LEI DE DROGAS - RESUMO DO PREPARATÓRIO CEP-CONCURSOS (EDITADO)
3 pág.

LEI DE DROGAS - RESUMO DO PREPARATÓRIO CEP-CONCURSOS (EDITADO)


DisciplinaDireito Penal III7.181 materiais58.469 seguidores
Pré-visualização2 páginas
LEI DE DROGAS (LEI 11.343/06)
RESUMO DO PREPARATÓRIO CEP-CONCURSOS (EDITADO) 
\u2022 O que se entende por drogas? De acordo com a Lei de Drogas em vigor entende-se por drogas aquelas substâncias ou produtos capazes de causar dependência, assim especificados em lei ou relacionados em listas atualizadas periodicamente pelo Poder Executivo da União. Conforme o art. 66 da Lei n. 11.343/06, ampliou-se o rol de substâncias abarcadas pela criminalidade de tóxicos, incluindo-se aquelas sob controle especial.
\u2022 Nos crimes hediondos a liberdade provisória é cabível? Cabe liberdade provisória nos crimes hediondos, na prática da tortura, no tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins e no terrorismo (os assemelhados).
\u2022 Ocorreu descriminalização no artigo 28? É fato que não houve descriminalização da conduta, mas houve o intuito de despenalização e de educação do usuário de drogas.
\u2022 Quais são os critérios para a decisão do juiz para consumo ou tráfico? O juiz deverá atentar, para decidir-se ou pelo consumo ou pelo tráfico, aos seguintes tópicos: a) natureza e quantidade da substância; b) local e condições em que se desenvolveu a ação; c) circunstâncias sociais e pessoais; d) conduta e antecedentes do agente.
\u2022 O usuário pode ser preso em caso de flagrante? Não se imporá prisão em flagrante para o usuário, devendo o autor do fato criminoso ser imediatamente encaminhado ao juízo competente ou, na falta deste, assumir o compromisso de a ele comparecer, lavrando-se termo circunstanciado e providenciando-se as requisições dos exames e perícias necessários.
\u2022 Qual é a pena mais alta na lei de drogas? A pena mais alta refere-se ao crime de financiar. Caso o autor seja somente financiador do tráfico, aplica-se a pena do Art. 36 (reclusão, de 8 a 20 anos, e pagamento de 1.500 a 4.000 dias-multa). Se for financiador e traficante, responderá por tráfico mais a agravante do art. 40, inc. VII (pena de 5 a 15 anos, aumentada de 1 sexto a 2 terços).
\u2022 Está previsto na Lei 11.343 (lei de drogas) a delação premiada? É prevista a delação premiada na lei de drogas.
\u2022 Se o agente descumprir pena aplicada relativa ao crime de drogas cometido? No caso de descumprimento da transação ou da(s) pena(s) aplicada(s), o juiz admoestará verbalmente o usuário e, se for necessário, aplicará pena de multa entre 40 a 100 dias-multa, no valor de um 30 avos até 3 vezes o maior salário mínimo.
\u2022 Atenção!!!! Usar droga é crime? Não, o crime NÃO é usar droga ilícita, mas SIM adquiri-la, guardá-la, mantê-la em depósito, transportá-la ou trazê-la consigo para consumo pessoal. Assim, não se pune o consumo em si da droga.
\u2022 A apreensão da droga é facultativa ou obrigatória? No crime de posse ilícita de drogas para consumo pessoal, a apreensão da droga (objeto material) é obrigatória.
\u2022 Atenção!!!!! A finalidade de obter lucro é necessária para configurar tráfico? O tipo penal do tráfico não exige como elementar a finalidade de lucro ou de obter vantagem econômica. Poderá haver o crime de tráfico ainda que não exista o fim lucrativo por parte do agente delitivo.
\u2022 Importantíssimo!!! A conduta de \u201cinduzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de droga\u201d e a conduta de \u201coferecer droga, eventualmente e sem objetivo de lucro, a pessoa de seu relacionamento, para juntos a consumirem\u201d configura tráfico? Com as alterações surgidas com a Nova Lei de Drogas, foram criadas duas figuras penais que, na lei anterior (6.368/76), caracterizavam crime de tráfico. Porém, na atual Lei de Drogas (11.343/2006), não configuram tráfico. A primeira é a conduta de \u201cinduzir, instigar ou auxiliar alguém ao uso indevido de droga\u201d. A segunda é a conduta de \u201coferecer droga, eventualmente e sem objetivo de lucro, a pessoa de seu relacionamento, para juntos a consumirem\u201d. Nessas duas hipóteses (exceções), não haverá crime de tráfico.
