etapa 3
32 pág.

etapa 3


DisciplinaGestão de Pessoas II788 materiais4.373 seguidores
Pré-visualização5 páginas
ROTINAS DE PESSOAL
NA PRÁTICA
ETAPA 3
FÉRIAS
CENTRO UNIVERSITÁRIO
LEONARDO DA VINCI
Rodovia BR 470, Km 71, nº 1.040, Bairro Benedito
89130-000 - INDAIAL/SC
www.uniasselvi.com.br
Curso de Rotinas de Pessoal na Prática
Centro Universitário Leonardo da Vinci
Organização
Daniele de Lourdes Curto da Costa Martins
Autora
Estelamaris Reif
Reitor da UNIASSELVI
Prof. Hermínio Kloch
Pró-Reitoria de Ensino de Graduação a Distância
Prof.ª Francieli Stano Torres
Pró-Reitor Operacional de Ensino de Graduação a Distância
Prof. Hermínio Kloch
Diagramação e Capa
Renan Willian Pacheco
Revisão
Bianca Suliee Korc Correa
OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM
A partir desta etapa, você será capaz de:
\u2022 aprender sobre o direito às férias;
\u2022 estudar sobre a perda ao direito às férias (os motivos, e a tabela de dedução de dias); 
\u2022 calcular o recibo de pagamento das férias.
PLANO DE ESTUDOS
Esta unidade de estudos encontra-se dividida em quatro tópicos de conteúdos. 
Ao longo da etapa, você encontrará sugestões e dicas que visam potencializar os temas 
abordados, e ao final está disponível um resumo e autoatividades que visam fixar os 
temas estudados.
TÓPICO 1 \u2013 CONCEITOS PRINCIPAIS SOBRE AS FÉRIAS
TÓPICO 2 \u2013 FÉRIAS
TÓPICO 3 \u2013 PERDA DO DIREITO DE FÉRIAS
TÓPICO 4 \u2013 CÁLCULO DO RECIBO DE FÉRIAS
2 ROTINAS DE PESSOAL NA PRÁTICA
Copyright © UNIASSELVI 2016. Todos os direitos reservados.
TÓPICO 1
CONCEITOS PRINCIPAIS SOBRE AS FÉRIAS
1 INTRODUÇÃO
Olá, bem-vindo à terceira etapa do curso de Rotinas de Pessoal. Entraremos agora 
em um assunto muito polêmico no mundo trabalhista, as férias.
Ao longo do estudo desta etapa, você vai entender por que é considerado um 
assunto polêmico, apesar de que, sempre que tratamos de direitos trabalhistas, existem 
motivos para discussão, pois em muitos casos a legislação não é clara e específi ca.
Assim como a Etapa 2, em que tratamos sobre a folha de pagamento e envolvia 
vários detalhes, a Etapa 3 também possui muitos detalhes para se entender as abordagens 
das férias, então novamente fi que atento, e bons estudos!
2 CONCEITOS PRINCIPAIS SOBRE AS FÉRIAS
As férias estão previstas nos artigos 129 e seguintes da Consolidação das Leis do 
Trabalho (CLT) e também no inciso XVII, do artigo 7º da Constituição Federal.
Sua fi nalidade, assim como dos demais intervalos remunerados e não remunerados, 
é a garantia da saúde física, psíquica e mental do trabalhador. É possibilitar que durante 
os períodos de descanso, o trabalhador recupere suas forças por meio do descanso e do 
lazer, pois espera-se que ele mantenha sua capacidade laborativa por vários anos até sua 
aposentadoria, fazendo-se necessários para isso, intervalos de descanso (CALIL, 2017).
Durante as férias o empregado não poderá prestar serviços a outro empregador, salvo em 
virtude de contrato de trabalho regularmente mantido com aquele, ou seja, possuir mais de um 
vínculo trabalhista.
ATENÇÃO
Durante as férias o empregado não poderá prestar serviços a outro empregador, salvo em 
virtude de contrato de trabalho regularmente mantido com aquele, ou seja, possuir mais de um 
O Parágrafo 2º do art. 130 da CLT determina que \u201cO período das férias será 
computado, para todos os efeitos, como tempo de serviço\u201d.
3
Copyright © UNIASSELVI 2016. Todos os direitos reservados.
ROTINAS DE PESSOAL NA PRÁTICA
TÓPICO 2
FÉRIAS
1 INTRODUÇÃO
As férias são concedidas pelo empregador, que fixará a época que melhor atenda 
aos seus interesses, porém cabe observar que esta não poderá ultrapassar o limite de 
12 meses, subsequente à aquisição do direito pelo empregado, sob pena de pagamento 
em dobro da respectiva remuneração, além da sujeição à multa administrativa imposta 
pela fiscalização trabalhista (MACHADO; SANTOS, 2016).
 
