A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
248 pág.
CERVO, Amado e BUENO, Clodoaldo   História da Política Exterior do Brasil.

Pré-visualização | Página 42 de 47

assinalado para oferecê-lo, tem cessado todo 
o pretexto, e motivo, ainda aparente, para dilatar a entrega do 
mesmo Território.
Por parte da Coroa da Espanha se alegava, que havendo de 
imaginar-se a Linha de Norte a Sul a trezentas e setenta léguas 
desde as referidas Ilhas até o lugar, aonde se havia de assinalar 
a Linha, pertence a Portugal, e nada mais por esta parte; porque 
desde ela para o Ocidente se hão de contar os cento e oitenta graus 
da demarcação da Espanha: e ainda que por não estar declarado de 
qual das Ilhas de Cabo Verde, se hão de começar a contar as trezentas 
e setenta léguas, se ofereça dúvida, e haja interesse notável, por 
estarem todas elas situadas Leste oeste com a diferença de quatro 
graus e meio; também é certo, que ainda cedendo Espanha, e 
consentindo que se comece a contar desde a mais Ocidental, que 
219
Anexos
chamam de Santo Antão, apenas poderão chegar as trezentas e 
setenta léguas à Cidade do Pará, e mais Colônias, ou Capitanias 
Portuguesas, fundadas antigamente nas costas do Brasil; e como a 
Coroa de Portugal tem ocupado as duas margens do rio Amazonas, 
ou Marañón, subindo até a boca do rio Javari, que entra nele 
pela margem Austral, resulta claramente ter-se introduzido na 
demarcação da Espanha tudo quanto dista a referida Cidade da 
boca daquele rio, sucedendo o mesmo pelo interior do Brasil com a 
internação, que fez esta Coroa até o Cuiabá e Mato Grosso.
Pelo que toca à Colônia do Sacramento, alegava, que, 
conforme os Mapas mais exatos, não chega com muita diferença à 
boca do rio da Prata a paragem, onde se deveria imaginar a Linha; 
e consequentemente a referida Colônia com todo o seu Território 
cai ao Poente dela, e na demarcação da Espanha; sem que obste o 
novo direito, com que a retém a Coroa de Portugal em virtude do 
Tratado de Utrecht; por quanto nele se estipulou a restituição por 
um equivalente; e ainda que a Corte da Espanha o ofereceu dentro 
do termo prescrito no Artigo VII, não o admitiu a de Portugal; por 
cujo fato ficou prorrogado o termo, sendo, como foi proporcionado 
e equivalente; e o não tê-lo admitido foi mais por culpa de Portugal, 
que da Espanha.
Vistas, e examinadas estas razões pelos dois sereníssimos 
Monarcas, com as réplicas, que se fizeram de uma e outra parte, 
procedendo com aquela boa-fé e sinceridade, que é própria de 
príncipes tão justos, tão amigos, e parentes, desejando manter os 
seus Vassalos em paz e sossego, e reconhecendo as dificuldades e 
dúvidas, que em todo o tempo fariam embaraçada esta contenda, 
se se houvesse de julgar pelo meio da demarcação, acordada em 
Tordesilhas, assim porque se não declarou de qual das Ilhas de 
Cabo Verde se havia de começar a conta das trezentas e setenta 
léguas, como pela dificuldade de assinalar nas Costas da América 
Meridional os dois pontos ao Sul, e ao Norte, donde havia de 
220
História da política exterior do Brasil
Renato Mendonça
principiar a Linha, como também pela impossibilidade moral de 
estabelecer com certeza pelo meio da mesma América uma Linha 
Meridiana; e finalmente por outros muitos embaraços, quase 
invencíveis, que se ofereceriam para conservar sem controvérsia, 
nem excesso, uma demarcação regulada por Linhas Meridianas: e 
considerando ao mesmo tempo, que os referidos embaraços talvez, 
foram pelo passado a ocasião principal dos excessos, que de uma e 
outra parte se alegam, e das muitas desordens, que perturbaram 
a quitação dos seus Domínios; resolveram pôr termo às disputas 
passadas e futuras, e esquecer-se, e não usar de todas as ações e 
direitos, que possam pertencer-lhes em virtude dos referidos 
Tratados de Tordesilhas, Lisboa, Utrecht, e da Escritura de 
Saragoça, ou de outros quaisquer fundamentos, que possam influir 
na divisão dos seus Domínios por Linha Meridiana; e querem que 
ao diante não se trate mais dela, reduzindo os Limites das duas 
Monarquias aos que se assinalarão no presente Tratado; sendo o 
seu ânimo, que nele se atenda com cuidado a dois fins: o primeiro 
e mais principal é, que se assinalem os Limites dos dois Domínios, 
tomando por balizas as paragens mais conhecidas, para que em 
nenhum tempo se confundam, nem deem ocasião a disputas, 
como são a origem, e curso dos rios, e os montes mais notáveis: 
o segundo; que cada parte há de ficar com o que atualmente possui; 
à exceção das mútuas cessões, que em seu lugar se dirão; as quais 
se farão por conveniência comum, e para que os Confins fiquem, 
quanto for possível, menos sujeitos a controvérsias.
