LIVRO Estatistica Basica Para Ciências Agrárias
359 pág.

LIVRO Estatistica Basica Para Ciências Agrárias


DisciplinaBioestatística I3.605 materiais30.308 seguidores
Pré-visualização50 páginas
dificuldade na ana´lise
estat´\u131stica e, ate´ mesmo, invalidar os resultados do experimento.
Neste experimento, os tratamentos foram atribu´\u131dos a`s unidades experimentais da seguinte
forma. Primeiramente foram formados cinco blocos, onde cada bloco e´ constitu´\u131do de 4
unidades experimentais (pois temos 4 tratamentos); como cada unidade experimental tem
8 plantas, enta\u2dco, um bloco tem 32 plantas. Os blocos esta\u2dco controlando as diferenc¸as de
dia\u2c6metros entre as plantas, assim, o bloco I e´ formado por 32 plantas com dia\u2c6metros entre
10 e 13 cm (exclusive); o bloco II e´ formado por 32 plantas com dia\u2c6metros entre 13 e 16 cm
(exclusive); o bloco III e´ formado por 32 plantas com dia\u2c6metros entre 16 e 19 cm (exclusive);
o bloco IV e´ formado por 32 plantas com dia\u2c6metros entre 19 e 22 cm (exclusive) e o bloco V
e´ formado por 32 plantas com dia\u2c6metros superiores a 22 cm. Portanto, cada tratamento sera´
repetido 5 vezes, uma em cada bloco. Dentro de cada bloco houve o sorteio (aleatorizac¸a\u2dco)
de qual unidade recebera´ o tratamento 1, qual recebera´ o tratamento 2, e assim por diante.
Este delineamento experimental e´ denominado de blocos completos ao acaso.
9) Coleta dos dados. Aqui sa\u2dco feitas as medidas das varia´veis estabelecidas pelo pesquisador.
As varia´veis, logicamente, devem avaliar diretamente os efeitos dos tratamentos de acordo
com objetivos do experimento. Tambe´m podem ser coletadas varia´veis complementares, que
sera\u2dco u´teis para explicar o comportamento dos tratamentos.
10) Ana´lise estat´\u131stica dos resultados. O objetivo da ana´lise estat´\u131stica e´ verificar as
hipo´teses formuladas no in´\u131cio da pesquisa cient´\u131fica. Por exemplo, comparar as me´dias de
produc¸a\u2dco de massa foliar obtidas com cada uma das alturas de decepa, ou, estabelecer uma
relac¸a\u2dco funcional entre a produc¸a\u2dco de massa foliar e a altura de decepa das plantas.
Existem excelentes softwares estat´\u131sticos para realizar as ana´lises. A ana´lise de res´\u131duos
e´ uma importante te´cnica para verificar, por exemplo, se o modelo e´ adequado.
11) Relato´rio final (publicac¸a\u2dco). Apresentar tabelas e gra´ficos de forma a mostrar os
efeitos esperados, comparar os resultados obtidos com os objetivos do experimento para
verificar se as questo\u2dces propostas foram respondidas. Apresentar medidas de precisa\u2dco das
estimativas. Se poss´\u131vel, fazer refere\u2c6ncias a outras pesquisas similares e uma avaliac¸a\u2dco de
todas as etapas com sugesto\u2dces para poss´\u131veis alterac¸o\u2dces em pesquisas futuras.
A experimentac¸a\u2dco e´ uma importante fase do processo de aprendizagem, onde no´s formu-
17
lamos hipo´teses, realizamos o experimento para pesquisar sobre essas hipo´teses e, de acordo
com os resultados, formulamos novas hipo´teses, e assim sucessivamente. Isto sugere que a
experimentac¸a\u2dco e´ iterativa.
Projeto 2 - Ana´lise de Alguns Aspectos da Dina\u2c6mica de Populac¸o\u2dces de Duas
Amostras de Biomphalaria tenagophila Submetidas a Diferentes Concentrac¸o\u2dces de
Mate´ria Orga\u2c6nica no Meio.
1) Identificac¸a\u2dco do problema. A importa\u2c6ncia do gene\u2c6ro Biomphalaria no contexto da
sau´de pu´blica brasileira deve-se ao fato de que dentre as 19 espe´cies que constituem este
gene\u2c6ro, dez delas sa\u2dco encontradas no Brasil, sendo que tre\u2c6s sa\u2dco hospedeiras intermedia´rias
do Schistosoma mansoni, causador da esquistossomose mansoni, um dos mais importantes
problemas de sau´de pu´blica em muitos pa´\u131ses tropicais e subtropicais. Sua ocorre\u2c6ncia e´ acen-
tuada entre populac¸o\u2dces carentes de alguns pa´\u131ses subdesenvolvidos. Segundo a Organizac¸a\u2dco
Mundial da Sau´de, sa\u2dco estimados 200 milho\u2dces de pessoas como tendo sido contaminadas
pelo S. mansoni, enquanto, outros 500 a 600 milho\u2dces correm o risco de contra´\u131-la. As tre\u2c6s
espe´cies hospedeiras sa\u2dco: B. straminea; B. glabrata e B. tenagophila.