Entretanto, a fixação do período de férias apenas pelo empregador tem sido 
motivo de debate pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), por meio da 
Convenção 132 aprovada no Congresso Nacional em seu Decreto Legislativo nº 47/1981. 
Este decreto determina que a empresa consulte o empregado antes de conceder-lhe as 
férias, exceto nos casos em que haja regulamento próprio da empresa ou documento 
coletivo (MACHADO; SANTOS, 2016).
A interpretação acima visa atender ao interesse de ambas as partes no que diz 
respeito ao período de gozo das férias do empregado.
2 FÉRIAS INDIVIDUAIS
Art. 129 da CLT \u2013 Todo empregado terá direito anualmente ao gozo de um 
período de férias, sem prejuízo da remuneração.
Art. 134 da CLT \u2013 As férias serão concedidas por ato do empregador, em um só 
período, nos 12 (doze) meses subsequentes à data em que o empregado tiver adquirido 
o direito.
Parágrafo 1º \u2013 Somente em casos excepcionais as férias serão concedidas em 2 
(dois) períodos, um dos quais não poderá ser inferior a 10 (dez) dias corridos.
Parágrafo 2º \u2013 Aos menores de 18 (dezoito) anos e aos maiores de 50 (cinquenta) 
anos de idade, as férias serão sempre concedidas de uma só vez.
Parágrafo 1º Art. 136 da CLT \u2013 Os membros de uma família, que trabalharem no 
mesmo estabelecimento ou empresa, terão direito a gozar férias no mesmo período, se 
assim o desejarem e se disto não resultar prejuízo para o serviço.
4 ROTINAS DE PESSOAL NA PRÁTICA
Copyright © UNIASSELVI 2016. Todos os direitos reservados.
Parágrafo 1º Art. 136 da CLT \u2013 O empregado estudante, menor de 18 (dezoito) 
anos, terá direito a fazer coincidir suas férias com as férias escolares.
1ª Forma 15 + 15 30 Dias
2ª Forma 20 + 10 30 Dias
3ª Forma 14 + 16 30 Dias
FONTE: A autora
QUADRO 1 \u2013 EXEMPLOS DE FORMAS DE CONCESSÃO DE FÉRIAS EM DOIS PERÍODOS
Agora vamos entender o que é:
Período Aquisitivo x Período de Gozo (também conhecido como Período 
Concessivo)
Exemplo: João Migliorini da Silva
Data de Admissão: 01/09/2015
Pegará 15 dias de férias: Início 01/03/2017 a 15/03/2017.
1º Período Aquisitivo: 01/09/2015 a 31/08/2016 (Referente aos primeiros 12 meses 
de trabalho).
2º Período Aquisitivo: 01/09/2016 a 31/08/2017 (Referente aos próximos 12 meses 
de trabalho), e assim sucessivamente.
Período de Gozo: 01/03/2017 a 15/03/2017 (Período em que o funcionário estará 
de férias).
Vejamos também um exemplo de aviso de Férias, que conforme determina o 
artigo 135 da CLT, deve ser entregue ao empregado por escrito com no mínimo 30 dias 
de antecedência.
5
Copyright © UNIASSELVI 2016. Todos os direitos reservados.
ROTINAS DE PESSOAL NA PRÁTICA
FIGURA 1 \u2013 AVISO DE FÉRIAS
FONTE: Disponível em: <htt ps://www.groupsoftware.com.br/produtos/groupfolha/exemplos.
aspx?id=4>. Acesso em: 21 maio 2017.
O Parágrafo 1º artigo 135 da CLT também determina que o empregado não entre 
no gozo das férias sem apresentar ao empregador sua Carteira de Trabalho e Previdência 
Social, para que nela seja anotada a respectiva concessão.
FONTE: Disponível em: <htt p://www.coad.com.br/fi les/trib/html/pesquisa/
ltps/em16048.htm>. Acesso em: 9 abr. 2017.
FIGURA 2 \u2013 ANOTAÇÕES DE FÉRIAS NA CTPS
IMPORTANTE
A legislação também permite que as informações referentes às férias sejam descritas apenas 
na Ficha de Registro Auxiliar. A fi cha substitui as anotações e atualização feitas na carteira de 
trabalho do empregado.
Veremos melhor sobre essa fi cha no Tópico 5 do livro de estudos.
6 ROTINAS DE PESSOAL NA PRÁTICA
Copyright © UNIASSELVI 2016. Todos os direitos reservados.
O Parágrafo 2º artigo 135 da CLT determina ainda que a concessão das férias seja 
igualmente anotada no livro ou nas fi chas de registro dos empregados.
O início do período de gozo das férias não poderá coincidir com sábado, domingo, feriado 
ou dia de compensação de repouso semanal (EX-PN 161).
ATENÇÃO
O início do período de gozo das férias não poderá coincidir com sábado, domingo, feriado 
ou dia de compensação de repouso semanal (EX-PN