A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
102 pág.
Anatomofisiologia Cardiaca

Pré-visualização | Página 1 de 3

Anatomofisiologia
Cardíaca
FISIOTERAPIA CARDIOVASCULAR
Apoia-se sobre o diafragma, perto da linha média da cavidade torácica, no mediastino e
entre os revestimentos (pleuras) dos pulmões.
Cerca de 2/3 de massa cardíaca ficam a esquerda da linha média do corpo.
Faces:
◦ Anterior ou Esternocostal
◦ Posterior
◦ Inferior
Anatomia Topográfica
2
3
4
Forma cônica.
Cerca de 12 cm de comprimento, 9 cm de largura em sua parte mais ampla e 6 cm de
espessura.
Massa (média em adultos)
◦ 250g nas mulheres
◦ 300g nos homens
Coração
5
6
Pericárdio
◦ Pericárdio Parietal ou Fibroso
◦ Pericárdio Visceral, Seroso ou Epicárdio
Miocárdio
Endocárdio
Camadas da Parede Cardíaca
7
Membrana que reveste e protege o coração.
Restringe o coração à sua posição no mediastino
permitindo suficiente liberdade de
movimentação para contrações.
Consiste em duas partes principais: pericárdio
fibroso e pericárdio seroso.
Pericárdio
8
9
Tecido conjuntivo irregular, denso, resistente e inelástico.
Assemelha-se a um saco, que repousa sobre o diafragma e se prende a ele, envolvendo o
coração desde o ápice até a base.
Inferiormente, confunde-se com o centro tendíneo do diafragma.
Posteriormente, relaciona-se com a aorta torácica e esôfago.
Em suas faces laterais adere à pleura mediastinal.
Pericárdio Fibroso ou Parietal
10
11
Membrana mais fina e mais delicada que forma uma dupla camada, circundando o
coração.
A camada parietal, mais externa, do pericárdio seroso está fundida ao pericárdio fibroso.
A camada visceral, mais interna, do pericárdio seroso, também chamada epicárdio, adere
fortemente à superfície do coração.
A cavidade delimitada entre suas duas lâminas, contém líquido pericárdico que lubrifica as
superfícies, diminuindo o atrito durante os movimentos cardíacos.
Pericárdio Seroso ou Visceral
12
Camada média e mais espessa do coração.
Composto de músculo estriado cardíaco. 
Miocárdio
13
Camada mais interna do coração.
Fina camada de tecido composto por epitélio pavimentoso
simples sobre uma camada de tecido conjuntivo.
Superfície lisa e brilhante que permite o sangue correr
facilmente sobre ela.
Também reveste as valvas e é contínuo com o revestimento
dos vasos sangüíneos que entram e saem do coração.
Endocárdio
14
O coração possui quatro câmaras: dois átrios e dois
ventrículos.
Os átrios (as câmaras superiores) recebem sangue e
são separados entre si pelo septo interatrial.
Os ventrículos (câmaras inferiores) bombeiam o
sangue para fora do coração, sendo separados pelo
septo interventricular.
Câmaras Cardíacas
15
16
Recebe sangue rico em dióxido de carbono de três veias: veia cava superior, veia cava
inferior e seio coronário.
Veia cava superior: recolhe sangue da cabeça e parte superior do corpo.
Veia cava inferior: recebe sangue das partes mais inferiores do corpo (abdômen e
membros inferiores).
Seio coronário: recebe o sangue que nutriu o miocárdio.
Átrio Direito
17
Átrio Direito
18
Cavidade de parede fina, que recebe o sangue já oxigenado por meio de quatro veias
pulmonares.
O átrio esquerdo também apresenta uma expansão piramidal chamada aurícula esquerda.
Átrio Esquerdo
19
A cavidade ventricular direita possui um formato
triangular e 3 porções bem distintas:
◦ Via de entrada (compreende o aparelho valvar
atrioventricular)
◦ Porção trabecular ou apical
◦ Via de saída
Ventrículo Direito
20
O ventrículo esquerdo forma o ápice do coração.
Recebe sangue oxigenado do átrio esquerdo.
Principal função é bombear sangue para a
circulação sistêmica.
Parede ventricular esquerda é mais espessa que a
do ventrículo direito.
