A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
simulado historiografia

Pré-visualização | Página 4 de 12

que a presença portuguesa sempre foi superficial, sendo o Brasil nunca colonizado de fato.
	
	A força do projeto colonizador português, firme e bem estruturado, marcam as características do Brasil.
	
	Fruto de uma grande democracia racial, em que as tradições negras, indígenas e portuguesas se misturam em partes iguais.
	 
	A ausência da um projeto colonizador e de um empreendimento metódico, racional dos portugueses.
	 
	Marcada pelas tradições portuguesas no sentido de criar no Brasil um novo Portugal.
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201308289002)
	
	Ao analisarem o processo de colonização lusitana no Brasil, Gilberto Freire e Sérgio Buarque de Holanda escreveram, em duas obras clássicas da nossa historiografia: I. ¿Quando em 1532 se organizou econômica e civilmente a [colonização], [...] formou-se na América tropical uma sociedade [...] que se desenvolveria defendida menos [...] pela ação oficial do que pelo braço e pela espada do particular. [...] sendo que entre nós através das grandes famílias proprietárias e autônomas [...], donos de terras e de escravos [...] dos senados de Câmara falaram sempre grosso aos representantes d'el-rei [...]. (FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Círculo do Livro, 1990, p. 43.) II.
"No Brasil, onde imperou, desde tempos remotos, o tipo primitivo da família patriarcal [...], não era fácil aos detentores das posições públicas de responsabilidade, formados por tal ambiente, compreenderem a distinção fundamental entre os domínios do privado e do público [...]. Ao contrário, é possível acompanhar, ao longo de nossa história, o predomínio constante das vontades particulares." (HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995, p. 145-6).
As reflexões de Gilberto Freire e Sérgio Buarque de Holanda apresentam, na essência, relação com a
		
	
	constatação de que ocorriam congruências entre os interesses metropolitanos e os das elites coloniais.
	 
	análise do patrimonialismo enquanto uma característica inerente à formação da sociedade brasileira.
	
	diferenciação entre os valores reinantes na sociedade colonial e na sociedade brasileira contemporânea.
	
	latente oposição que contrapunha a família patriarcal às imposições privativas das classes proprietárias.
	
	a percepção do caudilhismo na sociedade brasileira
		 Gabarito Comentado.
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201308497230)
	
	Para Sérgio Buarque de Holanda, o Brasil possui uma série de características em sua formação política que o levaram à sua afirmação célebre: "A democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido." Todas as afirmações abaixo estão relacionadas ao pensamento de Sérgio Buarque de Holanda, EXCETO:
		
	
	A fermentação liberalista que precedeu a proclamação da independência constitui obra de minorias exaltadas, sua repercussão foi bem limitada entre o povo, bem mais limitada, sem dúvida, do que o querem fazer crer os compêndios da história pátria.
	
	É curioso notar-se que os movimentos aparentemente reformadores, no Brasil, partiram quase sempre de cima para baixo: foram de inspiração intelectual, se assim se pode dizer, tanto quanto sentimental.
	 
	Em geral, nos países latino-americanos, nos quais o personalismo e a oligarquia, que é o "prolongamento do personalismo no espaço e no tempo" conseguiram abolir as resistências liberais, assegurou-se, por essa forma, uma estabilidade política aparente que, de outro modo, não seria possível.
	
	A ideologia impessoal do liberalismo democrático jamais se naturalizou entre nós.
	 
	Já se disse, numa expressão feliz, que a contribuição brasileira para civilização será de cordialidade "daremos ao mundo o "homem cordial". Ou seja, o homem com "boas maneiras, civilidade, que se caracteriza por uma noção ritualista da vida caracterizada pela moderação e racionalidade instrumental, ou seja, de meio e de fins um "ser cordial".
		 Gabarito Comentado.
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201308365652)
	
	Sérgio Buarque de Holanda diz que uma das maiores necessidade brasileiras ao estudar a sua história é:
		
	
	Afirmar uma identidade africana, indígena e européia
	
	Afirmar uma identidade étnica e separada entre os grupos que compõem o Brasil
	
	Afirmar uma identidade operária
	
	Afirmar uma identidade portuguesa
	 
	Afirmar uma identidade brasileira
		
	
	 1a Questão (Ref.: 201308288923)
	
	Segundo Caio Prado Jr no livro História Econômica do Brasil, a devastação da mata em larga escala ia semeando desertos estéreis atrás do colonizador, sempre em busca de solos frescos que não exigissem maior esforço da sua parte. De acordo com este autor, é possível afirmar que as práticas agrícolas implantadas pela colonização, como a queimada e a monocultura, levaram a um progressivo empobrecimento dos solos da América portuguesa. Essa atitude do colonizador português em relação ao meio ambiente pode ser compreendida historicamente como
		
	
	medieval, pois esta produção não era voltada para o mercado, e sim para a subsistência.
	
	humanista, pois havia um interesse direto no progresso e no bem-estar da humanidade.
	
	pré-capitalista, pois na colônia não existia uma produção organizada em larga escala.
	
	neoliberal, pois o Estado português não interferia nos negócios praticados na América.
	 
	mercantilista, pois a produção e o lucro rápido importavam mais que a degradação do solo.
		
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201308293791)
	
	Caio Prado Junior trabalhou a noção de sentido da colonização, ou seja, o estabelecimento dos portugueses na América tropical como tendo por objetivo a exploração dos recursos naturais e não o povoamento do novo território, inserindo-se no processo de expansão das atividades colonizadoras das potências européias. Ele aborda esse debate na obra:
		
	
	Formação Econômica do Brasil
	
	Casa Grande e Senzala
	
	Raízes do Brasil
	 
	Formação do Brasil Contemporâneo
	
	Como se deve escrever a História do Brasil
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201308289475)
	
	Caio Prado Junior é considerado um dos maiores pensadores brasileiros e inovador em seu pensamento histórico, pois:
		
	
	Apresentou a primeira monografia para a história cultural do Brasil.
	
	Inaugurou a historiografia nacional brasileira.
	
	Sua historiografia apresentava características positivistas, muito em voga, neste período, na Europa.
	 
	Foi o primeiro intelectual a utilizar as teorias marxistas no estudo da História Colonial do Brasil.
	 
	Foi o primeiro historiador brasileiro a trabalhar com fontes orais e a relacionar história e memória.
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201308289485)
	
	Sobre a obra de Caio Prado Junior é INCORRETO afirmar que:
		
	
	O autor utiliza-se de alguns pensamentos marxistas para compreender os fenômenos essenciais da formação histórica brasileira e explica como eles têm importância na sociedade nacional durante o período em que escreve.
	 
	Prado é o primeiro autor que aplica o marxismo na análise da História Brasileira, usando-a como um conjunto estamental e determinista de idéias aplicadas também a historiografia soviética.
	 
	Caio Prado Jr. defende que o sentido da colonização brasileira firmou-se durante os três séculos como colônia, e permaneceu ao longo do Império e República.
	
	Segundo Caio Prado, o Brasil surgiu de acordo com a exploração e produção de produtos agrícolas para a Europa, o que implicou na formação de um modo de produção específico.
	
	Para ele o sentido da formação e evolução histórica brasileira definiu-se com o objetivo de fornecer bens agrícolas tropicais para o comércio europeu.
		 Gabarito Comentado.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.