas mudados de lugar) etc.;
ATIVIDADERÍTMICA
Ele cantarola suas musicas prediletas ou se esforça paraimitar algum cantor que aprecie.
ESTUDO DE CASO
CASO 1.
Menino, de sete anos de idade que apresentou sintomatologia direcionada à Síndrome de Tourette. 
O menino mostrava intensa ansiedade em relação aos tiques motores e/ou vocais. Logo, para minimizar essa ansiedade foram realizadas intervenções baseadas na terapia cognitivo-comportamental, tais como, psicoeducação, com o menino e a avó, e também a técnica de distração, buscando melhora na qualidade de vida. 
ESTUDO DE CASO
CASO 2.
M, 40 anos, casada ha 5 anos, fibromialgia (dor no corpo inteiro) há 2 anos e meio, acompanhada por um médico neurocirurgião e uma medica fisiatra. Foi encaminhada a terapia pelo neurocirurgião por causa das dificuldades emocionais e comportamentais em que se encontrava. 
DINÂMICA
QUAIS AS VERDADEIRAS DESCRIÇÕES PARA AS SEGUINTES MODALIDADES DE DISTRAÇÃO ?
IMAGENS AGRADÁVEIS
Paciente imagina situações nas quais encontra dificuldades, que sejam torturantes ou incomodas e, ao final, ele consegue se livrar delas, sem auxílio de intermediários.
IMAGENSDRAMATIZADAS
Paciente fixao pensamento em novos objetivos, como planejar novas atividades, filmes que assistiu, etc.
IMAGENS NEUTRAS
O pacienteimagina situações agradáveis, não ligadas ao seu foco de atenção.
conclusão