DIREITO DAS OBRIGAÇÕES
20 pág.

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES


DisciplinaDireito Civil I66.636 materiais720.612 seguidores
Pré-visualização8 páginas
das prestações, na sua totalidade> art. 252 § 1º Não pode o devedor obrigar o credor a receber parte em uma prestação e parte em outra isso se deve ao fato de os objetos das prestações serem independentes entre si
Ex> Se há 2 alternativas: \u201cfazer a reforma da garagem\u201d ou \u201cpagar 1.000\u201d, deve-se cumprir uma delas, na sua totalidade.
Se há danos a ambos os objetos, salvando-se parte de um e parte de outro, e a escolha cabe ao credor: o credor pede o cumprimento de um dos objetos, com a complementação de uma indenização.
- § 2º Quando a obrigação for de prestações periódicas, a faculdade de opção poderá ser exercida em cada período.
Ex> Pagar a mensalidade da faculdade: \u201c1.000 a cada mês\u201d ou \u201c12.000 ao final de cada ano\u201d Como o período é de 1 ano e a obrigação é de 5 anos, a cada ano (período em que ocorrerá o pagamento), poderá o devedor optar diversamente.
- § 3º No caso de pluralidade de optantes, não havendo acordo unânime entre eles para a escolha da prestação, decidirá o juiz, findo o prazo por este assinado para a deliberação.
- § 4º Se o título deferir a opção a 3°, e este (1) não quiser, ou (2) não puder exercê-la (morreu, sofreu acidente), a escolha caberá ao credor e devedor. Caso não haja concordância, a escolha caberá ao juiz.
a.2) IMPOSSIBILIDADE DA PRESTAÇÃO
- Aqui se distinguem 2 hipóteses:
1) Impossibilidade de alguma(s) da(s) prestação(ões)
Ex> Se uma das prestações era de pintar a garagem mas houve um terremoto e não existe + garagem 
1°) Observar se há culpa ou não do devedor (\u201co devedor foi responsável pela impossibilidade?\u201d) \u2013 art. 253
- se há culpa: perdas e danos
- se não há culpa: normalmente extinguiria a obrigação mas neste caso NÃO extingue porque a obrigação ainda pode ser cumprida através da prestação que subsiste Art. 253: Se uma das duas prestações não puder ser objeto de obrigação ou se tornada inexeqüível, subsistirá o débito quanto à outra
2°) Observar a quem cabia a escolha:
a) Se a escolha cabia ao devedor, não será relevante o fato de ter havido culpa dele ou não, pois restará a outra obrigação. Diz-se que houve uma \u201cescolha ou concentração ficta\u201d, isto é, presume-se que a escolha do devedor foi pela prestação que restou. Não há possibilidade de requerer perdas e danos (é, portanto, exceção, pois a regra é que o devedor arque com perdas e danos, caso tenha culpa)
b) Se a escolha não competia ao devedor e este agiu com culpa na impossibilidade da prestação: o credor tem a opção de (art. 255):
escolher a prestação subsistente (a que persiste) ou
exigir o valor da opção que se tornou impossível + perdas e danos 
As persas e danos são exigíveis se, por ex, o cavalo que iria ser entregue morreu por não ter sido alimentado pelo devedor, e o credor iria aferir lucros com outro contrato de promessa de compra e venda
2) Impossibilidade de todas as prestações
a) Se não há culpa do devedor: extingue-se a prestação (art. 256)
b) Se há culpa: verificar tb a quem caberia a escolha:
- se era do devedor: o devedor pagará o valor relativo à última prestação que se impossibilitou + perdas e danos (art. 254)
Ex> 3 prestações alternativas: X, Y e W que se impossibilitaram sucessivamente, sendo a prestação W a última que subsistiu o devedor paga o valor relativo à prestação W + perdas e danos
- se era do credor (art. 255): pode exigir o valor de qq uma das prestações + perdas e danos
b) OBRIGAÇÃO CUMULATIVA
- Tem no seu objeto várias prestações, sendo que a partícula que a caracteriza é e
Ex> Pagar 1.000 e fazer um armário A obrigação não se cumpre só com uma das parcelas
- Como não existe disciplina própria, aplica-se a disciplina de cada uma das obrigações que compõe o seu objeto. No exemplo dado, é a disciplina legal da obrigação de dar coisa incerta e fazer.
c) OBRIGAÇÃO FACULTATIVA
- Já nasce com objeto determinado (a escolha já foi feita) mas há a faculdade do devedor cumprir prestação diversa.
