A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AV2   Responsabilidade Civil

Pré-visualização | Página 1 de 2

20/06/2018 BDQ Prova
http://bquestoes.estacio.br/entrada.asp?p0=98123400&p1=201408007347&p2=2070679&p3=CCJ0050&p4=103215&p5=AV&p6=14/06/2018&p1… 1/3
 
 
Avaliação: CCJ0050_AV_201408007347 » RESPONSABILIDADE CIVIL
Tipo de Avaliação: AV
Aluno: 201408007347 - SERGIO SOUSA MARQUES DA COSTA JÚNIOR
Professor: LUCIANI LISBOA KASTRUP
 
Turma: 9014/AN
Nota da Prova: 6,0 Nota de Partic.: 0 Av. Parcial 2 Data: 14/06/2018 14:31:28
 
 1a Questão (Ref.: 201408702891) Pontos: 1,0 / 1,0
A Lei n. 10.406 de 2002 (Código Civil), reconheceu formalmente a reparabilidade dos danos morais, embora a
questão já estivesse pacificada pela Constituição Federal de 1988, fazendo-se a atualização legislativa obrigatória,
marque a alternativa cujo texto retrata fiel e claramente esse reconhecimento no Código Civil de 2002.
É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral
ou à imagem.
São invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a
indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.
 Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a
outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.
As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responderão
pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegurado o direito de regresso
contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.
Nenhuma das alternativas.
 
 2a Questão (Ref.: 201408843094) Pontos: 1,0 / 1,0
Joana deu seu carro a Lúcia, em comodato, pelo prazo de 5 dias, findo o qual Lúcia não devolveu o veículo. Dois
dias depois, forte tempestade danificou a lanterna e o parachoque dianteiro do carro de Joana. Inconformada com o
ocorrido Joana exigiu que Lúcia a indenizasse pelos danos causados ao veículo.
Não há de se falar em responsabilidade civil no caso em tela.
Lúcia não responde pelos danos causados ao veículo, pois foram decorrentes de força maior.
Lúcia incorreu em inadimplemento absoluto, pois não cumpriu sua prestação no termo ajustado, o que
inutilizou a prestação para Joana.
Lúcia não está em mora, pois Joana não a interpelou, judicial ou extrajudicialmente.
 Lúcia deve indenizar Joana pelos danos causados ao veículo, salvo se provar que os mesmos ocorreriam
ainda que tivesse adimplido sua prestação no termo ajustado.
 
 3a Questão (Ref.: 201408160615) Pontos: 1,0 / 1,0
Ao analisar o nexo causal é CORRETO afirmar que: I- Mesmo diante dos casos de responsabilidade civil subjetiva e
objetiva, caso esteja presente alguma excludente o dever de indenizar será afastado. II- A excludente de nexo
causal não afastará o dever de indenizar nos casos em que se adota a teoria do risco integral. III- São excludentes
de nexo causal: fato exclusivo da vítima, fato de terceiro, caso fortuito e força maior.
Somente a II e III estão corretas.
 Todas estão corretas.
Somente a I e III estão corretas.
Somente a I e II estão corretas.
 
20/06/2018 BDQ Prova
http://bquestoes.estacio.br/entrada.asp?p0=98123400&p1=201408007347&p2=2070679&p3=CCJ0050&p4=103215&p5=AV&p6=14/06/2018&p1… 2/3
 4a Questão (Ref.: 201408820735) Pontos: 0,0 / 1,0
(TJ/PE 2013 - FCC - JUIZ SUBSTITUTO) - O abuso de direito acarreta:
indenização apenas em hipóteses previstas expressamente em lei.
 apenas a ineficácia dos atos praticados e considerados abusivos pela parte prejudicada, independentemente
de decisão judicial
consequências jurídicas apenas se decorrente de coação, ou de negócio fraudulento ou simulado
 indenização a favor daquele que sofrer prejuízo em razão dele.
somente a ineficácia dos atos praticados e considerados abusivos pelo juiz.
 