Ventrículo Esquerdo
21
22
Átrioventriculares
◦ Mitral (E)
◦ Tricúspide (D)
Arteriais
◦ Pulmonar (VD)
◦ Aórtica (VE)
Valvas Cardíacas
23
Valvas Cardíacas
24
Inseridas cada uma em um anel fibroso que usualmente não é contínuo ao nível da
transição atrioventricular.
Constituídas por cúspides de tamanho e extensão variáveis, as quais estão presas por
cordas tendíneas aos músculos papilares, ou, como é observado na tricúspide, diretamente
na superfície do septo ventricular.
Valvas Átrioventriculares
25
As cúspides são constituídas por tecido conjuntivo frouxo, com variável quantidade de
colágeno, proteo-glicanos e fibras elásticas.
A valva tricúspide regula o fluxo do sangue entre o átrio direito e o ventrículo direito.
A valva mitral regula o fluxo do sangue entre o átrio esquerdo e o ventrículo esquerdo.
Valvas Átrioventriculares
26
Valvas Átrioventriculares
27
Valvas Átrioventriculares
28
Apresentam três válvulas ou folhetos semilunares.
Cada um deles inserindo-se em uma linha com formato de “U” superiormente na túnica
média da grande artéria correspondente e inferiormente no miocárdio da via de saída do
ventrículo.
A valva pulmonar se abre para permitir ao sangue fluir do ventrículo direito aos pulmões
pelas artérias pulmonares.
A valva aórtica permite ao sangue fluir do ventrículo esquerdo à aorta ascendente.
Valvas Arteriais
29
30
31
32
Veias Cavas
Artéria Pulmonar
Veias Pulmonares
Aorta
Definição de artéria e veia?
Grandes Vasos Cardíacos
33
Veias Cavas
Artéria Pulmonar
Veias Pulmonares
Aorta
Artérias são os vasos que conduzem o sangue para longe do coração e as veias conduzem 
sangue de volta ao coração.
Grandes Vasos Cardíacos
34
Artérias Coronárias
✓Constituem-se nos primeiros ramos emergentes da aorta e seu início pode ser observado
nos dois óstios das artérias coronárias, situados nos seios aórticos ou seios de Valsalva
direito e esquerdo.
✓As duas artérias coronárias mais importantes são a coronária direita e a coronária
esquerda - esta última se divide (mais freqüentemente) em artéria coronária descendente
anterior e artéria circunflexa.
Vascularização Cardíaca
35
36
37
O sangue venoso é coletado por diversas veias que desembocam na veia magna do
coração que conduz o sangue para o átrio direito.
Há ainda veias mínimas, muito pequenas, as quais desembocam diretamente nas
cavidades cardíacas.
Vascularização Cardíaca
38
A inervação intrínseca ou sistema de condução do coração é a razão dos batimentos
contínuos do coração.
É uma atividade elétrica, intrínseca e rítmica, que se origina em uma rede de fibras
musculares cardíacas especializadas, chamadas células auto-rítmicas (marca passo
cardíaco), por serem auto-excitáveis.
Inervação Cardíaca
39
A excitação cardíaca começa no nodo sino-atrial (SA) ou nodo sinusal, propagando-se ao
longo das fibras musculares atriais.
◦ Estrutura em forma de vírgula de cerca de 1 a 2 cm de extensão e 2 a 3 mm de
espessura.
◦ Localizado próximo ao epicárdio na junção entre a veia cava superior e o átrio direito.
◦ Recebe inervação simpática e parassimpática.
O potencial de ação atinge o nodo atrioventricular (AV) e chega ao feixe atrioventricular
(feixe de His), que é a única conexão elétrica entre os átrios e os ventrículos.
Inervação Cardíaca
40
Do feixe AV, o potencial de ação entra nos ramos direito e esquerdo, que cruzam o septo
interventricular, em direção ao ápice cardíaco.
Finalmente, as miofibras condutoras (fibras de Purkinje), conduzem rapidamente o
potencial de ação, primeiro para o ápice do ventrículo e após para o restante do miocárdio
ventricular.
Inervação Cardíaca
41
42
Músculo cardíaco possui fusão das membranas celulares que permite difusão
relativamente livre dos íons – Sincício.
Facilita o trânsito do potencial de ação entre as células cardíacas.
Quando uma célula é excitada