Curso de Direito Penal   Parte Geral    Cláudio Brandão (Grifado)
764 pág.

Curso de Direito Penal Parte Geral Cláudio Brandão (Grifado)


DisciplinaDireito Penal I67.399 materiais1.087.737 seguidores
Pré-visualização50 páginas
www.princexml.com
Prince - Personal Edition
This document was created with Prince, a great way of getting web content onto paper.
1ª edição \u2013 2008
1ª edição \u2013 2008 \u2013 2ª tiragem
2ª edição \u2013 2010
© Copyright
Cláudio Brandão
\u25aa O titular cuja obra seja fraudulentamente re-
produzida, divulgada ou de qualquer forma utiliz-
ada poderá requerer a apreensão dos exemplares
reproduzidos ou a suspensão da divulgação, sem
prejuízo da indenização (art. 102 da Lei n. 9.610,
de 19.02.1998).
Quem vender, expuser à venda, ocultar, adquirir,
distribuir, tiver em depósito ou utilizar obra ou
fonograma reproduzidos com fraude, com a fi nal-
idade de vender, obter ganho, vantagem, proveito,
lucro direto ou indireto, para si ou para outrem,
será solidariamente responsável com o contrafator,
nos termos dos artigos precedentes, respondendo
como contrafatores o importador e o distribuidor
em caso de reprodução no exterior (art. 104 da Lei
n. 9.610/98).
A EDITORA FORENSE se responsabiliza pelos vícios
do produto no que concerne à sua edição, aí com-
preendidas a impressão e a apresentação, a fi m
de possibilitar ao consumidor bem manuseá-lo e
lê-lo. Os vícios relacionados à atualização da obra,
aos conceitos doutrinários, às concepções ideoló-
gicas e referências indevidas são de responsabilid-
ade do autor e/ou atualizador.
As reclamações devem ser feitas até noventa dias
a partir da compra e venda com nota fiscal (inter-
pretação do art. 26 da Lei n. 8.078, de
11.09.1990).
\u25aa Reservados os direitos de propriedade desta edição
pela
EDITORA FORENSE LTDA.
Uma editora integrante do GEN | Grupo Editorial
Nacional
Travessa do Ouvidor, 11 \u2013 Térreo e 6º andar \u2013
20040-040 \u2013 Rio de Janeiro \u2013 RJ
Tel.: (0XX21) 3543-0770 \u2013 Fax: (0XX21)
3543-0896
forense@grupogen.com.br | www.grupogen.com.br
\u25aa Produção: TypoDigital
6/764
08-0897
CIP \u2013 Brasil. Catalogação-na-fonte.
Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.
B817c
Brandão, Cláudio, 1974 \u2013
Curso de direito penal: parte geral \u2013 2. ed. / Cláudio
Brandão \u2013 Rio de Janeiro: Forense, 2010.
ISBN 978-85-309-3331-9
1. Direito penal \u2013 Brasil. I. Título.
CDU: 343(81)
Ao Deus Pai, ao Deus Filho e ao Deus Espírito Santo.
À Santíssima Trindade seja dada toda Glória,
para sempre, até a consumação dos séculos.
Agradeço pelo apoio que jamais me foi negado. Por isso
dedico esta obra a todos vocês:
A Eurico Brandão e a Dilena Brandão.
A Jurandir e Cícera Cintra, in memoriam.
A Julieta Cintra e Carlos Brandão.
A Danielle, Mirella e demais irmãos.
A Ir. Miriam Vieira, DIC, Ir. Alcilene Fenandes, DIC e Ir.
Maria Ângela, OCD.
Ao Padre Pedro Rubens, SJ.
A D. Manoel Martins, OSB.
A Ricardo de Brito, João Maurício Adeodato,
Francisco Cavalcanti, Anamaria Torres,
Teodomiro Cardoso, Ruth Gauer,
Aury Lopes Jr., Jacinto Coutinho,
Aldacy Coutinho, Auxiliadora Minahim,
Alberi Petersen, Rui da Cunha Martins.
Aos meus alunos da UFPE e da Faculdade Damas.
Nota da Editora: o Acordo Ortográfico foi aplicado integral-
mente nesta obra.
