Injúria renal aguda: tratamento e complicações - Questões resolvidas
3 pág.

Injúria renal aguda: tratamento e complicações - Questões resolvidas


DisciplinaNefrologia815 materiais2.463 seguidores
Pré-visualização3 páginas
QUESTÕES
2016 - SANTA CASA-GO
1. Uma paciente de 75 anos, portadora de diabetes mellitus, encontra-se internada com história de confusão
mental, astenia e hiporexia 3 dias, tendo evoluído com hipotensão refratária à infusão de líquidos e
necessidade de aminas vasoativas. A investigação resultou no diagnóstico de infecção do trato urinário,
associada a insuficiência renal aguda com indicação de hemodiálise. A antib ioticoterapia adequada foi
instituída. Apesar do tratamento específico e de medidas de suporte adequadas, evoluiu com parada
cardiorrespiratória horas após o térm ino da sessão de hemodiálise e não respondeu às manobras de
reanimação, resultando em êxito letal. A sequência correta para preenchimento da causa da morte dessa
paciente no atestado de óbito é:
a) choque séptico devido a infecção do trato urinário devido a diabetes mellitus na parte I; insuficiência renal
aguda na parte II
b) insuficiência renal aguda devido a choque séptico devido a infecção do trato urinário na parte I; diabetes
mellitus na parte II
c) infecção do trato urinário devido a diabetes na parte I; choque séptico e insuficiência renal aguda na parte
II
d) choque séptico devido a infecção do trato urinário na parte I; insuficiência renal aguda e diabetes mellitus
na parte II
2016 - CERMAM
2. Com relação à Insuficiência Renal Aguda (IRA), é correto afirmar que:
a) as infecções são as complicações m ais frequentes no paciente com IRA, respondendo por 20 a 30% dos
óbitos
b) ciclosporina e cocaína geram lesão pelo mesmo mecanismo fisiopatológico
c) a maioria dos pacientes desenvolve aum ento do volume urinário após 21 dias do início da oligúria
d) nos processos pré-renais, e ncontram-se urina isosmótica e sódio urinário alto
2016 - SUS-RR
3. Um homem de 65 anos foi submetido à correção cirúrgica de aneurisma de aorta abdominal. A partir do
dia de pós-operatório, apresentou oligúria progressiva e elevação dos níveis de ureia e creatinina, sem
resposta ao tratamento clínico. Qual é a indicação de tratamento dialítico de urgência?
a) edema agudo pulmonar na fase oligúrica de insuficiência renal
b) elevação da ureia sanguínea para níveis superiores a 150mg/dL
c) elevação de creatinina plasmática para nív eis superiores a 7mg/dL
d) acidose metabólica com HCO3 = 12mEq/L
e) potássio sérico = 5,5mEq/L
2015 - FHEMIG
4. Um homem de 68 anos, diabético, apresentou piora aguda da função renal após arteriografia dos
membros inferiores devido a queixa de claudicação intermitente. O nível sérico de creatinina passou de 1,4
para 4,8mg/dL. A diálise deverá ser instituída, neste momento, caso ocorra:
a) elevação da ureia sérica para valores maiores do que 80mg/dL
b) ausência do aumento do volume urinário para valores superiores a 30mL/h após 48 horas de tratamento
conservador
c) desenvolvimento de pericardite secundária a disfunção renal
d) redução do volume urinário para valores inferiores a 15mL/h
2015 - AMRIGS
5. Com relação à Insuficiência Renal Aguda (IRA), é correto afirmar que:
I - Reposição agressiva e precoce de volume é mandatória a pacientes c om rabdomiólise.
II - Nos casos de síndrome hepatorrenal, o tratamento definitivo é o transplante de fígado.
III - Nos pacientes com IRA pós-renal, o local da obstrução é que define a abordagem terapêutica.
IV - A utilização de bicarbonato de sódio para alcalinizar a urina pode ser acompanhada de hipercalcemia.
Estão corretas:
a) I, II
b) III, IV
c) I, II, III
d) II, III, IV
e) I, II, III, IV
RESPOSTAS
Questão 1. O atestado de óbito deve constar a causa-base, definida como a doença ou lesão que iniciou a
cadeia de acontecimentos patológicos que conduziram diretamente à morte. Divide-se em 2 partes:
- Parte I causas de morte:
Tradicionalmente, as estatísticas de mortalidade segundo causas de morte são produzidas atribuindo-se ao
óbito uma causa, chamada causa-base. Esta tem de ser declarada na última linha da parte I, enquanto as
causas consequenciais, caso haja, devem ser declaradas nas linhas anteriores. É fundamental que, na última
linha, o médico declare corretamente a causa-base para que se tenham dados confiáveis e comparáveis sobre
mortalidade segundo a causa-base ou primária, de forma a permitir que se trace o perfil epidemiológico da
população. Nesse caso, foi o choque séptico devido à infecção do trato urinário .
- Parte II:
Nessa parte, deve ser registrada qualquer doença ou lesão que, a juízo médico, tenha influído
desfavoravelmente, contribuindo para a morte, não relacionada com o estado patológico que conduziu
diretamente ao óbito. As causas registradas nessa parte são denominadas contribuintes no caso,
insuficiência renal aguda e diabetes mellitus.
