GESTÃO DE PESSOAS
4 pág.

GESTÃO DE PESSOAS


DisciplinaGestão de Pessoas II790 materiais4.389 seguidores
Pré-visualização1 página
GESTÃO DE PESSOAS
*O papel do profissional de gestão de pessoas é cuidar das pessoas envolvidas nas tarefas diárias das empresas.
*Possui também o papel de reconhecer, identificar, perceber e compreender as necessidades de cada colaborador.
* O gestor deve dar a oportunidade para que o profissional possa busca-lo através de treinamentos e desenvolvimentos para que assim alcance os objetivos propostos com eficácia.
Na "Unidade 1 - Introdução à Gestão de Pessoas", você encontrará os seguintes tópicos:
Introdução à Gestão de Pessoas
O Sistema de Gestão de Pessoas e as Atividades Básicas da Gestão de Pessoas
Políticas para a Gestão de Pessoas
Planejamento de Pessoal
Recrutamento e Seleção de Pessoal.
Tópico 1 - Introdução à Gestão de Pessoas
Nesse tópico, você estudará sobre modelos de gestão de pessoas e a importância deles para o sucesso das organizações. Uma empresa é diferente da outra, logo, você entenderá que não existe modelo replicável, mas cada organização deve ter seu modelo ideal, que seja adaptado as suas necessidades e características.
Tópico 2 - O Sistema de Gestão de Pessoas e as Atividades Básicas da Gestão de Pessoas
Esse tópico tem como conteúdo central os processos do sistema de gestão de pessoas: provisão, aplicação, manutenção, desenvolvimento e monitoração. O entendimento de que se trata de um sistema integrado e que as atividades se tratam de processos é fundamental
 importância da Gestão de Pessoas pode ser identificada no artigo de Tavares (2016), publicado na "Harvard Business Review". A pesquisa, realizada por instituições americanas (na Alemanha, Bélgica, Brasil, Espanha, França e Holanda), no ano de 2016, mostra, por exemplo, que aquelas empresas com boas práticas de Gestão de Pessoas têm um desempenho 51% maior ao se comparar os índices das bolsas de valores dos países em que atuam.
Tópico 3 - Políticas para a Gestão de Pessoas
A visão de que as políticas são guias, ou seja, servem de orientação para as pessoas agirem é o conceito central desse tópico. A "Magazine Luiza" é uma das maiores empresas brasileiras de varejo e exemplo na Gestão de Pessoas. Para tanto, a empresa criou o "Jeito Luiza de Ser", conjunto de diretrizes que guiam os modos de se relacionar com os públicos interno e externo. Elas foram baseadas nas visões e formas de atuação de seus fundadores, em especial, Luiza Trajano Donato, presidente do grupo por muitos anos e responsável por sua expansão e solidificação.
Para relembrar, visualize a figura a seguir:
Tópico 4 - Planejamento de Pessoal
O planejamento de pessoal é a ferramenta na qual o gestor visualiza e antecipa os recursos necessários para a Gestão de Pessoas. As organizações públicas também têm apresentado preocupação com a questão do planejamento de pessoa
Tópico 5 - Recrutamento e Seleção de Pessoal
Como trazer novos funcionários para a organização? 
Essa pergunta pode ser respondida por meio da tarefa de Recrutamento e Seleção de Pessoal. Tais atividades são fundamentais para empresas bem-sucedidas. O "Sebrae" afirma que para evitar problemas com seleção profissional, as empresas devem saber avaliar o perfil dos candidatos de acordo com as necessidades de cada função
Existem três tipos básicos de recrutamento, interno, externo e misto, cada um deles apresenta um conjunto de técnicas. O Recrutamento Interno é composto pelas seguintes: inventário de talentos, quadro de substituição (geralmente utilizados em sucessões em posições-chaves, para saber mais sobre sucessão veja aqui o artigo da Revista "Pequenas Empresas & Grandes Negócios"); e anúncio interno de vagas.
Recrutamento Externo: banco de currículos, indicações, anúncios, consultorias especializadas, políticas de "boa vizinhança" (algumas das técnicas têm links externos).
Recrutamento Misto: utilização de técnicas dos dois tipos de recrutamento.
Não há organização sem pessoas
As pessoas é que formam a organização.
O desafio da área de RH é alinhar a gestão das pessoas ao plano estratégico de negócio declarou o conferencista Roberto Shinyashiki, em 2005, à revista Melhor, ligada à Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH). Com algumas variações, você ainda vai ouvir essa frase muitas vezes na área de RH. Mas o quesignifica exatamente alinhar a gestão de pessoas ao plano estratégico do negócio?
Um bom modelo de gestão de pessoas significa adotar uma estratégia,
uma estrutura e um sistema para administrar pessoas. Fala-se muito, nas teorias
de administração, que empresas bem geridas tendem ao sucesso! ou \u2212 Empresas
quebram por falhas de gestão!.
A Gestão de Pessoas é o maior desafio enfrentado por qualquer executivo em
organizações com ou sem fins lucrativos, grandes ou pequenas, públicas, privadas,
indústria, comércio, prestadora de serviços etc. Por esta razão, é necessário que a
gestão de pessoas seja feita através de um modelo formalmente definido e adotado
e que este seja um modelo Ideal para a gestão de pessoas.
Qual é o modelo ideal? Em se tratando de gestão de pessoas, é extremamente
difícil encontrar um modelo que possa ser copiado. O modelo Ideal é aquele que nasce
do encontro entre os interesses da organização e dos funcionários. Modelo Ideal é o
que leva a organização como um todo e os funcionários a conquistarem resultados
desejados. É preciso que se considere, na definição do modelo, atitudes que atendam
aos desejos de todos (dos funcionários e dos empresários, do acionista, do donoOs principais desejos que sempre fizeram e continuam fazendo parte do
ambiente organizacional são:
\u2022 desejo de justiça;
\u2022 de valorização e reconhecimento;
\u2022 de relacionamentos transparentes e verdadeiros;
\u2022 de crescimento e desenvolvimento pessoal e profissional;
\u2022 de evolução;
\u2022 de um ambiente seguro, limpo, organizado;
\u2022 de exercer um trabalho digno, que contribua para a realização pessoal.
Deve ser incluído, nesta lista, o desejo de crescimento e desenvolvimento
organizacional, ou seja, geração de lucros, participação no mercado, redução de
desperdícios, aumento da produtividade etc.
Estes são exemplos de desejos que não mudam de organização para
organização. A forma como atender a estes desejos é que muda de organização
para organização.