SERRES, M. Polegarzinha (com localizar)
50 pág.

SERRES, M. Polegarzinha (com localizar)


DisciplinaPsicologia do Adolescente15 materiais96 seguidores
Pré-visualização13 páginas
POLEGARZI NHA 
Do ALJroR : 
Homim:scê11cias 
A guena mundial 
O i11candcsce1 HC 
Variações sobre o corpo 
Ramos 
Júlio Vt:rnc: a ciência e o homem comcmporârn.:o 
Os cinco sentidos 
O mal limpo 
Notícias cio mundo 
tv\ICH EL SER RES 
D/\ ACADEMl1\ FR1\ NCES/\ 
POLEGARZINHA 
7ím/11~ rio 
J orgc l3astos 
BERTRAND BRAS IL 
Rio clc: Janc.:iro 12013 
Cif~m~ltt e, Édi1 io11:> l.c P11111111icr. :20 l 2 
Tílulo ori~i 11:d: 11-11/t' l1i111d/c· 
Cap:i: S~rgio C:1111p:ltllc 
Imagem de c1p:1: \Vi11frcd Evcrs I Ccll)' l111.13cs 
Ediw1~1ç:io: F.-\ Studio 
l cxto n:vis:ido scgu11do o 11ovo 
1\ rnrdo Onogr:ílico d:1 l.í11b11.1 Prn t11g1u:s:1 
20 13 
Impresso 1111 Br.1sil 
/ h111c·d 111 /Jlt(c/Í 
1'2·7!J!l:i 
Cip·Br:1s1l. Ca1.do:-;.1ç:io 11:1 limtc 
Sindic1to i\:1rn>11al dos Editon:s de Livros. l~J 
Sr:rrcs. ,\lidar:I. (!!:{O 
l'ok:;.11·zi11b.1 1 .\ l1d1d Sl!Tcs: 11.11l11(1u.Jrn~L ll.1Sl u~. 
Riu 1k.J:111ciru: lk 11r.111d l\1.1sil. '.W 1 :1. 
!Jlip : '2lrn1 
·11~11 [11 (10 dt .. lbitr: fHl lll:C:llC 
lSll:\ !178 8-"1 '2H!i Ili Ili o 
1. Soricd.11lc d:1 i11 li111 11:1c;:io - :\spn:111s s1K1:11s. 
1. Tít11 l11 1. 
c:nn: :.io:1. 1x:1 
cnc: :.i 11; 1 
·riidos os dircitns rL·sc:1T:1dos pd:1: 
EDITOR.\ BElffR:\:\I) BR:\S ll. L ~rD.\ . 
R11:1 Argc.:11ti11:1. 171 - '.2'.' :111d:1r - ~:·10 Crist1iv:io 
2 m12 l ·380 - Rio de .J:111rn o - 1\J 
"11.:1.: (llxx2 I) '.l:)H.) 2070 - F:1x: (O~x2 I) :2.i8.i-:W87 
N:io 0 pcrmitid:1 :1 rcprmludo tm:tl ou p:1rád dcst:1 obr:1. por 
qu:1isqun 111cios. sem :1 p10vi:1 :1111oriz:1ç:io p11r t:sn 1111 d:1 Ed11or:1. 
t\tc11di1111.:11to c v~· 11d :1 di1·ct:1 :10 lt:itor: 
mdircw(li rc<.:ord.rnm.br ou (Oxx'.21 ) 2 )8:) '.W0:2 
SUMÁRIO 
1. POLFG1\RZI N l IA ........ ........ .. ................ ............ 0 
2 E 33 . . SCOI /\ ..... ... ......................................... ... ..... . 
3. SOCIFDADE .... .... ......... .. ..... ...... ...... ..... .......... 50 
b 
b 
Rm1 Hâi·nt', 
.ftinnadora do.1)im1rulurt'S da R1lt'garú11/1n, 
011vi11lr dw 011vi11lt'.1 dw Polt'gW<'Zi11/w.1. 
