Síndrome nefrítica - Questões resolvidas
4 pág.

Síndrome nefrítica - Questões resolvidas


DisciplinaNefrologia818 materiais2.465 seguidores
Pré-visualização4 páginas
QUESTÕES
2017 - HSPE
1. Um paciente de 66 anos, branco, natural e procedente da cidade de São Paulo, trabalhador
autônomo aposentado, procurou atendimento por anorexia, mialgia e perda de peso não
quantificada há 1 mês. Negou qualquer outro sintoma, nunca procurou atendimento médico
e também negou tabagismo e etilismo. Ao exame físico, o que havia de alteração era somente
uma palidez cutâneo-mucosa importante. Os demais achados eram normais, incluindo PA =
130x80mmHg. Os exames laboratoriais solicitados inicialmente mostravam creatin ina sérica
= 3,5mg/dL, ureia = 90mg/dL, hemoglobina = 7g/dL com VCM = 90, leucócitos = 6.000, com
diferencial normal; eletrólitos incluindo cálcio, fósforo, sódio e potássio, todos normais;
glicemia = 99mg/dL com hemoglobina glicada = 6%; e ultrassonografia renal normal e urina I
com hematúria = 1 00/campo, leucocitúria = 25/campo, com relação proteinúria/creatinina
urinária = 1,2. O melhor diagnóstico para esse paciente é:
a) cistite justificada pela leucocitúria, o que explica os demais sintomas pelo quadro infeccioso
b) doença renal crônica justificada principalmente pela presença de anemia
c) injúria renal aguda secundária à síndrome nefrítica, justificada pelos achados do exame de
urina e pela ultrassonografia normal
d) doença renal crônica, justificada pelos eletrólitos normais, que são achados típicos desse
acometimento
e) nefropatia diabética, que cursa classicamente com hematúria e pouca proteinúria, não
podendo uma única medida de hemoglobina glicada afastar o diagnóstico
2017 - INCA
2. Uma menina de 7 anos vem à consulta no posto com relato de infecção de urina. A mãe
refere que foi ao pronto-socorro com a filha, pois estava urinando pouco e com a urina com
“cor forte”. Foi prescrita amoxicilina, que estava tomando há 7 dias, e estava vindo ao posto
para controle da infecção. Queixava-se de que a urina ainda estava “forte” e informava não
ter tido febre, disúria nem polaciúria. Ao exame, apresenta várias cicatrizes de provável
prurigo estrófulo nos membros inferiores e edema na região periorbital. A conduta adequada
é:
a) solicitar exame de urina para controle de infecção urinária (elementos anormais e sedimentos
e urinocultura) e avaliar a realização de exame de imagem
b) avaliar a pressão arterial devido a pro vel hipótese de glomerulonefrite pós-estreptocócica;
dependendo de evidências ou não de sobrecarga cardiovascular, considerar internação para
controle clínico e invest igação diagnóstica
c) solicitar ultrassonografia de vias urinárias e iniciar quimioprofilaxia após o término d a
amoxicilina, para prevenir novos episódios de infecção urinária
d) suspender o antibió tico e iniciar corticoide
2017 - SES-PE
3. Sandra, de 7 anos, é levada ao hospital com quadro de dispneia, edema periorbitário e
abdominal, iniciado 1 dia, além de cefaleia e vômitos. Negava febre e outras queixas. Ao
exame físico, encontrava-se em regular estado geral, consciente e orientada, dispneica,
acianótica, anictérica, afebril, taquicárdica (FC = 140bpm) e edemaciada (++/4+) na face, no
abdome e nos membros inferiores. Observa-se pressão arterial >percentil 95% para altura e
idade. ACV r ev ela RCR, em 3 tempos por B3, sem sopros; AP r evela MV +, bilateralmente, com
estertores em bases. O abdome está flácido, doloroso no hipocôndrio direito, com gado
palpável a 5cm do rebordo costal direito. A pele tem manchas hipercrômicas (cicatrizes) nos
membros inferiores. Exames colhidos: Na = 140mEq/L; K = 4mEq/L; ureia = 40mg/dL;
creatinina = 1,1mg/dL; sumário de urina: leucócitos = 20/campo; hemácias = 25/campo;
proteinúria = +. Com base no diagnóstico desse caso clínico, assinale a alternativa correta:
a) diferentemente dos países de clima frio, no Brasil, o impetigo tem maior importância
epidemiológica co mo infecção prévia desse quadro clínico do que a faringoamigdalite
b) a prednisona é o corticosteroide utilizado com maior frequência para essa condição, sendo
prescrita na posologia de 2mg/kg/d
c) a cintilografia com DMSA deve ser realizada para avaliar a presença de cicatrizes renais e
auxiliar no diagnóstico
d) a ASLO elevada é obrigatória para o diagnóstico, e seus títulos dependerão do sorotipo
infectante e do local da infecção
e) o antibiótico de escolha nesse caso é a ceftriaxona e, por precaução, deve ser iniciado após
coleta de urocultura
2017 - UFPA
4. Um paciente deu entrada c om anasarca há 20 dias e hipertensão de 190x90mmHg recém-
diagnosticada. Observam-se creatinina = 1,9mg/dL, uri na EAS com proteínas 3+ e
hemoglobina 2+, além de proteinúria de 24 horas mostrando 3g de proteínas. Foi submetida
a biópsia renal após a estabilização clínica, que mostrou esclerose s egmentar em 6 de 10
glomérulos acometidos. A variante da GESF (glomeruloesclerose segmentar e focal) mais
agressiva em relação ao curso clíni co e à c apacidade de lesão renal é a:
a) celular
