Engenharia de Produção - Tópicos e Aplicações
46 pág.

Engenharia de Produção - Tópicos e Aplicações


DisciplinaIntrodução à Engenharia de Produção1.137 materiais18.515 seguidores
Pré-visualização46 páginas
7.484

Ambas as Tabelas 5 e 6 permitem realizar uma análise de
custos em longo prazo. Multiplicando o fator encontrado para o
custo médio de combustível pelos valores totais mensais a partir
dos três pontos de origem serão geradas a tabelas 7 representando

E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 171

o custo de combustível e a economia caso se parta de uma
determinada origem ao invés de outra.

Tabela 7 - Custo anual de combustível \u2013 entregador 1 e 3

Entregador 1

Custo de Combustível Economia de:

Ponto
(0,0)

Ponto
(0,135,
0,064)

Ponto
(0,072,0,10

4)

se
(0,135,0,064)
ao invés (0,0)

se (0,072,0,104)
ao invés (0,0)

Total/
Ano

R$
140,94

R$
90,60

R$ 101,30 R$ 50,34 R$ 39,64

Entregador 3

Custo de Combustível Economia de:

Ponto
(0,0)

Ponto
(0,135,0

,064)

Ponto
(0,072,0,1

04)

se (0,0) ao
invés

(0,135,0,064)

se (0,0) ao invés
(0,072,0,104)

Total/
Ano

 R$
74,84

 R$
86,81

 R$ 81,57 R$ 11,97 R$ 6,73

A quantificação dos gastos totais com combustível por ano, na
ultima linha da tabela, permite que sejam analisados desperdícios
no emprego desse recurso, caso não sejam adotados critérios
racionais para a escolha do ponto de origem previamente estudado.

Porém, não se pode deixar de considerar que, com a
descentralização do ponto de distribuição, o entregador 5 - que
antes percorreria apenas o caminho partindo do ponto (0,135 ,
0,064) para o ponto (0,0)- passa a atender também o ponto (0,072,
0,104). Os dados de origem e pontos de chegada foram lançadas no
ROUTESEQ, adotando-se 1,21 para fator de circuito e 1 para fator de
escala de mapa. A Tabela a seguir demonstra o custo das rotas para
o entregador 5 nesse novo cenário.

172| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s

Tabela 8 - Custos das rotas entre unidades realizadas pelo entregador 5

Entregador 5

Dist. Percorrida (milhas) 0,351

Dist. Percorrida (Km) 0,565

R$ / Entregas R$ 0,052

R$ / Ano R$ 14,97

Adotando que o entregador 5 realiza as entregas seis vezes
por semana em um mês, observa-se que ele faz o mesmo percurso
288 vezes ao ano para transportar medicamentos entre as unidades
(totalizando R$ 14,97 por ano). Observando a Tabela 8, nota-se que
a economia de R$ 50,34 apenas do Entregador 1, partindo do ponto
(0,135,0,064) ao invés (0,0), já compensaria a geração desse novo
custo.

5. Considerações Finais

Este trabalho objetivou demonstrar uma aplicação da pes-
quisa operacional na roteirização de um sistema de entregas de
varejo. O estudo foi realizado na Região Metropolitana de Belém,
em uma farmácia de manipulação que desejava aumentar sua
eficiência de entrega no mesmo passo em que necessitava reduzir
os custos operacionais deste serviço.

A proposta de otimização adequada para o Entregador 3, seria
a adoção dos turnos - manhã e tarde ao invés de períodos
intervalares de duas horas, acarretando uma redução de 0,352
quilômetros percorridos. Devido à área de abrangência deste
profissional estar relacionado às localidades próximas ao seu ponto
de partida já estabelecido, a proposta de mudança do ponto não é
viável, fazendo com que alterações aumentem a distância
percorrida e conseqüentemente os custos com combustível.

A partir dos resultados encontrados para apenas três pontos
de distribuição e dois entregadores analisados, permitiu-se concluir
que distâncias desnecessárias estavam sendo percorridas e que
gastos excessivos foram gerados. Porém, aponta-se a necessidade
da realização de estudos mais aprofundados nessa área,

E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 173

especialmente considerando todos os entregadores do
departamento de entregas.

Esse estudo possuiu potencial para auxiliar na tomada de
decisão de planejamento e intervenção nas operações de entregas
desta empresa a fim de elevar seu nível de serviço e sua eficiência
econômica.

Almeja-se que com o estudo deste caso tenha sido
parcialmente exposta a relevância das técnicas de Pesquisa
Operacional para o aumento da competitividade das organizações.