\u2022 Pessoa que, a pedido do amigo, transporta uma encomenda não sabendo que a mesma é droga, e o estrangeiro holandês de férias no Brasil que imagina ser lícito fumar maconha responde por crime de tráfico de drogas? Não, porque as figuras do erro de tipo (primeiro caso) e do erro de proibição (segundo caso) são plenamente possíveis nesses crimes, exigindo-se a prova cabível para a sua verificação.
\u2022 No caso de um grupo de traficantes que formaram uma quadrilha ou bando para exercerem suas atividades, já tendo iniciado os atos executórios do crime de tráfico, deverão responder pelo crime de tráfico, pelo crime de associação para tráfico ou ambos em concurso de crimes? Eles respondem por dois crimes em concurso material: tráfico ilícito de drogas e associação para o tráfico (artigos 33 ou 34 em concurso com o artigo 35 da Nova Lei de Drogas). Pois é plenamente possível o concurso de crimes do art. 33 (tráfico) com o art. 35 (associação para o tráfico).
\u2022 Na caracterização do delito de associação para o tráfico, é importante demonstrar que a associação de pessoas continha um ajuste prévio e duradouro? Sim, afastando-se, portanto, da mera reunião ocasional de co-autores para a prática de determinado crime de tráfico ilícito de entorpecentes. A ausência do animus associativo afasta a incidência do art. 35 da Lei, tratando-se de mera co-autoria.
\u2022 Questão recorrente!!! Como o informante que colabora para o tráfico de drogas é responsabilizado? Pelo crime de tráfico de drogas? O crime de colaboração com o tráfico (art. 37) não constitui tráfico ilícito de drogas. O informante, na Nova Lei de Drogas, é responsabilizado num tipo penal autônomo.
\u2022 Existe crime de drogas na forma culposa? Qual seria esse crime? Em regra os crimes de drogas são dolosos, a única figura culposa descrita na Nova Lei de Drogas é o crime de prescrever ou ministrar (art. 38), culposamente, drogas, sem que delas necessite o paciente, ou fazê-lo em doses excessivas ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar. Além disso, os núcleos \u201cprescrever\u201d ou \u201cministrar\u201d, para caracterizar o presente delito, devem ocorrer culposamente. Assim, se as condutas forem eminentemente dolosas, o agente delitivo deverá responder por crime de tráfico de drogas.
\u2022 Qual é uma das inovações jurídicas da Nova Lei de Drogas acerca do artigo 28? Foi abolir as penas privativas de liberdade para o crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal (art. 28). Não existe mais possibilidade alguma de prisão para aquele agente que adquire, traz consigo, guarda, tem em depósito ou transporta droga para consumo pessoal. As penas cominadas são exclusivamente restritivas de direitos.
\u2022 Semear, cultivar ou colher plantas para a preparação ou produção de drogas caracteriza crime de tráfico? Sim, contudo, se for para o consumo pessoal do agente e em pequena quantidade, não será tráfico, e sim o crime de §1.º, do art. 28.
\u2022 Todos os delitos, estejam ou não submetidos a procedimento especial, cuja pena máxima não ultrapasse 2 anos de prisão estão sujeitos à Lei 9.099/95. Com a redação da Nova Lei, o crime de posse ilegal de drogas para consumo pessoal tornou-se crime de menor potencial ofensivo.
\u2022 Encontrado portando a droga ilegal, o agente infrator pode ser preso? Em hipótese alguma será cabível prisão para o caso de posse ilegal de drogas para consumo pessoal, nem mesmo prisão em flagrante. Encontrado portando a droga, o criminoso será encaminhado para a Delegacia, ouvido e posto em liberdade, após assinar o termo de compromisso de comparecer à audiência preliminar. E mesmo que não aceite prestar termo de compromisso, ainda assim, não poderá ser preso.
\u2022 Quais são os critérios para determinar se a droga se destina ao consumo pessoal do agente? Ao todo, são oito critérios levados em consideração para aferir se a droga se destina ao consumo pessoal do agente. São eles: Natureza da droga; Quantidade; Local da apreensão; Desenvolvimento da ação; Circunstâncias sociais; Circunstâncias pessoais; Conduta; Antecedentes do agente.
\u2022 A Lei nº 11.343/2006, que revogou expressamente a Lei n.º 6.368/1976, ao definir novos crimes e penas, não previu a incidência de majorante na hipótese de associação
Ebenézer
Ebenézer fez um comentário
Parabéns. Só complementando, no Art. 35 (associação para o tráfico de drogas) a mera reunião ocasional de co-autores para a prática de algum crime de tráfico já é passível de punição, prescinde de reiteração. A associação duradoura em que a prática precisa necessariamente ser reiterada (e não ocasional) é no Art. 36 (financiamento ou custeio do tráfico). Vlw!!... Veja mais
0 aprovações
Edileia
Edileia fez um comentário
Parabéns, excelente resumo para estudo e compreensão!!!!
1 aprovações
Carregar mais