Gabarito = D
Questão 2. Analisando as afirmativas:
a) Correta. As infecções são as causas mais frequentes de complicações nos pacientes com Insuficiência Renal
Aguda (IRA), principalmente nos casos de pós-operatório. São, também, as causas mais frequentes de óbito.
b) Incorreta. O uso de cocaína pode prejudicar a f unção renal por uma variedade de mecanismos. A
rabdomiólise induzida pela cocaína é uma causa significativa de IRA. Além disso, o uso de cocaína por
hipertensos aumenta o declínio da função renal e acelera a progressão da nefrosclerose hipertensiva para a
doença renal em estágio terminal. o s que fazem uso da ciclosporina podem ter nefrotoxicidade manifestada
por azotemia aguda, além de disfunção tubular e, raramente, síndrome hemolítico -urêmica.
c) Incorreta. A o ligúria (tipicamente definida como <0,3mL /kg por hora ou <500mL/dia de diurese) pode ou
não ocorrer na IRA. A produção normal de urina pode ser mantida m esmo com TFG anormalmente baixa
naqueles com necrose tubular aguda não oligúrica. O prognóstico da forma não oligúrica é geralm ente melhor
do que o da doença oligúrica ou anúrica, porém o há tempo para a melhora da oligúria, pois isso depende
da etiologia da IRA, da condição do paciente e do estado dele.
d) Incorreta. Não podemos esquecer a tabela que diferencia a IRA pré -renal da renal; é muito importante e
utilizada e demonstra que a alternativa “d” está incorreta, pois o sódio urinário geralmente é baixo .
Índice
IRA pré-renal
Necrose tubular aguda
Sedimento urinário
Cilindros hialinos
Anormal
Densidade urinária
>1.020
~1.010
Osmolaridade urinária
>500mOsm
<350mOsm
Sódio urinário
<20mEq/L
>40mEq/L
Relação Ur/Cr plasmática
>40
20 a 30
Excreção fracional de sódio (%)
<1
>2
Observação: particularidades na interpretação dos índices: (a) nenhum deles é completamente sensível ou
específico na diferenciação de IRA pré-renal e necrose tubular aguda; (b) existe um contínuo entre as 2
situações, e os índices foram estabelecidos em pacientes com condições bem determinadas, havendo área
de imprecisão; (c) Ur/Cr, relação ureia/creatinina.
Gabarito = A
Questão 3. As indicações de diálise de urgência, em pacientes com lesão renal aguda, são:
- Sobrecarga hídrica refratária;
- Hipercalemia (concentração plasmática de potássio >6,5mEq/L) ou aumento rápido dos níveis de po tássio;
- Sinais de uremia, como pericardite, encefalopatia ou um declínio inexplicável do estado mental;
- Acidose metabólica grave (pH <7,1);
- Certas intoxicações por álcool e drogas.
Analisando as alternativas:
a) Correta. O paciente com edema agudo de pulmão na fase oligúrica da insuficiência renal vai provocar uma
sobrecarga hídrica refratária, sendo necessária a diálise de urgência.
b) Incorreta. Os níveis altos de ureia não são indicativos de terapia renal substitutiva, apenas se acompanhados
por sinais de uremia.
c) Incorreta. Os níveis altos de creatinina também não indicam diálise.
d) Incorreta. A acidose metabólica é uma indicação de diálise, porém apenas quando seu pH é inferior a 7,1.
e) Incorreta. A hipercalemia grave é refratária às medidas clínicas ou com níveis superiores a 6,5.
Gabarito = A
Questão 4. As indicações de diálise de urgência são:
- Sobrecarga hídrica;
- Hipercalemia (potássio sérico >5,5mEq/L) ou de potássio sérico aumentando rapidamente;
- Sinais de uremia, como pericardite, ou uma queda inexplicável no estado mental;
- Acidose metabólica grave (pH <7,1).
Analisando as alternativas:
a) Incorreta. Os níveis de ureia não indicam diálise.
c) Correta. Após o conhecimento das indicações de diálise de urgência, a alternativa que se encaixa é a “c”.
b) e d) Incorretas. O volume urinário é usado para a definição da insuficiência renal aguda, po m não é
determinante na indicação de diálise.
Gabarito = C
Questão 5. Analisando as afirmativas:
I - Correta. Na rabdomiólise, o objetivo primário do tratamento consiste na prevenção de fatores que causam
a IRA, isto é, depleção de volume, obstrução tubular, ac idúria e liberação de radicais livres. Logo, a obtenção
de fluxo urinário co nstante com a administração adequada de fluidos é o mais importante. O sequestro de
líquidos pelo músculo lesado po de resultar em hipovolemia, que deve ser prevenida pela administr ação
agressiva de fluidos intravenosos. O volume de fluidos necessário pode chegar a 10 a 14L/dia ou mais.
II - Correta. Nos casos de síndrome hepatorrenal, o tratamento de escolha é o transplante hepático, a única
medida que corrige a alteração inicial de alteração microcirculatória desses pacientes.
III - Correta. O tratamento da IRA pós-renal consiste em um procedimento desobstrutivo adequado, o qual
deve ser realizado rapidamente. A IRA é, em geral, prontamente reversível quando a desobstrução é feita em
horas a poucos dias. Entretanto, obstruções prolongadas, de semanas a meses, podem determinar lesão
crônica, de caráter irreversível. O local da obstrução define a abordagem terapêutica.
IV - Incorreta. O uso de bicarbonato é uma das medidas para o c ombate da rabdomiólise, porém pode
ocorrer quando não há hipocalcemia severa.
Gabarito = C