A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
brasil colonial

Pré-visualização | Página 2 de 8

de colonização do Brasil se inseria no contexto do mercantilismo, este termo, no entanto, se refere a um sistema muito maior do que a simples relação metrópole/colônia. Marque a alternativa que define o mercantilismo.
		
	
	Fase do capitalismo, que antecede o processo feudal, estabelecendo a lógica do comércio entre as nações como elemento fundamental para o desenvolvimento de um sistema produtivo industrial alicerçado na lógica do livre mercado.
	
	Modelo cultural característico do período absolutista, definindo-se pela busca incessante de conquista de novos territórios visando ampliar a base territorial e o domínio econômico dos países europeus.
	
	Sistema político que se notabilizou pelas negociações diplomáticas em torno de produtos como metais preciosos, drogas do sertão, cana-de-açúcar entre outros, com o objetivo de ampliar a receita das monarquias.
	 
	Modelo econômico estabelecido estruturalmente em conjunto com o absolutismo monárquico, tinha como base o comércio entre as nações de produtos agrícolas ou manufaturados oriundos dos mais diversos lugares do mundo, visando sempre o superávit comercial.
	 
	Sistema econômico característico do século XIX, que se definia pelo comércio entre as nações de produtos oriundos das áreas coloniais ou produzidos endogenamente, visando o superávit da balança comercial.
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201308273926)
	
	Em uma pesquisa acadêmica o investigador observa a inserção do Brasil dentro do sistema mercantil entre os séculos XVI e XVIII. Conclui, ele, que a colônia fornecia alguns elementos agrícolas, metais e pedras preciosas à Metrópole e que obtinha produtos manufaturados, ficando limitado na sua produção aos interesses da metrópole. Que nome atribuímos aos instrumentos que controlava a colônia na sua relação com a metrópole?
		
	
	Medidas Mercantis
	
	Protocolo de comércio
	
	Tratados de exploração
	 
	Pacto Colonial
	
	Leis régias
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201308273983)
	
	"À parte a pecuária, reduzida é a atividade desta área extensa. A agricultura é praticada subsidiariamente e em pequena escala para subsistência das próprias fazendas." (Prado Jr.: 1980, 67)
Caio Prado Júnior aborda, no extrato acima, a ocupação do território do interior nordestino. Tendo em vista que as terras nordestinas foram principalmente destinadas a cana de açúcar e suas áreas de plantio se concentravam na região litorânea, o que levou a ocupação do interior desta região?
		
	 
	O estímulo decorreu exatamente da atividade principal, como as terras próprias para a plantação de cana se concentravam no litoral, as áreas dedicadas a produção de gêneros subsistência e de provisões para os engenhos e fazendas canavieiras ocuparam os vales do interior, realizando inclusive transposições de rios.
	 
	Os vaqueiros que adentraram o sertão iam em busca do ouro e das pedras preciosas que poderiam haver na região. Levavam consigo a sua provisão, ou seja, o gado que lhes abasteciam de leite, carne e couro para suas vestimentas. Não se fixavam, não formaram agrupamentos sociais.
	
	A ocupação do sertão decorreu de um raro e breve fenômeno natural, que durante uma dezena de anos levou chuva a região na intensidade necessária às culturas que foram ali se estabelecendo. Mas com a volta dos longos períodos de estiagem este fenômeno histórico foi perdendo importância.
	
	A busca por indígenas para a escravidão fez com que muitos nordestinos avançassem sobre o sertão, fixando-se através de uma lavoura de subsistência e da criação de gado. Não tinham uma atividade econômica expressiva e nem contribuíam para o processo produtivo nordestino.
	
	O tráfico de escravos foi o principal elemento de estímulo da atividade econômica no interior do nordeste, pois, com o esgotamento econômico do açúcar, graças à produção holandesa nas Antilhas, o fluxo destinou-se à criação de gado, com o aumento de oferta de mão de obra os fazendeiros de gado aumentaram suas áreas de produção.
		
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201308284495)
	
	Para manter o exclusivo colonial, a Coroa Portuguesa lançou mão de diversos recursos para estimular o comércio. Podemos citar como exemplo EXCETO:
		
	
	A exploração direta do comércio pelo Estado
	
	A concessão de privilégios a determinados grupos comerciais metropolitanos
	 
	A venda direta de terras aos interessados
	
	A prática do arrendamento
	 
	A criação de Companhias de Comércio
		
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201308483402)
	
	Caio Prado Jr, em Sentido da Colonização, analisa o Pacto Colonial e conclui que:
		
	
	a grande questão para Caio Prado é comprovar a falta de autonomia das colônias frente às outras colônias, a economia na metrópole só existia para atender as necessidades da colônia, por essa razão ele chega à outra importante conclusão, a economia colonial é voltada para o mercado externo e não para comercializar com cidades e províncias vizinhas logo, não existiria um mercado interno no Brasil colonial.
	 
	a grande questão para Caio Prado é comprovar a falta de autonomia das colônias frente suas metrópoles, a economia na colônia só existia para atender as necessidades da metrópole, por essa razão ele chega à outra importante conclusão, a economia colonial é voltada para o mercado externo e não para comercializar com cidades e províncias vizinhas logo, não existiria um mercado interno no Brasil colonial;
	
	a grande questão para Caio Prado é comprovar o excesso de autonomia das colônias frente suas metrópoles, a economia na colônia não existia para atender as necessidades da metrópole, por essa razão ele chega à outra importante conclusão, a economia colonial é voltada para o mercado externo e não para comercializar com cidades e províncias vizinhas logo, não existiria um mercado interno no Brasil colonial;
	
	a grande questão para Caio Prado é comprovar a falta de autonomia das colônias frente suas metrópoles, a economia na colônia só existia para atender as necessidades da metrópole, por essa razão ele chega à outra importante conclusão, a economia colonial é voltada para si mesma;
	
	A grande questão para Caio Prado é comprovar a falta total de autonomia das colônias frente suas metrópoles, por essa razão ele chega à outra importante conclusão, a economia colonial é voltada para comercializar com cidades e províncias vizinhas logo, não existiria um mercado interno no Brasil colonial;
		
	
	
	 1a Questão (Ref.: 201308284460)
	
	"Mais fácil é vir de Lisboa recado a esta capitania que da Bahia."
Padre Manuel da Nóbrega
Citado por FAUSTO, Bóris. História do Brasil. SP:Edusp, 2007 p. 47
A afirmação de Nóbrega refere-se as enormes distâncias existentes entre as capitanias e a dificuldade em manter uma comunicação entre elas, um dos principais problemas
		
	
	do sistema de feitorias, estabelecido por Mem de Sá
	
	das intendências, administradas por Duarte da Costa
	 
	do Governo Geral, estabelecido por Tomé de Sousa
	 
	das feitorias, administradas por Tomas Coelho
	
	das capitanias, administradas por Fernão de Loronha
		
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201308284452)
	
	As capitanias hereditárias constituem a primeira iniciativa sistemática de colonização das novas terras. Seus donatários eram homens com vínculos com a Coroa portuguesa e podem se incluir nas seguintes classes EXCETO:
		
	
	Burocratas
	 
	Alta Nobreza
	 
	Navegadores
	
	Comerciantes
	
	Pequena Nobreza
		 Gabarito Comentado.
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201308330428)
	
	"Já se conhecia o bastante do Brasil para esperar que nele a cana-de-açúcar dar-se-ia bem. O clima quente e úmido da costa ser-lhe-ia altamente favorável;e quanto à mão-de-obra, contou-se a princípio com indígenas que, como vimos,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.