Protocolo de dislipidemias
8 pág.

Protocolo de dislipidemias

Disciplina:Protocolo de Comutaçao18 materiais39 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Cuidado Farmacêutico no SUS – Capacitação em Serviços

	

DEFINIÇÃO CLASSIFICAÇÕES LABORATORIAL

Dislipidemia ou hiperlipidemia é a
elevação de lipoproteínas
aterogênicas (LDL, IDL, VLDL,
remanescentes de quilomícrons) no
sangue. Altos níveis de lipoproteína
de baixa densidade (LDL) e os
baixos níveis de lipoproteína de
alta densidade (HDL) são
particularmente importantes fatores
de risco para desenvolvimento da
aterosclerose - doença inflamatória
crônica de origem multifatorial que
ocorre em resposta à agressão
endotelial, acometendo
principalmente a camada íntima de
artérias de médio e grande calibre.

Hipercolesterolemia
isolada

Elevação isolada do LDL-C (≥ 160 mg/dL)

Hipertrigliceridemia
isolada

Elevação isolada dos TG (≥150 mg/dL ou ≥175
mg/dL, se a amostra for obtida sem jejum)

Hiperlipidemia mista Elevação de LDL-C (≥ 160 mg/dL) e TG (≥150 mg/dL
ou ≥175 mg/dL, se a amostra for obtida sem jejum).
Se TG ≥ 400
mg/dL, o cálculo do LDL-c pela fórmula de
Friedewald é
inadequado, devendo-se considerar a hiperlipidemia
mista
quando o não HDL-c ≥ 190 mg/Dl.

HDL-baixo Redução do HDL-c (homens < 40 mg/dL e mulheres
< 50 mg/dL) isolada ou em associação ao aumento
de LDL-c ou de TG

ESTRATIFICAÇÃO DO RISCO

Estima a probabilidade de ocorrer infarto do miocárdio ou morte por doença coronária no período de 10 anos em
indivíduos sem diagnóstico prévio de aterosclerose clínica (Escore de risco Global – ERG – em anexo).
1) Risco muito alto: indivíduos com doença aterosclerótica significativa (coronária, cerebrovascular, vascular
periférica), com ou sem eventos clínicos, ou obstrução ≥ 50% em qualquer território arterial.
2) Alto risco: portadores de Doença Aterosclerótica Subclínica (DASC); aneurisma de aorta abdominal; doença renal
crônica (Taxa de Filtração Glomerular < 60 mL/min); LDL ≥ 190 mg/dL; diabetes melito tipo 1 ou 2 e com LDL entre 70 e
189mg/dL e presença de Estratificadores de Risco (ER) ou DASC; LDL-c entre 70 e 189 mg/dL, do sexo masculino com
risco calculado pelo ERG > 20% e nas mulheres > 10%.
- ER no diabetes: idade ≥ 48 anos no homem e ≥ 54 anos na mulher; tempo de diagnóstico do diabetes > 10 anos;
história familiar de parente de primeiro grau com DCV prematura (< 55 anos para homem e < 65 anos para mulher);
tabagismo (pelo menos um cigarro no último mês); hipertensão arterial sistêmica; síndrome metabólica; presença de
albuminúria > 30 mg/g de creatinina e/ou retinopatia; TFG < 60 mL/min.
3) Risco intermediário: indivíduos com ERG entre 5 e 20% no sexo masculino e entre 5 e 10% no sexo feminino, ou
diabéticos sem DASC ou ER
4) Baixo risco: indivíduos com ERG <5% no sexo masculino e feminino.

METAS PARA TERAPÊUTICA PREVENTIVA

Risco em 10 anos

Meta terapêutica (mg/dL)

 Sem estatinas
Com estatinas

Redução LDL-C (%) Meta de LDL (mg/dl) Meta de não-
HDL(mg/dl)

Muito alto >50 <50 <80

Alto >50 <70 <100

Intermediário 30-50 <100 <130

	
Cuidado Farmacêutico no SUS – Capacitação em Serviços

Baixo >30 <130 <160

Não são propostas metas para HDL-c, TG e outras variáveis.

ALGORITMO DE TRATAMENTO

Risco em 10
anos

 Medida
terapêutica

inicial

 Reavaliaçã
o das
metas

Risco Baixo
ou risco

intermediário

à MEV à 3 a 6
meses

à Atingiu a
meta?

à Sim - Continuar MEV
Não – Iniciar terapia hipolipemiante

Alto risco ou
muito alto

risco

à MEV +
tratamento

farmacológico
*

à 3 meses à Atingiu a
meta?

