Resumo aula 1 e 2 Introdução ao estudo do direito
6 pág.

Resumo aula 1 e 2 Introdução ao estudo do direito


DisciplinaIntrodução ao Estudo ao Direito1.402 materiais1.650 seguidores
Pré-visualização1 página
Introdução ao Estudo do Direito 
Noção elementar do Direito: 
 
O Direito: 
\u2713 É um fato ou fenômeno social que só existe na sociedade; 
\u2713 Estabelece os limites de ação de cada um de seus membros. 
 
Resumo: 
 
Significados da palavra Direito: 
 
\u2022Norma: Normas elaboradas pela sociedade ou pelo estado 
\u2022Faculdade: Possibilidade de agir 
\u2022Expressão do justo: Justiça 
\u2022Ciência: Ramo do conhecimento científico 
\u2022Fato social: O direito é um setor da vida social 
 
Outras possibilidades: 
 
O Tributo (direitos alfandegários); 
O Reto (geométrico \u2014segmento reto); 
O Certo (cálculo direito); 
O Correto (homem direito \u2014moral); 
O Oposto a esquerdo (lado direito) 
 
Evolução histórica 
 
Ao longo de seu processo de evolução histórica, o Direito 
se apresenta como um conjunto de normas que tem por 
objetivo a disciplina e a organização da vida em 
sociedade, solucionando os conflitos de interesses e 
promovendo a justiça. 
 
Existe, então, o Direito como uma ciência cujo objeto de estudo é o fenômeno jurídico. 
Essa ciência busca sistematizar o conhecimento sobre o direito como um fenômeno 
jurídico, para que se possa compreendê-lo e utilizá-lo. 
 
-- 
 
Em um sentido figurado, o direito indica o que está de acordo com a lei: 
\u2022As leis físicas indicam aquilo que, na natureza, necessariamente é. 
\u2022As leis jurídicas, ao contrário, indicam apenas aquilo que, na sociedade, deve 
ser. Por essa razão diz-se que o Direito é a ciência do dever ser. 
 
Entretanto, não se pode esquecer que o direito é, em si, um setor da vida 
social, com características próprias, ou seja, um fato social. 
 
 
 
 
O Direito e as ciências afins 
 
Essas ciências auxiliam o Direito em sua interpretação e aplicação na prática do dia a 
dia forense, são facilitadoras da origem, da aplicação e de sua criação. 
 
\u2713 Filosofia do Direito 
O filósofo se preocupa com a valoração jurídica dos bens da vida, existentes na 
sociedade, tais como a justiça, o bem comum, o interesse social, a liberdade, entre 
outros, preocupando-se com as correntes filosóficas e ideológicas. O que interessa à 
Filosofia são os fundamentos, A razão de ser das leis. 
 
\u2713 Sociologia Jurídica 
A preocupação da Sociologia Jurídica é saber até que ponto as normas jurídicas se 
tornam realmente válidas, se, na prática, correspondem aos objetivos dos legisladores 
e seus destinatários, posto que é fundamental para o legislador produzir normas 
dotadas de eficácia social. 
 
\u2713 Ciência do Direito 
A Ciência do Direito, também chamada de Dogmática Jurídica, estuda a norma jurídica 
e sua aplicação aos casos particulares, como foi concebida e equacionada pelo 
legislador, em determinada sociedade e as questões referentes à sua interpretação e 
aplicação, tal como ela está historicamente realizada. 
 
\u2713 História do Direito 
A História do Direito é uma disciplina jurídica que tem por finalidade a pesquisa e a 
análise dos institutos jurídicos do passado. 
 
\u2713 Psicologia Jurídica 
A Psicologia Jurídica estuda os fenômenos mentais que são juridicamente relevantes, 
estabelecendo um ligamento facilitador do trabalho do legislador e dos intérpretes do 
Direito. 
 
 
Relação entre o Direito e a Moral 
 
Direito e Moral constituem dois diferentes conceitos, mas não estão separados. 
Sobre o assunto, muitas são as teorias. 
 
\u2713 Direito: Conjunto de normas, postas pela sociedade e pelo Estado, a fim 
de prevenir, compor e, em última instância, punir os conflitos de 
interesses. 
 
\u2713 Moral: Conjunto de práticas, costumes e padrões de conduta formadores 
da ambiência ética. Trata-se de algo que varia no tempo e no espaço, 
porquanto cada povo possui sua moral, que evolui no curso da história, 
consagrando novos modos de agir e pensar. 
 
\u2022 No Direito, o dever é exigível, enquanto na moral, não. 
 
 
 
 
Distinções entre Ética e a Moral 
 
 
 
Kant, na Fundamentação da Metafísica dos Costumes, reconheceu, pela 
primeira vez em uma ética filosófica, que todo ser racional possui um valor 
absoluto. Mesmo sendo finito e limitado, Kant ressalvou que o ser humano 
possui o privilégio de reger-se por leis assumidas livremente por sua própria 
razão. 
 
\u2022Racionalidade Moral 
 
Estar livre para escolher e agir é o que caracteriza o ser humano, o que o 
filósofo denomina de autonomia moral. 
 
Para o filósofo alemão, imperativo categórico é o dever de toda pessoa agir 
conforme os princípios que ela quer que todos os seres humanos sigam, que 
ela quer que sejam \u201clei da natureza humana\u201d. 
 
 
\u2022Racionalidade Moral 
 
 
 
A Moral é histórica e acompanha o devir no mundo da vida, como modo de 
comportamento específico do homem em determinada época. 
 
Ao longo da história, Direito e Moral se aproximaram e se afastaram 
conceitualmente, em razão de diferentes correntes de pensamento. 
 
 
 
 
A influência da Moral no Direito 
 
Os campos da Moral e do Direito entrelaçam-se e interpenetram-se de diversas 
maneiras. As normas morais tendem a se converter em normas jurídicas, como 
aconteceu, por exemplo, com o dever do pai de cuidar do filho, e com a 
indenização por acidente de trabalho. 
 
No entanto, ainda não há uma norma jurídica específica que prescreva que o 
pai deve ter afeto pelo filho. 
\u2713 Direito e Moral são instrumentos de controle social que pertencem ao 
campo da ética e que não se excluem. 
 
 
 
As Instituições Sociais 
 
A sociedade humana tem uma estrutura natural sem a qual falhariam as 
tentativas de organizá-la: as instituições. 
 
As instituições são vigas estabelecidas pelo costume, pela razão e pelos 
sentimentos, que alicerçam a sociedade, estruturando-a. A mais antiga das 
instituições seria a família e a mais relevante de todas seria o Estado. 
 
O Direito é uma das instituições criadas pela sociedade para o Controle Social. 
 
 
O Direito existe, em tese, muito mais para prevenir do que para corrigir, muito 
mais para evitar que os conflitos ocorram, do que para compô-los. 
 
 
 
 
Ordenamento Jurídico pode ser considerado como a organização e o 
disciplinamento da sociedade realizados por intermédio do Direito, ou seja, 
concretizados por meio de normas exclusivamente jurídicas.