A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
PROCESSO LEGISLATIVO

Pré-visualização | Página 4 de 5

(117) As Medidas Provisórias editadas anteriormente à edição da Emenda Constitucional n. 32/2001
a)  deverão ser convalidadas em 60 dias, sob pena de suspensão do processo legislativo.
b)  têm validade pelo prazo de 60 dias, contado da edição da Emenda Constitucional.
c)  serão convertidas em lei, desde que reeditadas uma única vez.
d)  têm eficácia plena, independente de reedições, até sua revogação expressa pelo Executivo ou deliberação definitiva do Legislativo.
 
2) (118) Em fevereiro de 2002, determinada matéria sobre meio ambiente é disciplinada em projeto de lei que é aprovado pelo Congresso Nacional, mas que aguarda a sanção ou o veto do Chefe do Executivo. Mesmo ciente de tal pendência, o Presidente da República, com base na relevância e urgência, expede Medida Provisória dispondo sobre a mesma matéria constante do referido projeto de lei. Em face das recentes alterações constitucionais, a Medida Provisória em questão deverá ser considerada
a)  constitucional, pois atende a todos os requisitos previstos na Constituição Federal.
b)  inconstitucional, pois é vedada a adoção de Medida Provisória sobre matéria ambiental.
c)  inconstitucional, pois a "relevância" e a "urgência" não são mais pressupostos para adoção de Medida Provisória.
d)  inconstitucional, pois é vedada a adoção de Medida Provisória que verse sobre matéria disciplinada em projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional e pendente de sanção ou veto do Presidente da República.
 
3) (118) A medida provisória que verse sobre telecomunicações e que tenha sido rejeitada pelo Congresso Nacional 
a)  nunca poderá ser reeditada.
b)  poderá ser reeditada na legislatura subsequente.
c)  poderá ser reeditada na sessão legislativa subsequente.
d)  poderá ser prorrogada pelo prazo máximo de 60 dias.
 
4) (118) Em face da Emenda Constitucional n. 32, que alterou os prazos de vigência das novas Medidas Provisórias, pode-se dizer que estas 
a)  vigem por 60 (sessenta) dias, prorrogáveis por mais sessenta dias, quando perderão eficácia se não forem convertidas em lei.
b)  perdem eficácia após 45 (quarenta e cinco) dias da publicação, quando entram em regime de urgência no Congresso Nacional. 
c)  vigem por prazo indeterminado, até deliberação definitiva do Congresso Nacional. 
d)  continuam em vigor até que medida provisória ulterior as revogue explicitamente.
 
5) (119) Medida provisória que altere a legislação que regulamenta a interceptação das comunicações telefônicas e que não seja convertida em lei
a)  não poderá ser reeditada, porque os direitos individuais não podem ser disciplinados por medida provisória.
b)  nunca poderá ser reeditada, por determinação expressa do atual regime constitucional das medidas provisórias.
c)  somente poderá ser reeditada na sessão legislativa subsequente.
d)  poderá ser reeditada na mesma sessão legislativa, desde que não tenha sido rejeitada expressamente pelo Congresso Nacional.
 
6) (120) O veto do Presidente da República a projeto de lei aprovado pelo Congresso Nacional pode ser
a)  oposto com base na relevância e na urgência da impugnação ao projeto de lei.
b)  derrubado por qualquer das Casas do Congresso.
c)  apresentado com base na inconstitucionalidade do projeto de lei.
d)  derrubado apenas pelo voto nominal de todos os parlamentares.
 
7) (121) O art. 62, § 1.º da CF não indica os direitos e garantias individuais como matéria vedada à edição de medida provisória. Em face disso, pode Medida Provisória abolir direitos e garantias individuais?
 
a)  Sim, porque a proibição da CF é apenas para deliberação em Emenda Constitucional.
b)  Não. A CF proíbe inclusive deliberação de proposta de Emenda Constitucional sobre tal matéria.
c)  Não, porque Medida Provisória tem validade por apenas 60 dias.
d)  Sim, desde que caracterizadas a relevância e a urgência.
 