	Obrigação facultativa
	Obrigação alternativa
	- A obrigação já é constituída com uma opção (a prestação já está definida), já há uma determinabilidade do objeto
	- Não há uma determinabilidade do objeto \u2013 a definição só ocorre após a escolha da obrigação.
	- A faculdade é do devedor
	- A escolha pode ser feita não só pelo devedor, mas também pelo credor ou 3°
2. CLASSIFICAÇÃO \u2013 QUANTO À PLURALIDADE DE SUJEITO
2.1. QUANTO À DIVISIBILIDADE
a) OBRIGAÇÃO DIVISÍVEL
- Será divisível se o objeto da obrigação for divisível
- Regra: divisibilidade da obrigação \u2013 isto é: cada credor só recebe parte do débito e cad devedor só se obriga com a sua parte igual do débito
 Art. 257. Havendo mais de um devedor ou mais de um credor em obrigação divisível, esta presume-se dividida em tantas obrigações, iguais e distintas, quantos os credores ou devedores.
- Exceção: a indivisibilidade e solidariedade da obrigação
I) Pluralidade de credores> regra: divisão = entre os credores
- Se o devedor paga equivocadamente a mais para um dos credores e a menos para outro, terá que desembolsar a mais para cobrir sua dívida com este
II) Pluralidade de devedores> regra: divisibilidade da obrigação \u2013 o credor só pode exigir de cada devedor, prestações iguais
b) OBRIGAÇÃO INDIVISÍVEL
- São aquelas cuja prestação tem por objeto uma coisa /fato indivisível (art. 258), pelos seguintes motivos: (a) por sua natureza, (b) por motivo de ordem econômica, ou dada (3) a razão determinante do negócio jurídico.
- A obrigação indivisível pode ser tanto de coisas como de fatos:
- coisa: observar se a coisa é divisível
- prestação de fatos: normalmente não pode ser fracionada. Ex> Obrigação de fazer um quadro Mas poderá ser em alguns casos, por ex, prestação de serviços (posse fazer um serviço para Ana em uma parte do mês, e para Bia na outra parte do mês)
- Art. 258: prevê várias causas de indivisibilidade 
b.1) EFEITOS DA INDIVISIBILIDADE DA PRESTAÇÃO
- Há 2 hipóteses:
a) Pluralidade de devedores
- Principal efeito: cada devedor será obrigado pela dívida toda Art. 259: Se, havendo 2 ou + devedores, a prestação for indivisível, cada um será obrigado pela dívida toda.
- Ex> Havendo os devedores A, B, C e o devedor D Se os devedores B e C não pagam, poderá D exigir de A o pagamento da dívida em sua integralidade, ainda que ele só deva uma parte. Diz-se, com isso, que o devedor que paga a dívida toda se sub-roga nos direitos do credor Quer dizer, A pode exigir de B e C o ressarcimento.
Parágrafo único. O devedor, que paga a dívida, sub-roga-se no direito do credor em relação aos outros coobrigados.
b) Pluralidade de credores
- Ex> Havendo os credores A, B, C e o devedor D
1) Se D for demandado por B e C a entregar a dívida (por ex, um cavalo), ele será obrigado a entregar.
2) Para se resguardar, deverá exigir de A um documento no qual conste a concordância de que o pagamento se faça a um só deles (caução de ratificação) 
 Art. 260. Se a pluralidade for dos credores, poderá cada um destes exigir a dívida inteira; mas o devedor ou devedores se desobrigarão, pagando:
I - a todos conjuntamente;
II - a um, dando este caução de ratificação dos outros credores.
3) Se não fizer isso e A não receber o cavalo, A poderá exigir em juízo o pagamento (D não terá se eximido da obrigação). O pagamento poderá se feito em $ (art. 261).
 Art. 261. Se um só dos credores receber a prestação por inteiro, a cada um dos outros assistirá o direito de exigir dele em dinheiro a parte que lhe caiba no total.
- Obs> Formas de extinção de obrigação em que não ocorre o pagamento:
a) Remissão: o credor perdoa a dívida
b) Transação: a extinção se dá por meio de acordos recíprocos
c) Novação: extinção por meio da inovação em alguns dos elementos da obrigação (por ex, alteração no sujeito, no objeto)
d) Compensação: as partes obrigadas são reciprocamente devedor e credor
e) Confusão: o credor e o devedor passam a ser a mesma pessoa
 Ex> José é credor de Maria e concede seu crédito a ela
- Remissão de dívida por um dos credores> Art. 262. Se um dos credores remitir a dívida, a obrigação não ficará extinta para com os outros;
Pâmela
Pâmela fez um comentário
Voce aconselha estudar por essa resumo?
0 aprovações
Carregar mais