Rira Jau;111·1. /JtJda 
fJllt' Ol jri'z. ((11/Íftr. 
1. POLEGARZINI IA 
bz 
Antes d<.: c:11si11nr o que quc:r que sej:-i a alguém, é preciso, 
no mínimo, con lil'c<:r <:ssc algw'.'.m. Nos dias de liojc, 
quem se candid:ua <i escola, ao ensino básico. à univl'r-
sidadc? 
1 
NOV IDADES 
Essc: novo aluno. c:ssa jo\'(:111 c:stud~ullc num::i viu um 
bezerro, uma vac:l , um porco. uma ninhacb. Em EJOO, 
a maiori~1 das pesso:is no pbntt:i tr:iball1a,·a na b,·our:i 
ou com gado; c:rn 201 J, a Franç:i . ::issirn cu1no p:1ísc:s 
semelhantes. n:io ltrn 111:1is de: l O/o de c::imponc:sts c:n-
trt os seus h:ibita1llts. Dc:vc-se vc:r nisso uma das mais 
fonc:s ruptur:is na históri:i. dc:sdt o nc:olítico. Nossas 
culturas, que :rntignrnc:ntc: se rc:mctiam :'Is pr:iticns gc:ór-
gic:is apenas. mudaram de: form:1 rcptntin:i. Emrtl:ltllo, 
em todo o pbneta. é aimb gr::iças à tc:rr:i que: comc:mos. 
Aquc:lc:s que ::iqui aprc:sc:nto não vivem m:iis 11:1 
companhia de :rnim::iis, não habitam m::iis n mc:sma 
Terra, n5o têm mais a mc:sma rc:bç:ío com o mundo. Ela 
ou ele ::iclmira aptnas :i n:lturc:zn arc:1cli:1na. Jquda do 
lazer e cio wrismo. 
13 
M IC H EL SERRES 
Ele mora na cidade. Seus antepassados diretos, mais 
d:l merade deles, vivia no campo. Ele, porém, prudente, 
respeitoso e mais sensível com rebcào ao meio c:unbiente 
, ' 
polui menos do que nós, adultos inconscientes e nar-
císicos. 
A vida física não é mais a mesma nem a população 
em número, tendo a demografia saltado bruscamente, 
no decorrer ele tempo de uma vida humana, de dois para 
sete bilhões de seres humanos. Ele habita um mundo 
muito povoado. 
Agora, sua expectativa de vida beira os 80 anos. No 
dia em que se casaram, seus bisavós haviam prometido 
fidelidade por apenas uma década. Ele e ela, entretanto, 
caso pensem em viver juntos, irão prometer o mesmo 
por 65 :mos? Os pais herdaram quando cinham cerca 
ele 30 anos de icbde, eles, porém, tedo que esperar a 
velhice para receber o legado. N:1o são mais as mesmas 
idades que elts conhecem, nem o mesmo casamento, 
nem a mesma transmissão de bens. 
Ao partir para a guerra, com uma ílor no fuzil , seus 
pais ofereciam à p<ltria uma expect:uiva ele vicia breve; 
terão eles a mesma atitude, tendo pela frente uma 
expectativa ele seis déca<las·? 
14 
> 
l'OLEG 1\ RZ 1 N HA 
Há sessenta anos, intervalo único na história OCl-
dcntal, não há mais gu erra. Em breve, nem seus gover-
n~unes e professores conhecerão essa experiência. 
Beneficiários de uma medicina finalmente eficaz e 
de medicarnemos antálg·icos e anestésicos, eles sofreram 
menos do que seus antepassados, do ponto de vista 
es rntístico. Passaram fome·? Para eles, toda moral , 
religiosa ou laica, se resumia a exercícios destinados 
a suportar uma dor inevitável e cotidiana: a doença, a 
pcm'1ria, a crueldade cio mundo. 