b) tip lesion
c) colapsante
d) peri-hilar
e) NOS
2016 - UNESP ESTÃO 08
5. Um menino de 5 anos apresenta quadro de edema palpebral e de membros inferiores há 3
dias, dispneia 1 dia e história de ferimento na perna 3 semanas. Ao exame físico,
observam-se peso = 21kg, estatura no percentil = 25 , PA = 117x81mmHg (PAS e PAD no
percentil 99 para idade, sexo e percentil de estatura), FC = 132bpm, FR = 52irpm, edema
palpebral e nos membros inferiores (2+) em (4+) e crepitações difusas. Os exames laboratoriais
revelam proteinúria (++), numerosas hemácias por campo, ureia = 7 8mg/dL e creatinina =
0,9mg/dL. O raio x de tórax mostra c ongestão pulmonar e aumento da áre a cardíaca. O
diagnóstico e os exames que devem estar alterados são, respectivamente:
a) glomerulonefrite aguda pós -estreptocócica; dosagem sérica da fração 3 do complemento e
da antideoxirribonuclease B
b) glomerulonefrite aguda pós-estreptocócica; dosagem sérica da fração 4 do complemento e
da antideoxirribonuclease B
c) síndrome nefrótica por lesões mínimas; dosagem sérica da albumina e do colesterol e fração
VLDL
d) síndrome nefrótica por glomerulonefrite membranoproliferativa; dosagem sérica da
albumina e do colesterol e fração VLDL
RESPOSTAS
Questão 1. Questão interessante. Este é um paciente previamente hígido, com início do s
sintomas há 1 mês, alteração da função renal, anemia normo/normo, porém com hematúria e
proteinúria não nefró tica. Analisando as alternativas:
a) Incorreta. O paciente tem leucocitúria leve e está assintomático, afebril, sem sinais de sepse
e com leucócitos normais. Leucocitúria pode ocorrer, também, em situações de contaminação
da amostra, nefrite intersticial crônica e glomerulonefrite proliferativa.
b) e d) Incorretas. A do ença renal crônica é descartada pela ultrassonografia renal, sem
alterações de eletrólitos. Na insuficiência renal crônica, há hipocalcemia, hipercalemia e
hiperfosfatemia.
c) Correta. Pelo surgimento do quadro recente, hematúria e piora da função renal, além de
proteinúria, a maior pro babilidade é que seja uma síndrome nefrítica.
e) Incorreta. A nefro patia diabética é uma doença comum, que não apresenta alterações
renais ultrassonográficas e que poderia cursar com proteinúria, mas se fosse um diagnóstico
antigo. O paciente tem hemoglobina glicada de 6%, e os sintomas são recentes.
Gabarito = C
Questão 2. Analisando as alternativas:
a) e c) Incorretas. menção a infecção do trato urinário, porém o paciente não apresentou
disúria ou febre. Também relata infecção, mas o indivíduo não apresentou febre ou demais
sintomas que justifiquem infeção urinária.
b) Correta. Paciente escolar com alteração na coloração da urina, cicatrizes de prurigo nos
membros inferiores e edema periorbital: estamos diante de um quadro de glomerulonefrite
pós-estreptocócica que consiste em Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), edema e hematúria.
Neste caso, falta avaliar a HAS, além de considerar internação para controle e investigação.
d) Incorreta. Não há terapia específica para glomerulonefrite pós-estreptocócica. O tratamento
é de suporte e focado principalmente nas complicações devido à sobrecarga de volume. Estas
incluem hipertensão e, menos comumente, edema pulmonar. As medidas gerais incluem
restrição de sódio e água e diuréticos.
Gabarito = B
Questão 3. Analisando as alternativas:
a) Correta. O paciente é uma criança com sinais de hipervolemia (edema, estertores crepitantes,
presença de B3, hipertensão arterial) e hematúria, portanto estamos diante de um quadro de
síndrome nefrítica difusa aguda (as lesões cicatriciais provavelmente são impetigo ou
piodermite). No Brasil, ocorre principalmente o impetigo, devido ao clima mais quente. A
faringite estreptocócica ocorre predominantemente nos meses de inverno e no início da
primavera.
b) Incorreta. O tratamento da glomerulonefrite difusa aguda é geralmente sintomático e
ambulatorial, sem terapia es pecífica. O tratamento é suportivo e focado no tratamento das
manifestações clínicas da doença, particularmente complicações devido à sobrecarga de
volume. Estas incluem hipertensão e, menos comumente, edema pulmonar. As medidas gerais
incluem restrição de sódio e água e diurét ico s de alça.
c) Incorreta. A maioria dos pacientes, particularmente crianças, tem um excelente resultado,
não provocando cicatrizes renais.
d) Incorreta. Na infecção cutânea, títulos de ASLO não se elevam, devendo -se utilizar a anti-
DNAse para o diagnó stico (detectado em 60 a 70% dos casos), seguido pelo anti -hialuronidase.
e) Incorreta. A antibioticoterapia sistêmica precoce das infecções orofaríngeas e cutâneas
estreptocócicas não elimina o risco de glomerulonefrite.
Gabarito = A
Questão 4. Questão conceitual pouco comum nos concursos. A glomeruloesclerose segmentar
e focal é uma lesão histológica, e não uma doença, comumente encontrada na síndrome
nefrótica em adultos e crianças. Diversas variantes morfológicas da glomeruloesclerose
segmentar e focal o bservadas na microscopia óptica foram definidas e incluem: