Maracujá

Maracujá


DisciplinaProdução Vegetal I11 materiais104 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Maracujá
(Produção Vegetal I)
Ourinhos \u2013 SP
 2013
Thiago José Vedovato 
Maracujá
(Produção Vegetal I)
Trabalho para obtenção de nota
Parcial do semestre
Prof. Claudinei Paulo de Lima
Ourinhos \u2013 SP
 2013
 Sumário
5INTRODUÇÃO	\ufffd
62. COMERCIO DO MARACUJA	\ufffd
83. REGIÃO DE MELHOR PLANTIO	\ufffd
94. COMERCIALIZAÇÃO DO MARACUJA	\ufffd
105. ARMAZENAGEM DO MARACUJA	\ufffd
116. EMBALAGEM	\ufffd
127. PLANTAÇÃO DO MARACUJA	\ufffd
138. PRAGAS E DOENÇAS	\ufffd
159. FORMAS DE COLHEITA	\ufffd
1610. SUBPRODUTOS	\ufffd
1811. CONSIDERAÇÕES FINAIS	\ufffd
1912. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS	\ufffd
\ufffd
\ufffd
INTRODUÇÃO
O Maracujá teve seu destaque agroindustrial a partir da década de 90, sendo um dos seus principais produtos o suco concentrado. Essa fruta de origem tropical ganhou grande importância entre os fruticultores brasileiros e grande procura entre os consumidores sendo tanto em forma de suco quanto in natura.
\ufffd
2. COMÉRCIO DO MARACUJA 
O Brasil se destaca como maior produtor mundial, com produção de 330 mil toneladas. O principal produtor é a Bahia com cerca de sete mil toneladas, seguido por São Paulo, com 58 mil toneladas.
Os principais destinos de exportação de maracujá a partir da fruta fresca, fruta conservada e suco concentrado são os países Europeus, e mais recentemente a Argentina e o Uruguai.
As frutas conservadas (congeladas) e os sucos concentrados são as maiores parcelas, sendo que as frutas conservadas têm sido comercializadas principalmente para os mercados externos, como:
\u2022 Italiano;
\u2022 Norte-Americano;
\u2022 Alemão, e 
\u2022 Argentino.
Os sucos têm representado maiores ganhos nas divisas, comercializados mais intensamente com os países:
\u2022 Holanda;
\u2022 Estados Unidos;
\u2022 Porto Rico
\u2022 Japão e 
\u2022 Alemanha.
A permissibilidade é uma das características dos produtos in natura agrícola, é um fator determinante nas estratégias do mercado, este fator é agravado pelo problema de estocagem. Porém a permissibilidade, no entanto, pode ser contornada dentro de alguns limites, dependendo de acertos estratégicos entre agricultores e industriais.
2.1 Espécies mais econômicas 
As três espécies mais economicamente importantes são:
\u2022 Passiflora edúlis Sims f. flavicarpa Deg (maracujá amarelo ou azedo);
\u2022 Passiflora. edúlis Sims (maracujá roxo) e
\u2022 Passiflora alata Ait (maracujá doce).
2.1.1 Passiflora edúlis Sims f. flavicarpa Deg (maracujá amarelo ou azedo)
Espécie de maior interesse comercial, também a mais cultivada (95% da área) e mais adaptada aos dias quentes.
2.1.2 Passiflora. edúlis Sims (maracujá roxo)
Espécie mais indicada para regiões de altitude maior e climas frios.
2.1.2 Passiflora alata Ait (Maracujá doce)
Muito apreciado pelos consumidores europeus por boas características como tamanho, cor externa e aroma.
\ufffd
3. REGIÃO DE MELHOR PLANTIO 
Os maracujazeiros gostam de temperaturas altas e muita luz, com a necessidade de receber 12 horas de luminosidade por dia para florescer a uma carga expressiva. A boa produção se dá quando as condições ambientais são adequadas a seu desenvolvimento, florescimento e frutificação. Estas estão relacionadas a temperatura, chuvas, umidade relativa ao ar, luminosidade e ocorrência de ventos fortes e geadas.
Os estados do Norte e do Nordeste possuem safra bem mais longa do que os da região do centro-sul, aonde os dias são mais curtos, pois estes interrompem o ciclo de reprodução da planta.
O maracujá é um fruto ideal para o plantio em pequenas propriedades, o seu cultivo exige pouco espaço.
O maracujá-amarelo ou azedo é o mais conhecido. Esta é a espécie mais cultivada e comercializada no Brasil, tanto para a indústria quanto para consumo "in natura", por ser mais vigorosa e mais adaptada aos dias quentes e, apresentar frutos de maior tamanho, com peso entre 43 e 250g, maior produção por hectare, maior acidez total e maior rendimento de suco.
O maracujá-roxo é assim chamado devido sua casca ser verde antes da maturação, tornando-se púrpura à medida que este processo ocorre. É mais indicado para locais de maior altitude e climas mais frios. Seus frutos apresentam peso entre 50 e 130g, maior porcentagem de açúcares e maior teor de sólidos solúveis (Brix) quando comparado com o maracujá-amarelo. Apresenta diferenças relativas ao teor de vitamina C que é maior, à acidez cítrica que é menor, o que representa suco mais doce, sendo muito.
4. COMERCIALIZAÇÃO DO MARACUJA
A comercialização do maracujá se dá por três tipos:
Industrializada;
In Natura;
Processada.
4.1 Industrializada 
O maracujá processado é comercializado como suco natural a 14° Brix ou concentrado a 50° Brix. Pode ser ainda processado como polpa, geleia e néctar, porém este mercado é pouco significativo quando se compara ao de suco. A comercialização interna se baseia na venda de sua envasado a 14°Brix.
A sazonalidade da produção cria períodos de falta da meteria-prima. Deste modo, pequenas indústrias podem absorver parte dos excedentes regionais de produção, repassando as polpas á empresas maiores que possuem marca comercial, já que os custos são altos para a armazenagem do produto processado.
4.2 In Natura
O fruto in natura tem sido vendido para feiras livres e supermercados. Este é o seguimento mais atrativo para os produtores, uma vez que os preços alcançados tem sido compensadores, mesmo ocorrendo variações no ano. Para mercados mais exigentes os frutos são classificados e embalados de acordo com os padrões estabelecidos. A classificação deve ser feita para separar o fruto por cor, tamanho, formato e qualidade. 
Quanto a embalagem, esta deve ser peletizável e pode ser descartável ou retornável. A embalagem descartável deve ser reciclável ou de incenerabilidade limpa, Já a retornável deve permitir a higienização. 
4.3 Comercialização da fruta para processamento 
Esta é realizada a granel ou embalada em sacos de náilon tipo rede. Como a cotação pouco depende do aspecto da fruta ou da qualidade do suco, geralmente os produtores comercializam no mercado frutos de baixa qualidade. Por outro La, poderia se obter uma melhoria do produto processado com algumas medidas, tais como a seleção de frutos de melhor padrão, qualidade do suco, fixando a cotação pelo teor de sólidos solúveis totais (°Brix) que apresenta.
\ufffd
5. ARMAZENAGEM DO MARACUJA
A conservação, após a colheita, do maracujá tem sido preocupação nos estados produtores, visto que o fruto é perecível e suporta, em condições normais, de três a sete dias a temperatura ambiente. Após este período sofrem murcha rápida, a polpa principia a fermentar e inicia-se o ataque dos fungos. 
As condições de temperatura e umidade relativa de armazenamento recomendadas para o maracujá são de 5,6 a 7,2°C e de 85 a 90%. Nestas condições o maracujá roxo pode ser conservado por um período de 4 a 5 semanas, e o amarelo por 3 a 4 semanas, sem que a concentraç\ufffd\ufffdo de sólidos solúveis, acidez e carotenos sejam alterados, mas o teor de acido ascórbico, sacarose, e amido diminuem, enquanto que os teores de açucares redutores totais aumenta. 
\ufffd
6. EMBALAGEM 
Os maracujás são classificados pelo seu tamanho e separados de acordo com sua classificação. E as embalagens podem ser:
Madeira;
Papelão;
Plástico;
Sacos de Polietileno.
\ufffd
7. PLANTAÇÃO DO MARACUJA
Os solos para o cultivo do maracujá devem ser profundos, bem drenados, ricos em matéria orgânica, de textura média (areno-argilosos) e com relevo plano e ligeiramente inclinado.
A implantação de pomares comerciais é por via sexual através de sementes.
O critério para a seleção de frutos deve ser rigoroso. As plantas devem ser sadias, vigorosas e produtivas; frutas com alto teor de polpa acima de 30%, com alta acidez e cavidade interna do fruto grande.
7.1 Como plantar o maracujá
Considerando que o maracujazeiro só floresce em condições de muita luminosidade, acima de 11 horas diárias, em diversas regiões tem-se recomendado plantios