ÍNDICE SISTEMÁTICO
Prefácio do Prof. Jacinto Nelson de Miranda Coutinho \u2013
O Drama, Hoje, do Direito Penal
Prefácio do Prof. Rui Cunha Martins
Apresentação da Prof.ª Maria Auxiliadora Minahim
TÍTULO I \u2013 PROPEDÊUTICA E TEORIA DA LEI
PENAL
Capítulo I \u2013 Conceito, Objeto e Método do Direito
Penal
1.1. Delimitação do Estudo e Objeto da Investigação
1.2. Conceito de Direito Penal
1.2.1. Construção de uma Definição Normativa
1.2.2. Significado Político da Definição de Direito
Penal
1.3. Direito Penal Objetivo e Subjetivo. Crítica da Vi-
abilidade da Distinção
1.4. Objeto do Direito Penal
1.5. Método do Direito Penal
1.5.1. Escorço Histórico sobre o Método Penal
1.5.2. O Método Atual: o Pós-Positivismo
1.6. Síntese Conclusiva
Capítulo II \u2013 Escorço Histórico do Direito Penal
2.1. Introdução à Notícia Histórica da Formação do
Direito Penal
2.2. Direito Penal da Sociedade Primitiva
2.3. Direito Penal em Roma
2.4. Direito Penal na Idade Média
2.5. Idade Moderna
2.6. Direito Penal Liberal: Consolidação da
Legalidade
Capítulo III \u2013 Direito Penal e Estado
3.1. Apresentação do Tema
3.2. Direito Penal e Estado Teocrático
3.3. Direito Penal e Estado Totalitário
3.4. Direito Penal e Estado de Direito
Capítulo IV \u2013 Princípio da Legalidade Penal
4.1. Considerações Iniciais
4.2. Proibição de Analogia (Nullum Crimen, Nulla
Poena Sine Lege Stricta)
4.3. Exigência de Lei Certa (Nullum Crimen, Nulla
Poena Sine Lege Certa)
4.4. Exigência de Lei Escrita (Nullum Crimen, Nulla
Poena Sine Lege Scripta)
12/764
4.5. Exigência de Lei Prévia (Nullum Crimen, Nulla
Poena Sine Lege Praevia)
Capítulo V \u2013 Lei Penal no Tempo
5.1. Objeto do Estudo
5.2. Abolição do Crime (Abolitio Criminis)
5.3. Retroatividade da Lei mais Benigna (Lex Mitior)
5.4. Combinação de Leis (Lex Tertia)
5.5. Ultra-Atividade da Lei Penal (Lei Penal Excep-
cional ou Temporária)
5.6. Questões Pontuais da Aplicação da Lei Penal no
Tempo
5.6.1. Medidas de Segurança
5.6.2. Norma Penal em Branco
5.7. Tempo do Crime
Capítulo VI \u2013 Lei Penal no Espaço
6.1. Objeto do Estudo
6.2. Princípio da Territorialidade
6.3. Lugar do Crime
6.4.1. Hipóteses de Extraterritorialidade
Incondicionada
6.4.1. Hipóteses de Extraterritorialidade
Incondicionada
6.4.1.1. Princípio da Defesa ou Real
6.4.1.2. Princípio da Justiça Penal Universal
Aplicado ao Genocídio
13/764
6.4.2. Hipóteses de Extraterritorialidade
Condicionada
6.4.2.1. Princípio da Justiça Penal Universal
6.4.2.2. Princípio da Nacionalidade
6.4.2.3. Princípio do Pavilhão ou da Bandeira
Capítulo VII \u2013 Lei Penal com Relação às Pessoas
7.1. Introdução
7.2. Imunidades Substanciais
7.3. Imunidades Formais
7.3.1. Imunidades Diplomáticas
7.3.2. Imunidades Consulares
7.3.3. Imunidades Parlamentares Formais
7.4. Extradição
7.4.1. Conceito e Classificação
7.4.2. Casos de Impossibilidade de Extradição
7.4.3. Requisitos da Extradição
TÍTULO II \u2013 TEORIA DO CRIME
Capítulo VIII \u2013 Conceito de Crime
8.1. Conceito Criminológico e Jurídico de Crime
8.2. Conceito Material de Crime
8.3. Conceito Formal de Crime
8.4. Classifi cações do Crime
14/764
Capítulo IX \u2013 A Conduta Humana
9.1. A Conduta na Teoria do Crime
9.2. Evolução Dogmática do Conceito de Ação
9.2.1. Teoria Causalista da Ação
9.2.2. Teoria Finalista da Ação
9.3. Teoria Social da Ação
9.4. Considerações Críticas sobre as Teorias da Ação
9.5. Omissão
9.6. Comissão por Omissão (Omissão Imprópria)
9.7. Ausência de Conduta
Capítulo X \u2013 Nexo de Causalidade
10.1. Apresentação do Tema
10.2. Teorias sobre o Nexo de Causalidade
10.2.1. Teoria da Equivalência das Condições
10.2.2. Teoria da Causalidade Adequada
10.3. Posição do Direito Brasileiro
10.4. Causalidade nos Crimes Culposos
Capítulo XI \u2013 Tipicidade
11.1. Conceito e Evolução da Tipicidade
11.2. Função de Garantia da Tipicidade
11.3. Análise do Tipo Penal
11.3.1. Sujeito Ativo
11.3.2. Sujeito Passivo
15/764
11.3.3. Objeto Material
11.3.4. Elementos do Tipo Penal
Capítulo XII \u2013 Tipo Comissivo Doloso
12.1. Conceito e Teorias do Dolo
12.2. Normatização do Dolo
12.3. Elementos do Dolo
12.4. Preterdolo
Capítulo XIII \u2013 Tipo Comissivo Culposo
13.1. Conceito e Teorias da Culpa
13.2. Espécies de Culpa
13.3. Formas de Cometimento do Crime Culposo
13.4. Requisitos da Culpa
Capítulo XIV \u2013 Antijuridicidade
14.1. A Antijuridicidade na Teoria Geral do Direito
14.2. Antijuridicidade como Essência do Crime
14.3. Antijuridicidade como Elemento do Crime
14.4. Antijuridicidade Formal e Material