Vídeo Digital I   Aula 07
4 pág.

Vídeo Digital I Aula 07

Disciplina:Propaganda e Marketing27 materiais1.247 seguidores
Pré-visualização1 página
Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

43

Aula 07

DIRECIONANDO A ATENÇÃO
DO ESPECTADOR

Quando estivermos programando nossas cenas para algum projeto, podemos utilizar
vários recursos para ajudar a direcionar o olhar e a atenção do espectador. Vamos conhecer
alguns desse recursos nessa aula.

CORES

Quando todos os elementos de uma cena são iguais, os espectadores focalizam o
elemento com a cor mais clara (ou mais incomum) na tomada. Podemos colocar, por exemplo,
o personagem principal vestido de verde e o resto de bege, ou em uma multidão com chapéu
branco colocarmos um com chapéu laranja.

Cinegrafistas acham que a cor é uma maneira interessante de atrair a atenção, já que
nem sempre é possível aumentar a iluminação sobre o assunto para conseguir esse resultado.

OLHOS E ROSTOS

Desde o nascimento somo condicionados a estudar o rosto de outras pessoas, nos

44

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

filmes não é diferente. Os rostos dos personagens são os objetos mais interessantes em
qualquer cena, sendo os olhos mais ainda.

FOCO

Outra maneira eficaz de atrair a atenção do telespectador é pelo foco da câmera,
mudando-o durante uma cena. Essá técnica, que é chamada de foco seletivo, é muito comum
no cinema, mas não é tão eficaz no vídeo porque sua profundidade de campo é maior.

PERSONAGEM OU OBJETO MÓVEL

Os seres humanos são atraídos pelo movimento de modo similar ao dos animais.
Tanto que os anúncios “móveis” como néons cintilantes, comerciais de televisão, banners de
Internet são mais efetivos (chamam mais a atenção) do que anúncios imóveis.

Essa resposta aos movimentos que encontramos nos homens e nos animais se derivou
do uso dos olhos como instrumentos de sobrevivência. Isso porque em certas condições o
movimento pode significar aproximação de perigo, o aparecimento de um amigo ou de uma
presa desejável, por exemplo.

Por possuir esse poder de chamar a atenção do observador, o movimento pode
ser um fator decisivo para toda arte visual, inclusive em um vídeo. Por isso o telespectador
seguirá qualquer coisa que esteja se movendo em uma cena. Se vários elementos
estiverem se movendo em um quadro, o espectador será atraído pelo elemento que estiver
sem movendo mais rápido.

UTILIZANDO UMA LISTA DE TOMADAS

Na próxima aula veremos os principais ângulos (enquadramentos) de câmera,
mas para uma filmagem organizada o cinegrafista e o diretor precisam sempre ter em
mãos uma lista de tomadas com a cenas que serão filmadas. Essa lista de tomadas é
baseada no roteiro (script) da produção, e é importante para a otimização dos
trabalhos de filmagem.

Um storyboard ilustra, como uma estória em quadrinhos, tomada por tomada de
como devem ser filmadas as cenas de seu projeto. A lista de tomadas é simplesmente um
resumo escrito de seu storyboard, incluindo os ângulos (ou tipo) de tomadas, cenários,
assuntos e as ações de cada uma.

Exemplo:

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

45

Com uma lista de tomadas como essa fica muito mais fácil a captação das imagens
necessárias para a produção do projeto.

GLOSSÁRIO

• Tomada: filmagem de uma cena descrita no script;
• Lista de Tomadas: lista das tomadas a serem filmadas incluindo o ângulo de

câmera, local e descrição da cena.

ATIVIDADES
As atividades referentes a esta aula estão disponibilizadas na ferramenta

“Sala Virtual - Atividades”. Após respondê-las, enviem-nas por meio do Portfólio-
ferramenta do ambiente de aprendizagem UNIGRAN Virtual. Em caso de dúvidas,
utilize as ferramentas apropriadas para se comunicar com o professor.

Tomada Ângulo (Tipo) Descrição
1 Gde. Plano Geral Fachada da Instituição (dia)
2 Plano Geral Acadêmicos entrando (dia)
3 Plano Conjunto Acadêmico no Terminal
4 Close-up Sorriso do Acadêmico

5 Plano Detalhe Entrega do cartão ao acadêmico

Lista de Tomadas para “Vídeo Institucional 2006”

46

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN