A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
82 pág.
Capítulo 7   Sistemas de Reação II   Condições Operacionais

Pré-visualização | Página 6 de 11

C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.1 Sistema Unirreacional Endotérmico
A Figura ao lado mostra como a conversão de equilíbrio pode
ser aumentada dividindo a reação em estágios e reaquecendo
entre estágios. Evidentemente, a conversão de equilíbrio
também poderia ter sido aumentada ao operar o reator de
forma não adiabática e adicionar calor à medida que a reação
prossegue de modo a maximizar a conversão dentro das
restrições de transferência de calor, materiais de construção,
vida do catalisador, segurança e assim por diante.
39
Exemplo: Operação Adiabática – Produção de Estireno
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.1 Sistema Unirreacional Endotérmico
40
Exemplo: Operação Adiabática – Produção de Estireno
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.1 Sistema Unirreacional Endotérmico
41
Reação 
Adiabática
550 – 530 °C
~50%
Reação 
Adiabática
566,6 – 504,3 °C
~40%
Aquecimento
504,3 – 550 °C
Exemplo: Operação Adiabática – Produção de Estireno
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.1 Sistema Unirreacional Endotérmico
42
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.2 Sistema Unirreacional Exotérmico
Para sistemas unirreacionais exotérmicos irreversíveis a temperatura deve ser ajustada a mais alta possível,
consistente com materiais de construção, vida e segurança do catalisador, para minimizar o volume do reator. Para
reações exotérmicas reversíveis, a situação é mais complexa. A Figura abaixo mostra o comportamento da conversão
de equilíbrio de uma reação exotérmica como relação à temperatura. Se o reator for operado de forma adiabática,
então para uma temperatura de partida dada a temperatura sistema reacional aumenta com a conversão do reator
até a conversão de equilíbrio na temperatura TE.
A Figura abaixo mostra que a conversão de
equilíbrio pode ser aumentada dividindo a reação
em estágios e resfriando os reagentes entre
estágios. Em vez de operação adiabática, a
conversão de equilíbrio também poderia ter sido
aumentada ao operar o reator de forma não
adiabática e remover o calor à medida que a
reação prossegue de modo a aumentar a
conversão.
43
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.2 Sistema Unirreacional Exotérmico
❑ Se uma reação exotérmica é reversível o princípio de Le Chatelier diz que a operação a baixa temperatura
aumenta a conversão.
❑ No entanto, a operação a baixa temperatura diminui a taxa de reação, aumentando assim o volume do reactor.
❑ Então, idealmente, quando longe do equilíbrio, é vantajoso usar uma temperatura elevada para aumentar a
taxa de reação.
❑ À medida que o equilíbrio é avizinhado, a temperatura deve ser reduzida para aumentar a conversão da
reação.
❑ Para reações exotérmicas reversíveis, à medida que a conversão aumenta a temperatura da reação deve
diminuir.
44
Para reações múltiplas como vimos anteriormente, o objetivo primário é maximizar a seletividade ou o
rendimento da reação e a questão do volume do reator fica em segundo plano.
7.3 Temperatura do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
7.3.2 Sistema Multirreacional
FEED ➔ PRODUCT Reação Primária
 
r
1
= k
1
C
FEED
a
1
FEED ➔ BYPRODUCT Reação Secundária
 
r
2
= k
2
C
FEED
a
2
FEED ➔ PRODUCT Reação Primária r1 = k1CFEED
a
1
PRODUCT ➔ BYPRODUCT Reação Secundária r2 = k2CPRODUCT
a
3
As taxas de reação para as reações primárias e secundárias mudam com a temperatura, uma vez que as
constantes de velocidade de reação k1 e k2 aumentam com o aumento da temperatura. A taxa de mudança com a
temperatura pode ser significativamente diferente para as reações primárias e secundárias se:
• Se o k1 aumenta mais rápido do que o k2, opere a alta temperatura (mas cuidado com a segurança, catalisador
e materiais - restrições de construção).
• Se o k2 aumentar mais rápido do que o k1, opere a baixa temperatura (mas cuidado com o custo de capital, 
uma vez que a baixa temperatura, embora o aumento da seletividade, também aumenta o tamanho do reator). 
Aqui há um trade-off econômico entre a redução pela formação do produto e o aumento do custo de capital.
45
7.4 Pressão do Reator
P
ro
f.
 H
u
m
b
e
rt
o
 M
o
li
n
a
r 
H
e
n
ri
q
u
e
 
(h
u
m
b
e
rt
o
@
u
fu
.b
r)
 
S
is
te
m
a
s
 d
e
 R
e
a
ç
ã
o
 I
I 
C
o
n
d
iç
õ
e
s
 O
p
e
ra
c
io
n
a
is
Capítulo 7: Sistemas de Reação II – Condições Operacionais
Para reações reversíveis a pressão pode ter um efeito significativo na conversão de equilíbrio. Embora a constante
de equilíbrio seja apenas uma função de temperatura e não função da pressão, a conversão de equilíbrio pode ser
influenciada pela mudança das atividades (fugacidades) dos reagentes e dos produtos.
Exemplo: Analise o efeito da pressão na conversão de equilíbrio do hidrogênio na reação de produção de amônia
(NH3) para uma temperatura de 700 K e para pressões de 1 bar, 10 bar, 100 bar e 300 bar. Assumir idealidade.
 
K
a
=
y
S
sy
T
t
y
B
by
C
c
...





 P
n
 
K
a
=
y
NH
3
2
y
H
2
3 y
N
2








P−2
➔ ➔
➔
➔
46
Exemplo: Analise o efeito da pressão na conversão de equilíbrio do hidrogênio do exemplo anterior para uma
temperatura de 700 K e para pressões de 1 bar, 10 bar, 100 bar e 300 bar. Considerar não idealidade.
 
K
a
=

NH
3
2

H
2
3 
N
2








y
NH
3
2
y
H
2
3 y
N
2








P−2
 
K
a
=


Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.