Não têm mais o mesmo corpo nem o mesmo com-
portamento; adulto nenhum soube inspirar-lhes um::i 
moral adequada. 
Enquarno os pais foram concebidos às cegas, seus 
nascimentos foram prog·ramados. Como a idade da mãe 
avançou dez ou quinze anos p::ira gerar o primeiro filho, 
os pais dos alunos mudaram de geraç:io. Mais <la met::ide 
deles se divorciou. Acompanham menos os filhos? 
Ele e ela não lêm mais a mesma gencalogi::i. 
Enquanto as gerações anteriores assis tiam às aulas 
em sabs ou auditórios universidrios homogêneos cultu-
r::ilmente, eles estudam em uma colcc iviclade em que 
agora convivem várias religiões, língu::is, origens e cos tu-
mes. Para eles e para os professores , o multiculturalismo 
1 5 
M 1 (. 11 [ l S e lt 1( I' :> 
{;a regr:1. Por qu:rnw tempo ainJ:1 v:lo c:11w:i r, na Fr:1nç::i, 
o horrível ··sa11g11c: impuro'· de alg11m cstr:mgciru?\u2022 
O mundo global 11:io é m~1is o mesmo, nem 0 
mundo humano. Ao redor. filhas <.: lillios de imigrados. 
vindos de paísc.:s menos ricos, ti veram cxpc:riêncicis 
vit:iis in vc:rsas das t:iue t:ks conlic:ccram. 
Balanço provisório. Q1al litcr:uur:i, qu:il liístória 
c.:les irão comprec11dc:r, ldízcs. sem ter co11vi,·ido com a 
rustícid:1dc. com os :111im:1is dom(·sticos, com as coJhciL:is 
cio vc:r:io, com diversos conll iws, com ccmí téríos, 
com feridos . com famintos, com p:ítria, com bamlc:ir::i 
c:11sangue1Hacb, com mo11u111e11ws :ios monos .. . 
<: sem ter c:xpcrimentado, no sofrimc:nw. ::i urgênci::i 
vital ck um::i mor:il? 
\u2022l'f ' ··1 
'e: erc:11ci:1 :1 etr:1 J:: \ brsc:ll 1c:s:1. ltinu 11:icio11:tl fr:1111.:2s . ( i\: .T) 
1 6 
tnz 
li 
AQU I LO PARA O CORPO. 
ISSO PARA O CONHECIMENTO 
S c: us arncpass:1dos baseavam sua cultura cm um hori· 
zo11te tempor:il de alg1111s milhares de anos. asscmada na 
Antig11idadc: grt:co·btí11a, na Bíblia judaica. c:m alg1m1as 
tabuinhas cunciíonrn:s <.:cm uma pré-história cu na. Mas 
a pt:rspc:ctiva temporal passou a ser bit io11;íria e: se: rc:mct<: 
à barreira de: Planck, passa pela acreç:io do planeta. 
pela c\·oluç:iu das esp~cies, por uma palcoantropologia 
milio1dria. 
N~o habit~11nos mais o mesmo tempo: clt:s vi,Tm 
outra história. 
São formatados pela mídia, propagada por aclulios 
que mcticul os:1 mc1Ht: destruíram a faculdade de atcnç:io 
delc:s. reduz.indo ·1 durado das ima<\u2022c:ns a 7 sc1111ndos c ~ &quot; &quot; 
17 
MICHEL SER R ES 
o tempo de resposta às pcrgi.111tas a 15 - são nt'1 meros 
oficiais. A paJm,Ta mais repetida é '·morre&quot; e a imagem 
mais represcncada é a de cadáve res. Com 12 anos, os 
adultos já os forçaram a ver mais de 20 mil assass i11at0s . 
São formatado~ pela publicidade : como pode-
mos ensinar a eles que a palavra &quot;relais'', em língua 
francesa, termina cm &quot;ais&quot;, se veem, em LOdas as esta-
ções de trem, &quot;ay&quot;?* Como ensinar o sistema métrico 
quando, da maneira mais