No Brasil, estima-se em 5,5 milho\u2dces de pessoas infectadas, isto parece ser uma subesti-
mativa, pois o Instituto de Medicina Tropical (IMT), da Faculdade de Medicina da USP,
estimou em 10 milho\u2dces o nu´mero de pessoas infectadas.
Em Santa Catarina, o primeiro foco de transmissa\u2dco ocorreu em Sa\u2dco Francisco do Sul,
atrave´s da B. tenagophila. Hoje, tem-se registro de B. tenagophila em 26 munic´\u131pios do
nordeste do Estado.
Na Ilha de Santa Catarina, pesquisadores obtiveram registros de B. tenagophila, B.
oligoza e Drepanotrema sp, em 8 pontos estrate´gicos.
Em conseque\u2c6ncia da alta endemicidade da esquistossomose no pa´\u131s, a distribuic¸a\u2dco dos
planorb´\u131deos vem sofrendo constantes investigac¸o\u2dces, sendo que especial atenc¸a\u2dco tem sido
dada, ainda, ao controle da expansa\u2dco das espe´cies vetoras, apesar que a a´rea ocupada por
cada uma das espe´cies vetoras do S. mansoni, esta´ aumentando.
O gene\u2c6ro Biomphalaria apresenta uma grande tolera\u2c6ncia a diferentes condic¸o\u2dces ecolo´gicas,
isto permitiu sua ampla distribuic¸a\u2dco geogra´fica. Muitos autores analisaram o comportamento
reprodutivo e crescimento em func¸a\u2dco de uma se´rie de varia´veis, sendo que os efeitos de
temperatura, tipo ou ause\u2c6ncia de alimentac¸a\u2dco, influe\u2c6ncia do fotoperiodismo e densidade
populacional sa\u2dco alguns que receberam maior atenc¸a\u2dco.
As condic¸o\u2dces do meio exigidas pelas biomfala´rias para colonizar um ambiente, sa\u2dco:
riquezas de microflora e mate´ria orga\u2c6nica, pouca turbidez, boa insolac¸a\u2dco, pH em torno de
18
6 a 8, teor de NaCl abaixo de 3 por 1000 e temperatura me´dia entre 20\u25e6C e 25\u25e6C. Cabe
aqui ressaltar, todavia, que as bionfala´rias suportam modificac¸o\u2dces considera´veis nas carac-
ter´\u131sticas f´\u131sicas, qu´\u131micas e biolo´gicas de seus ambientes, podendo, inclusive, utizar-se da
estivac¸a\u2dco como uma estrate´gia para suportar a adversidade do meio.
Sabendo-se que os representantes do ge\u2c6nero Biomphalaria sa\u2dco constantementes encon-
trados em grande variedades de colec¸o\u2dces de a´gua doce, paradas ou pouco correntes, natural
ou articialmente alagadas, que um u´nico espe´cime e´ capaz de produzir, por autofecundac¸a\u2dco,
uma populac¸a\u2dco de numerosos indiv´\u131duos e que B. tenagophila esta´ em prova´vel extensa\u2dco em
Santa Catarina, torna-se importante estudar os fatores bio´ticos e abio´ticos que interferem
na biologia, distribuic¸a\u2dco e adaptac¸a\u2dco aos ambientes por eles explorados. Assim sendo, o
objetivo do presente trabalho e´ avaliar crescimento, desempenho reprodutivo, sobrevive\u2c6ncia
e fecundidade de duas amostras de B. tenagophila, considerando-se diferentes condic¸o\u2dces do
meio.
2) Objetivo geral. Determinar o efeito de diferentes condic¸o\u2dces do meio (poluic¸a\u2dco) sobre a
biologia de B. tenagophila.
3) Objetivos espec´\u131ficos:
\u2022 Verificar (estudar) o crescimento de B. tenagophila.
\u2022 Estudar o desempenho reprodutivo da espe´cie.
4) Hipo´tese cient´\u131fica. Num meio com poluic¸a\u2dco, o desenvolvimento biolo´gico da espe´cie
e´ prejudicado.
5) Escolha do fator que deve ser inclu´\u131do no estudo e seus correspondentes n´\u131veis. Nesse
projeto, o fator em estudo e´ poluic¸a\u2dco, tambe´m chamado de varia´vel independente, os difer-
entes n´\u131veis de poluic¸a\u2dco sa\u2dco os tratamentos. Nesse trabalho foram utilizados dois tratamentos,
quais sejam: 1) Sem poluic¸a\u2dco (com troca de a´gua) e 2) com poluic¸a\u2dco (completa a a´gua).
6) Escolha da unidade experimental. Nesse experimento a unidade experimental e´ um
caramujo. Cada unidade experimental e´ formada por um copo de vidro (mini-aqua´rio), com
60 ml de a´gua deionizada, contendo um caramujo.
7) Escolha das varia´veis que sera\u2dco medidas nas unidades experimentais. Algumas varia´veis
avaliadas neste experimento foram: dia\u2c6metro em tre\u2c6s diferentes tempos (nascimento, na 1a
desova e no final do experimento); idade na 1a desova; nu´mero de ovos desenvolvidos; nu´mero
de ovos via´veis; nu´mero de ovos invia´veis; nu´mero total de ovos.
8) Determinac¸a\u2dco das regras e procedimentos pelos