Vídeo Digital I   Aula 06
4 pág.

Vídeo Digital I Aula 06

Disciplina:Propaganda e Marketing27 materiais1.247 seguidores
Pré-visualização1 página
Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

39

Aula 06

O ÁUDIOVISUAL

Para vocês entenderem a importância do aúdio em uma obra audiovisual, em uma
propaganda, por exemplo, vamos ver um pouco sobre essa linguagem que funde o áudio e
o vídeo em uma única obra.

A linguagem do audiovisual funde o áudio e o visual para formar uma nova
comunicação. Não se trata de uma adição, mas de uma fusão do som e da imagem em
movimento, que permite ao cérebro integrar simultaneamente as informações.

Os primeiros registros históricos que contêm associação som e imagem são de
origem religiosa. Tentava-se juntar os elementos visuais (ritos e encenações) com música
(mantras e textos sagrados). Essa associação sempre fez parte da história das artes e do
cotidiano, podendo ser considerada uma relação muito natural para o ser humano, ou
seja, unir imagem e som, fazendo um conjunto das duas coisas, muito anteriormente ao
surgimento do cinema e da TV.

Enquanto o telespectador é capaz de distinguir vários elementos visuais em uma
cena, o som é percebido como um todo, agindo de forma subliminar. Sabendo disso, quem
trabalha com cinema e TV pode induzir sensações nas pessoas através do som.

O apelo da televisão advém de vários fatores; o visual com imagens em movimento
adicionado ao som é o que a torna especial e com alto poder de persuasão.

40

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

Ao contrário do cinema que nasceu mudo e depois o som veio como um elemento
adicional, a televisão teve som e imagem juntos desde o início. Dessa fusão nasceu uma mídia
audiovisual, aonde o som em suas várias manifestações como os diálogos, músicas e efeitos
sonoros são partes da televisão.

Essas "manifestações sonoras" representam muito na aplicação da estética na mídia
audiovisual e se tornam imprescindíveis na televisão.

O som assume diversos papéis no audiovisual, transmitindo variadas sensações.
Usada de maneira correta uma trilha sonora pode relaxar, inspirar ou excitar os
telespectadores, evocando respostas que as imagens não conseguem. A percepção da imagem
é alterada pela trilha (som), tendo o poder de reforçar, contradizer ou alterar completamente.
Portanto, sabemos que é possível mudar totalmente o contexto de uma imagem escolhendo
diferentes trilhas sonoras para seu acompanhamento.

DEFINIÇÕES TÉCNICAS SOBRE ÁUDIO E SUAS CONEXÕES

Para termos noção de como funciona as qualidades de áudio em diversas mídias, a
tabela abaixo descreve brevemente como funciona essa escala de qualidade.

O padrão de gravação do DV oferece quatro opções de qualidade. O ideal,
logicamente, é nós sempre utilizarmos a melhor qualidade, mas nunca é demais sabermos
mais sobre nossas ferramentas de trabalho.

Tabelas com modos de aúdio DV:

• Estéreo AES/EBU qualidade mais alta. 48 kHz (48.000 Hz);
• Estéreo qualidade CD, qualidade média. 44,1 kHz (44.100 Hz);
• Estéreo qualidade baixa. (16 bits) 32 kHz (32.000 Hz);
• Estéreo qualidade mais baixa (12 bits) 32 kHz (32.000 Hz).

Como vimos, a melhor qualidade de áudio que podemos capturar no formato DV é
em 48 kHz, que é justamente a qualidade do aúdio do formato DVD. Portanto sempre devemos
deixar a câmera nessa qualidade.

Mídia Qualidade em Hertz

Rádio FM

CD

DVD

Vinil

22.050 Hz

44.100Hz

48.000 Hz

96.000 Hz

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

41

CONECTORES DE MICROFONE

Pode parecer que não, mas o tipo de conector para áudio que uma câmera aceita é
muito importante, como veremos a seguir.

Miniplugues
A maioria das câmeras para o mercado

consumidor possuem minientradas de áudio, que aceitam
os mesmo plugues que você encontra em um discman.
Esses miniplugues possuem quatro problemas:

• o miniplugue (minijack) pode oscilar na
tomada, interrompendo a conexão;

• os minúsculos contatos não conduzem som de
alta frequência muito bem. Isso significa que sons de
pássaros e as consoantes da fala humana podem não
aparecer corretamente na gravação de áudio;

• a maioria dos equipamentos de áudio
profissionais utilizam plugues e conexões XLR de três
pinos de alta qualidade. Se a câmera possui minientradas
de áudio, você não poderá ligar esse tipo de equipamento sem um adaptador, e mesmo com
esse adapator, as frequências mais altas seriam perdidas pelo conector mini;

• os cabos para o mercado consumidor não possuem uma proteção apropriada,
captando, assim, ruídos (zumbidos) das fontes elétricas vizinhas, como aparelhos domésticos
e cabos de força.

Plugues XLR
Esse conectores é o que podemos encontrar de melhor em conexão de áudio, mas

vocês só irá encontrar esse tipo de conexão em câmeras profissionais.

Plugue Minijack

Conectores XLR, também chamados de Cannon

42

Vídeo Digital I - Ricardo Almeida Fava - UNIGRAN

Plugues RCA
Esse é o mais conhecido de todos e é ainda muito usado nas câmeras. Apesar de ser

mais antigo que o miniplugue, ele é um pouco melhor para conduzir altas frequências. Mesmo
assim não é tão bom quanto o XLR.

CONTROLANDO OS NÍVEIS DE ÁUDIO

Podemos controlar o volume da entrada de áudio em uma câmera através de
controles de níveis de áudio, também chamado ganho de áudio ou REC Level (nível de
gravação). A maioria das câmeras oferece um recurso automático (AGC) para ajustar os
níveis automaticamente, mas não devemos usá-lo a não ser que seja extremamente
necessário. Esse recurso aumentará o ganho quando uma cena estiver silenciosa e diminuirá
quando um caminhão passar, por exemplo. Com isso, temos um áudio totalmente irregular
e que é quase impossível corrigir na pós-produção do vídeo. Mesmo filmando no estilo
jornalístico, evite usar o AGC.

ATIVIDADES
As atividades referentes a esta aula estão disponibilizadas na ferramenta

“Sala Virtual - Atividades”. Após respondê-las, enviem-nas por meio do Portfólio-
ferramenta do ambiente de aprendizagem UNIGRAN Virtual. Em caso de dúvidas,
utilize as ferramentas apropriadas para se comunicar com o professor.

Conector RCA