8) (121) A Medida Provisória que amplia prazo para o réu deduzir contestação no processo civil deve ser considerada
 
a)  constitucional, porque favorece o princípio do in dubio pro reo.
b)  constitucional, porque o Código de Processo Civil pode ser alterado por qualquer espécie normativa.
c)  inconstitucional, porque Medida Provisória não pode dispor sobre direito processual civil.
d)  inconstitucional, porque, sendo o Código de Processo Civil lei ordinária, somente poderá ser alterado por lei ordinária.
 
9) (126) A Medida Provisória, caso o prazo para sua conversão em lei seja suspenso nos períodos de recesso do Congresso Nacional, poderá viger por:
 
(A) no máximo, 30 dias.
(B) no máximo, 60 dias.
(C) no máximo, 120 dias.
(D) mais de 120 dias.
 
 
10) (128) Medida Provisória que alterasse o procedimento sumário previsto no Código de Processo Civil e que fosse prorrogada por mais 60 (sessenta) dias, durante a vigência de intervenção federal,
 
a)  não deveria ser convertida em lei, porque a prorrogação só é admitida por mais 30 (trinta) dias.
b)  não deveria ser convertida em lei, porque não pode dispor sobre direito processual civil.
c)  não deveria ser convertida em lei, porque não poderia ser prorrogada sob a vigência de intervenção federal.
d)  deveria ser convertida em lei, porque foi produzida nos termos da Constituição Federal.
  
11) (137) O presidente da República pode adotar medidas provisórias, com força de lei, sobre
 
a)    prazos processuais.
b)    instituição e majoração de impostos.
c)    definição de crime ou majoração de sanção penal.
d)    prazos eleitorais.
 
12) (2010-2) Sobre o instrumento jurídico denominado Medida Provisória que não é lei, mas tem força de lei, assinale a afirmativa correta.
 
a)      A sua eficácia dura sessenta dias contados da publicação, podendo a medida ser prorrogada apenas duas vezes, ambas por igual período.
b)     Se a Medida Provisória perder eficácia por decurso de prazo ou, em caráter expresso, for rejeitada pelo Congresso Nacional, vedada será sua reedição na mesma sessão legislativa.
c)      A não apreciação pela Câmara dos Deputados e, após, pelo Senado Federal, no prazo de 45 dias contados da publicação, tem como consequência apenas o sobrestamento da deliberação dos projetos de emenda à Constituição.
d)     A edição de Medida Provisória torna prejudicado o projeto de lei que disciplina o mesmo assunto e que, a par de já aprovado pelo Congresso Nacional, está pendente de sanção ou veto do Presidente da República.
 
13) (Unificado - 2010-3) Assinale a alternativa que contemple matéria para cuja disciplina é vedada a edição de medida provisória.
 
a)   Instituição ou majoração de impostos.
b)   Abertura de crédito extraordinário, ainda que para atendimento a despesas imprevisíveis e urgentes.
c)   Normas gerais de licitações e contratos administrativos.
d)   Partidos políticos e direito eleitoral.
  
14) (OAB-Unif-Ipatinga-MG-2013) A respeito de uma lei delegada e de uma medida provisória que dispõem sobre matéria reservada a lei complementar, assinale a afirmativa correta.
 
a)    São materialmente inconstitucionais.
b)    São formalmente inconstitucionais.
c)    A lei delegada é constitucional e a medida provisória é inconstitucional.
d)    A lei delegada é inconstitucional e a medida provisória é constitucional.
 
15) (OAB-Unif-X-2013) Preocupado com a concorrência de eletrodomésticos produzidos na China e com o saldo da balança comercial, o Presidente da República, no dia 1º de abril, editou medida provisória determinando o aumento da alíquota do imposto sobre produtos industrializados (IPI) para os produtos provenientes daquele país. Entretanto, passados 30 (trinta) dias, o Congresso Nacional rejeitou a medida provisória, não a convertendo em lei. Com base no caso acima, assinale a afirmativa correta.
 
A) A medida provisória terá eficácia por mais 30 (trinta) dias, perfazendo o total de 60 (sessenta) dias.
B) A medida provisória terá eficácia por mais 30 (trinta) dias, período no qual poderá haver nova tentativa de conversão em lei.
C) A medida provisória perderá sua eficácia, cabendo ao