Referências

ANDRADE, E. L. (2000). Introdução à Pesquisa Operacional: Métodos e
Modelos para a Análise de Decisão \u2013 2ª edição \u2013 Rio de Janeiro:
LTC, 2000.

ARENALES, M.;ARMETANO,V.; MORABITO,R.; YANASSE, H. (2007).
Pesquisa Operacional para Cursos de Engenharia - 2ª edição \u2013
Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

BALLOU, R. H. (2001). Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos:
Planejamento, Organização e Logística Empresarial; trad. Elias
Pereira. \u2013 4ª edição \u2013 Porto Alegre: Bookman, 2001.

CUNHA, C.B. (2000). Aspectos práticos da aplicação de modelos de
roteirização de veículos a problemas reais; Revista Transportes
da ANPET \u2013 Associação Nacional de Pesquisa e Ensino em
Transportes, v.8, n.2, p.51-74, 2000.

GANHOTO, M. A. (2004). Abordagens para problemas de roteamento.
Dissertação de Mestrado \u2013 Campinas: Universidade Estadual de
Campinas, Instituto de Computação, 2004.

GOLDBARG, M.C.;LUNA, H.P. (2000). Otimização combinatorial e
programação linear: modelos e algoritmos - 7ª edição \u2013 Rio de
Janeiro: Elsevier, 2000.

174| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s

PIZZOLATO, N. D.; GANDOLPHO,A.A. (2009). Técnicas de Otimização \u2013
Rio de Janeiro:LTC, 2009.

PRADO, D. S. (1999). Programação Linear - 1ª edição- Belo Horizonte:
Editora de Desenvolvimento Gerencial, v. 1, 1999.

SIQUEIRA, P. H. (2005). Uma nova abordagem na resolução do
problema do Caixeiro Viajante. Tese de Doutorado- Curitiba:
Universidade Federal do Paraná, Setor de Ciências Exatas, 2005.

SILVA,E.M.; SILVA, E.M.; GONÇALVES,V.; MUROLO,A.C. (1998). Pesquisa
Operacional para os cursos de: Economia, Administração e
Ciências Contábeis - 2ª edição \u2013 São Paulo: Atlas, 1998.

WAGNER, H. M. (1986). Pesquisa Operacional- 2ª edição \u2013 Rio de
Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1986

WINSTON, W. L. (2004). \u201cOperations Operations Research\u201d- 4ª edição \u2013
Toronto: Thomson, 2004.

E n g e n h a r i a d e P r o d u ç ã o | 175

Apêndice
Tabela 9 - Seqüências e distâncias obtidas pelo entregador 1, origem (0,0), (0,135 , 0,064) e (0,072 , 0,104)

Entregador 1

 Metros Milhas Ponto Partida ( 0 , 0 ) Ponto Partida ( 0,135 , 0,064 ) Ponto Partida ( 0,072 , 0,104 )

Dias Período
Número
Entrega

X Y X Y Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc.
(Km)

Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc.
(Km)

Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc.
(Km)

Dia
1

09:00 \u2013
11:00

Ent 01 340 261 0,211 0,162

2-1-3-5-4 0,672 1,081 4-5-3-1-2 0,514 0,827 4-5-3-1-2 0,487 0,784

Ent 02 38 235 0,024 0,146

Ent 03 401 207 0,249 0,129

Ent 04 302 174 0,188 0,108

Ent 05 341 167 0,212 0,104

 Média 0,748 1,204 0,483 0,777 0,539 0,867 Média

176| T ó p i c o s e A p l i c a ç õ e s

Tabela 10 - Seqüências e distâncias obtidas pelo entregador 3, origem (0,0), (0,135 , 0,064) e (0,072 , 0,104)

Entregador 3

 Metros Milhas Ponto Partida ( 0 , 0 ) Ponto Partida ( 0,135 , 0,064 ) Ponto Partida ( 0,072 , 0,104 )

Dias Período
Número
Entrega

X Y X Y Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc

.
(Km)

Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc.
(Km)

Seqüência
Dist.
Perc.

(milhas)

Dist.
Perc.
(Km)

Dia 1
09:00 -
11:00

Ent 01 -64 51
-

0,040
0,032

4-3-6-7-
2-5-1

0,576
0,92

7
2-5-1-4-

3-6-7
0,658 1,059

7-6-4-2-
5-1-3

0,598 0,962

Ent 02 17
-

191
0,011

-
0,119

Ent 03 52 137 0,032 0,085

Ent 04 12 30 0,007 0,019

Ent 05 -119