à Sim - Continuar MEV e tratamento
farmacológico*
Não - Continuar MEV e tratamento
farmacológico + adição de outros
medicamentos

MEV: Mudança do estilo de vida
* Em geral, inicia-se com medicamentos que atuam predominantemente na colesterolemia

TRATAMENTOS NÃO FARMACOLÓGICOS

• Atividade física regular
• Cessação do Tabagismo
• Recomendações dietéticas para o tratamento

das hipercolesterolemias:
* A depender dos valores basais de LDL-c e
TG
Para uma dieta de 2.500 Kcal (VCT = valor
calórico total)

Nutrientes Ingestão recomendada

Carboidrato
Proteína

Lípides totais

45-60% do VCT
15-20%

25-35 % do VCT*

Ácidos graxos saturados < 7-10% do VCT*

Ácidos graxos
polinsaturados

5-10% do VCT*

Ácidos graxos
monoinsaturados

10-20% do VCT*

Ácidos graxos trans Excluir da dieta

Fibras 25g/d

TRATAMENTOS FARMACOLÓGICOS

Medicamentos
que atuam

predominanteme
nte na

colesterolemia

ESTATINAS OU INIBIDORES DA HMG-COA REDUTASE

Fármaco Doses/ dia
Efeito

sobre o
LDL-C

Observações

Sinvastatina 20 a 80mg - 27% a As estatinas devem ser administradas por via oral, em

	
Cuidado Farmacêutico no SUS – Capacitação em Serviços

 42% dose única diária, preferencialmente à noite para os
fármacos de meia-vida curta ou em qualquer horário

naqueles com meia-vida maiores como a atorvastina e
a rosuvastatina. Podem ser administradas em

associação à ezetimiba, colestiramina e eventualmente
a fibratos ou ácido nicotínico. O uso de estatina está

indicado em terapias de prevenção primária e
secundária de doença aterosclerótica como

primeira opção

Lovastatina 10 a 80mg
- 21% a

41%

Pravastatina 20 a 40mg - 20% a
33%

Fluvastatina 20 a 80mg - 15% a
37%

Atorvastatina 10 a 80mg - 37% a
55%

Rosuvastatin
a

10 a 40mg - 43% a
55%

RESINAS DE TROCA

Fármaco Doses / dia

Efeito
sobre o
LDL-C

Observações

Colestiramin
a

4 a 24g -5-30%

Reduz a absorção intestinal de sais biliares e,
consequentemente, de colesterol. Entretanto, pode
aumentar o TG e VLDL. Administrar longe de outros

medicamentos (1h antes ou 4h após)

INIBIDOR DE ABSORÇÃO DO COLESTEROL

Fármaco Doses / dia

Efeito
sobre o
LDL-C

Observações

Ezetimibe 10 mg - 10-25%

Pode ser administrado a qualquer horário, com ou sem
alimentação. Opção terapêutica em casos de

intolerância às estatinas. Associada à sinvastatina
40mg ou equivalente, reduz desfechos

cardiovasculares.

INIBIDORES DA PROTEÍNA PCSK-9
Fármac

o Doses
Efeito sobre

o LDL-c Observações

Alirocumabe
75-150mg
a cada 2
semanas

- 60%

Aumenta a densidade de receptor de
LDL na superfície do hepatócito
favorecendo a depuração das

partículas de LDL. Evolocumab
e

140mg a
cada 2

semanas
ou 420mg

1x/mês

Medicamentos
que atuam

predominanteme
nte nos TG e que

FIBRATOS

Fármaco Dose mg/dia

Efeitos
sobre
HDL-C

Efeitos
sobre os

TG
Observações

	
Cuidado Farmacêutico no SUS – Capacitação em Serviços

atuam no HDL-C

Bezafibrato
200-600

mg

+ 7-11%

30-60%

Aumentam a produção e ação da lipase
lipoprotéica. Indicadas no tratamento de
hipertrigliceridemia isolada. No caso de

hipertrigliceriemia mista, indicadas
quando o TG está > 500 mg/dL, para

redução do risco de pancreatite aguda.
Caso as taxas de TG estejam abaixo de
500 mg/dL, deve-se iniciar o tratamento
com uma estatina. Não se recomenda o

uso de fibrato para reduzir o risco
cardiovascular. Em pacientes com TG

acima de 204 mg/dL e HDL < 34 mg/dL,
o uso de fibrato, isoladamente ou em

associação a estatinas pode ser
recomendado.

Ciprofibrato 100 mg

Etofibrato 500 mg

Fenofibrato
160-250

mg

Genfibrozila
* A

genfibrozila
não deve ser
associda a
estatinas

600-1200
mg

ÁCIDO NICOTÍNICO

Dose /dia
Efeito

sobre o
LDL-C

Efeitos
sobre
HDL-C

Efeitos
sobre os

TG
Observações

500 mg a
2000mg

- 5% - 25% + 15 a 35% - 20 a 50%.
Reduz a ação da lipase tecidual nos

adipócitos. Rubor facial