 5a Questão (Ref.: 201409137918) Pontos: 1,0 / 1,0
(TRT 1ª 2013 ) - O motorista de um automóvel de passeio trafegava na contra-mão de direção de uma avenida
quando colidiu com uma ambulância estadual que transitava na mão regular da via, em alta velocidade porque
acionada a atender uma ocorrência. A responsabilidade civil do acidente deve ser imputada:
ao civil que conduzia o veículo, que responde sob a modalidade objetiva no que concerne aos danos
apurados na viatura estadual.
ao Estado, uma vez que um veículo estadual (ambulância) estava envolvido no acidente, o que enseja a
responsabilidade objetiva.
 ao civil que conduzia o veículo e invadiu a contramão, dando causa ao acidente, não havendo nexo de
causalidade para ensejar a responsabilidade do Estado.
ao Estado, sob a modalidade subjetiva, devendo ser comprovada a culpa do motorista da ambulância.
tanto ao civil quanto ao Estado, sob a responsabilidade subjetiva, em razão de culpa concorrente.
 
 6a Questão (Ref.: 201408868895) Pontos: 1,0 / 1,0
(TRT 6ª 2012 - FCC - Técnico Judiciário ¿ Administrativa) Sendo o patrão responsável pela reparação civil dos
danos causados culposamente por seus empregados no exercício do trabalho que lhes competir, ou em razão dele,
É CORRETO AFIRMAR QUE:
só será obrigado a indenizar se o ato também constituir crime e se o empregado for condenado no processo
criminal.
a obrigação de indenizar é subsidiária à do empregado que causou o dano.
não será obrigado a indenizar, se o empregado for absolvido pelo mesmo ato, em processo criminal, por
insuficiência de prova.
 é obrigado a indenizar ainda que o patrão não tenha culpa.
só será obrigado a indenizar se o patrão também tiver culpa.
 
 7a Questão (Ref.: 201410842552) Pontos: 0,0 / 1,0
(CESGRANRIO/Petrobras 2017) - 
Ao requerer autorização de funcionamento junto ao órgão competente, uma determinada operadora de planos
privados de assistência à saúde omitiu-se em informar a descrição pormenorizada de suas instalações, os
equipamentos destinados à prestação de serviços e a especificação dos recursos humanos qualificados e
habilitados, inclusive com responsabilidade técnica de acordo com as leis que regem a matéria.
Assim sendo, e de acordo com a Lei no 9.656/1998 e posteriores alterações, fica a referida operadora:
impedida de proceder a internações e cirurgias eletivas.
 impedida de funcionar até que apresente a documentação pendente, no prazo estabelecido pela autoridade
competente.
autorizada a funcionar, desde que apresente a documentação pendente no prazo de 15 dias.
impedida de proceder a atendimentos emergenciais.
 autorizada a funcionar parcialmente, até que complemente o restante da documentação.
 
20/06/2018 BDQ Prova
http://bquestoes.estacio.br/entrada.asp?p0=98123400&p1=201408007347&p2=2070679&p3=CCJ0050&p4=103215&p5=AV&p6=14/06/2018&p1… 3/3
 8a Questão (Ref.: 201408862838) Pontos: 1,0 / 1,0
2015 - Banca: FGV - Órgão: DPE - MT - Prova: Advogado - Maria, famosa atriz, foi contratada pela sociedade
empresária XPTO Bebidas S.A., em junho de 2012, para ser ¿garota- propaganda¿ da marca de refrigerante Oba.
Pelo contrato, obrigou-se Maria a ceder, de forma remunerada e temporariamente, o uso e a exploração de sua
imagem para a representação da marca Oba. Em janeiro de 2013, Maria depara com um anúncio publicitário em
uma revista em que é retratada segurando uma cerveja, a Shiva, também fabricada por XPTO Bebidas S.A. Sobre
os fatos descritos, assinale a afirmativa correta.
A XPTO Bebidas S.A. violou a função social do contrato ao explorar indevidamente imagem de pessoa sem a
sua autorização.
A XPTO Bebidas S.A. ofendeu a boa-fé objetiva contratual ao violar o direito à privacidade de Maria.
Não houve descumprimento contratual por parte da Sociedade XPTO Bebidas S.A., pois Maria cedeu o uso e
a exploração de sua imagem à sociedade empresária em questão.
Houve descumprimento contratual por parte da XPTO Bebidas S.A. e Maria sofreu violação em seu direito de
imagem, sendo legítima a reparação por danos morais, somente.
 Houve descumprimento

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.