Para concluir este ajuste, e assinalar os Limites, deram os dois 
Sereníssimos Reis aos seus Ministros, de uma e outra parte, os 
Plenos Poderes necessários, que se inserirão no fim deste Tratado: 
a saber Sua Majestade Fidelíssima a Sua Excelência o Senhor Thomás 
Silva Telles, Visconde de Villa-Nova de Cerveira, do Conselho de S. M. F., 
e do de Guerra, Mestre de Campo General dos Exércitos de 
S. M. F. e seu Embaixador Extraordinário na Corte de Madrid; e 
221
Anexos
Sua Majestade Católica a Sua Excelência o Senhor D. Joseph de Carvajal 
e Lencastre, Gentil-homem de Câmera de S. M. C. com exercício, 
Ministro de Estado, e Decano deste Conselho, governador do 
Supremo de Índias, Presidente da Junta de Comércio e Moeda, 
e Superintendente Geral das Postas e Estafetas de dentro e fora 
da Espanha; os quais depois de conferirem, e tratarem a matéria 
com a devida circunspecção e exame, e bem instruídos da intenção 
dos dois Sereníssimos Reis seus Amos, e seguindo as suas ordens, 
concordaram no que se contém dos seguintes Artigos:
ARTIGO I
O presente Tratado será o único fundamento, e regra que 
ao diante se deverá seguir para a divisão, e Limites dos dois 
Domínios em toda a América, e na Ásia; e em virtude disto ficará 
abolido qualquer direito e ação que possam alegar as duas Coroas 
por motivo da Bula do Papa Alexandre VI de feliz memória, e dos 
Tratados de Tordesilhas, de Lisboa, e Utrecht, da Escritura de 
venda outorgada em Saragoça, e de outros quaisquer Tratados, 
convenções, e promessas; o que tudo, em quanto trata da Linha da 
demarcação, será de nenhum valor e efeito, como se não houvera 
sido determinado ficando em tudo o mais na sua força e vigor; e 
para o futuro não se tratará mais da dita Linha, nem se poderá 
usar deste meio para a decisão de qualquer dificuldade, que ocorra 
sobre Limites, senão unicamente da fronteira, que se prescreve nos 
presentes Artigos, como regra invariável, e muito menos sujeita a 
controvérsias.
ARTIGO II
As Ilhas Filipinas, e as adjacentes que possui a Coroa da 
Espanha, lhe pertençam, para sempre, sem embargo de qualquer 
pretensão, que possa alegar-se por parte da Coroa de Portugal, com 
222
História da política exterior do Brasil
Renato Mendonça
o motivo do que se determinou no dito Tratado de Tordesilhas, e 
sem embargo das condições conteúdas na Escritura celebrada em 
Saragoça a 22 de abril de 1529; e sem a Coroa de Portugal possa 
repetir coisa alguma do preço, que pagou pela venda celebrada 
na dita Escritura, a cujo efeito S. M. F. em seu Nome, e de seus 
Herdeiros, e Sucessores faz a mais ampla, e formal renúncia de 
qualquer direito, que possa ter pelos princípios expressados, ou 
por qualquer outro fundamento, as referidas Ilhas, e à restituição 
da quantia, que se pagou em virtude da dita Escritura.
ARTIGO III
Na mesma forma pertencerá à Coroa de Portugal tudo o que tem 
ocupado pelo rio Amazonas, ou Marañón acima e o terreno de ambas as 
margens deste rio até às paragens, que abaixo se dirão; como também 
tudo o que tem ocupado no distrito de Mato Grosso, e dele para a 
parte do Oriente, e Brasil, sem embargo de qualquer pretensão, 
que possa alegar-se por parte da Coroa da Espanha, com o motivo 
do que se determinou no referido Tratado de Tordesilhas; a cujo 
efeito S. M. C. em seu Nome, e de seus Herdeiros