A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
Aquivologia apostila

Pré-visualização | Página 11 de 11

fixadas por adesivo natural, semi-
sintético ou sintético, por meio de diferentes 
técnicas, manuais ou mecânicas. 
 
 
planificação 
Aplainamento mediante pressão, de documentos 
dobrados, enrolados ou amarrotados. 
 
 
reencolagem 
Encolagem que visa restituir ao papel a 
substância adesiva original perdida. 
 
 
secagem a vácuo 
Tratamento de documentos molhados mediante 
gradual retirada de ar e elevação de temperatura. 
 
 
secagem por congelamento 
Tratamento de documentos molhados por 
congelamento e subseqüente secagem mediante 
vácuo e gradual elevação de temperatura. 
Também chamado liofilização ou secagem a frio. 
 
umidificação 
Procedimento em que documentos quebradiços e 
ressecados são colocados numa atmosfera úmida 
para readquirirem flexibilidade pela absorção 
gradual do vapor d'água. 
 
 
velatura 
Processo de restauração que consiste na 
aplicação de reforço de papel ou tecido em 
qualquer face de uma folha. 
 
 
 
QUESTÕES DE PROVA 
 
 
39 (DPF – ESCRIVAO – 2012) Para preservar e 
conservar documentos de arquivo é necessário 
desenvolver ações nos momentos de produção, 
de tramitação, de acondicionamento e de 
armazenamento físico, independentemente do 
suporte documental utilizado. 
 
40 (DPF – ESCRIVAO – 2012) Deve ser 
previsto espaço para o armazenamento separado 
dos diversos suportes documentais nas áreas de 
depósito de documentos de arquivo. 
 
41 (DPF – PAPILOSCOPISTA) O 
acondicionamento — que consiste na guarda dos 
documentos nos locais a eles designados — e o 
armazenamento — que se refere à embalagem do 
documento com vistas a protegê-lo e a facilitar 
seu manuseio — são procedimentos 
fundamentais para a conservação e preservação 
dos documentos de arquivo. 
 
42 (TRE-RJ 2012) As condições de 
armazenamento de documentos em papel 
distinguem-se das de documentos fotográficos, 
como o eslaide, o negativo e o papel fotográfico, 
dadas as diferenças de suporte, em especial as 
relativas às propriedades físicas dos materiais. 
 
43 (IBAMA 2012) Recomenda-se acondicionar 
os documentos cartográficos em pastas 
suspensas e armazená-los em estantes de aço 
com pintura antioxidante. 
 
 
 
 34 
 
44 (DPF – ESCRIVAO – 2012) A principal 
medida para preservar documentos em suporte 
papel é a encapsulação. 
 
45 (TRE-RJ 2012) O amarelecimento do papel é 
sinal de que o documento está em processo de 
deterioração. 
 
46 (TRE-RJ 2012) A acidez do papel, condição 
que pode danificá-lo, decorre da presença de 
elementos metálicos no documento, como 
grampos, bailarinas e clipes. 
 
47 (MPU – 2013 – TÉCNICO) O método de 
laminação é o que mais se aproxima do método 
ideal de restauração de documentos, dado que 
eleva a resistência do papel sem perda da 
legibilidade e flexibilidade, tornando-o imune à 
ação de fungos e pragas. 
 
48 (MPU – 2010) O alisamento é uma das 
operações de restauração de documentos mais 
utilizadas em países tropicais. 
 
49 (ANAC – 2009) O ar seco e a alta umidade são 
fatores de enfraquecimento do papel. 
 
50 (ABIN) - Devido à aplicação de modernas 
técnicas de preservação documental, a 
temperatura não é considerada um agente de 
deterioração de documentos de arquivo. 
 
 
 
 
GABARITO DEFINITIVO CONFORME A 
BANCA EXAMINADORA 
 
01 - E 02 - C 03 - C 04 - C 05 - E 
06 - C 07 - E 08 - E 09 - C 10 - C 
11 - E 12 - C 13 - C 14 - C 15 - C 
16 - E 17 - E 18 - E 19 - C 20 - E 
21 - E 22 - C 23 - C 24 - C 25 - E 
26 - E 27 - C 28 - C 29 - C 30 - C 
31 - C 32 - C 33 - E 34 - B 35 - C 
36 - E 37 - E 38 - B 39 - C 40 - C 
41 - E 42 - C 43 - E 44 - E 45 - C 
46 - E 47 - C 48 - E 49 - C 50 - E 
 
BIBLIOGRAFIA 
 
 
AVEDON, D. M. GED de A a Z: tudo sobre 
GED – gerenciamento eletrônico de documentos 
 
BERNARDES, Ieda Pimenta. Como avaliar 
documentos de arquivos. São Paulo: Arquivo 
do Estado, 1998. 89 p. Disponível 
em:<http://www.arqsp.org.br/arquivos/oficinas_
colecao_como_fazer/cf1.pdf>. 
 
BRASIL. Lei 5.433 de 08 de maio de 1968. 
 
BRASIL. Decreto 1.799 de 30 de janeiro de 
1996. 
 
BRASIL. Lei 8159. 
 
CGU. Acesso à informação pública: uma 
introdução à Lei 12.527, de 18 de novembro de 
2011. Disponível 
em:<http://www.cgu.gov.br/Publicacoes/Cartilha
AcessoaInformacao/CartilhaAcessoaInformacao.
pdf>. 
 
CONARQ – Resolução 14. Disponível 
Em:<http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/
Media/resolucao_14.pdf>. 
 
DICIONÁRIO brasileiro de terminologia 
arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 
2005. 232p. Disponível em: 
http://www.arquivonacional.gov.br/Media/Dicio
n%20Term%20Arquiv.pdf>. 
 
PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 
3. ed. rev. amp. Rio de Janeiro. FGV, 2004. 228 
p. 
 
SOUZA NETO, J. M. de. O microfilme. São 
Paulo: CENADEM. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 35 
ANEXO 1 - EXEMPLO DE UMA TABELA DE TEMPORALIDADE 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 36 
ANEXO 2

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.