A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
TOMOGRAFIA TOTAL APOSTILA DO CURSO DNA PB

Pré-visualização | Página 1 de 4

O QUE É TOMOGRAFIA?
TOMO = partes: grafia = estudo, ou seja, tomografia é o estudo da anatomia do corpo ou de parte dele (membros, tórax, abdome, crânio, etc) de maneira seccional (como fatias do corpo). A TC foi introduzida na prática médica nos anos 70, revolucionando o diagnóstico médico por imagem, o querendeu a outorga do prêmio Nobel de medicina a Godsfrey Hounsfield e Alan Cormack, idealizadores da TC.
Princípios Físicos: A TC se utiliza dos princípios físicos dos raios-x, descobertos por Roentgen em 1895, incorporando a moderna tecnologia nas fases de detecção de radiação e reconstrução de imagens.
A ESCALA DE HOUNSFIELD
É composta de valores que vão de -1000, passando pelo valor 0 (zero) até +1000. Cada valor é representado como “UH” = Unidades Hounsfield.
OBS: metais, por sua elevada densidade, podem apresentar números além de +1000, como por exemplo: a densidade de projéteis (aproximadamente +2373 UH)
Os materiais que possuem densidade menor que a da água (H2O), assumem valores negativos (-). Por sua vez, os de maior densidade que a água, assumem valores positivos (+) na escala.
Materiais que assumem valores positivos (+), apresentam-se em BRANCO nas imagens de TC;
Materiais que assumem valores negativos (-), apresentam-se em PRETO nas imagens de TC;
Materiais de densidade intermediária (característica de tecidos moles) apresentam-se em TONS de CINZA nas imagens de TC.
OBS: As variações dos tons de cinza ocorrem no sentido de menor densidade para a maior, ou seja, do preto para o branco, de acordo com o aumento da densidade. 
OBS: Algumas substâncias mais fluidas ou líquidas podem aparecer com um sinal semelhante ao sinal de osso por exemplo, devido a sua composição ser de elevada densidade, como é o caso do SANGUE estático, dentro de uma cavidade ou adjacente a um órgão ou meios de contraste como o IODADO.
TERMOS UTILIZADOS EM TC.
Atenuação: é característica que certos tecidos ou materiais apresentam em relação ao raio que os atravessam, ou seja, certos materiais possuem diferentes densidades, que serão interpretados pelos detectores.
Nas estruturas muito densas com os OSSOS, temos uma hiperatenuação do feixe de raios-x e menor quantidade de radiação atinge as câmaras de detecção, essas estruturas hiperatenuantes são apresentadas em branco nas imagens de TC. 
Estruturas pouco densas como o AR provocam hipoatenuação no feixe de raios-x, sendo denominadas: hipoatenuantes e são apresentadas em preto nas imagens de TC. 
Os tecidos e partes moles têm atenuação intermediária, sendo representados em diferentes tons de cinza, do preto para o branco, proporcionalmente ao aumento da atenuação.
As imagens de TC são apresentadas em um plano transversal ao objeto, a partir da análise computadorizada dos valores de atenuação obtidos durante o giro de 360° do feixe de raios –x em torno do objeto, concomitantemente ao giro sincronizado das câmaras de detecção de radiação. Nos tomógrafos do fabricante Siemens, a ampola de raios-x gira 360° no sentido horário.
EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS TOMOGRÁFICOS.
SCANNERS DE 1ª e 2ª GERAÇÕES:
Possuíam 01ou 02 detectores, giro do tubo de raios-x de 180º e levavam muito tempo para adquirirem informações para a formação de uma imagem. Os de 2ª geração possuíam de 30 ou mais detectores, porém, levava até 10 minutos para um exame de 40 cortes.
SCANNERS DE 3ª GERAÇÃO:
Possuíam um arranjo de até 852 detectores opostos ao tubo de raios-x com giro sincronizado ao tubo.
SCANNERS DE 4ª GERAÇÃO:
Possuem um anel de até 4.800 detectores, que circunda totalmente o paciente.
SCANNERS DE 5º GERAÇÃO:
São semelhantes aos de 4ª, porém apresentam uma característica diferente: o movimento contínuo da mesa de exames e rotação também contínua do tubo de raios-x, daí o termo “HELICOIDAL”. Utilizam detectores de 3ª e 4ª gerações. Ainda nesta geração, conhecemos tecnologias como os tomógrafos helicoidais multi-corte (mult-slice), caracterizados pela presença de 04 bancos de detectores, realizando 04 cortes simultaneamente em um único giro do tubo de raios-x (aquisição de 04 imagens). 
OBS: Além dos detectores sólidos comumente usados nos sistemas tomográficos, temos ainda os detectores a gás ou ionização a gás.
EXERCÍCIO
1) O que significa tomografia?
2) A partir de que ano a tomografia foi incorporada na prática médica para diagnóstico por imagem?
3) A TC se utiliza dos princípios físicos do(s):
a) Raios gama
b) Raios beta
c) Campos magnéticos
d) Raios-x
e) Ultra-som
4) Cite um exemplo de Estrutura:
a) hipoatenuante
b) hiperatenuante
5) O que é a escala de Hounsfield?
6) Qual é a unidade representativa dos valores de atenuação em TC?
7) Scanner com aproximadamente 4.800 detectores é classificado como?
8) O que significa cada uma das situações descritas na figura abaixo:
OUTROS FATORES TÉCNICOS.
 A escala de HOUNSFIELD é uma representação numérica em Tomografia computadorizada das densidades das estruturas ou materiais.
	MATERIAL / TECIDO
	UNIDADE HOUSFIELD “UH”
	ESCALA DE CORES
	OSSO DENSO
	300 A 1000
	BRANCO
	OSSO NORMAL
	100 A 200
	CINZA MUITO CLARO
	FÍGADO
	60
	CINZA CLARO
	PÂNCREAS
	50
	CINZA CLARO
	PARÊNQUIMA CEREBRAL
	35
	CINZA CLARO
	MÚSCULO
	20
	CINZA CLARO
	H20
	0
	CINZA ESCURO
	GORDURA
	-20 A -80
	CINZA ESCURO
	PULMÓES
	-500 A -800
	CINZA MUITO ESCURO
	AR
	-1000
	PRETO
OBS: A água é dada como referencial de calibração, assumindo um valor ZERO na escala de Hounsfield. Estas densidades são lidas em diversos pontos de uma matriz, sendo cada ponto denominado PIXEL, que é bidimensional.
A profundidade deste PIXEL é determinada pela espessura do corte, conhecida por VOXEL, que é o volume tridimensional da imagem.
O tubo de raios-x da Tomografia computadorizada é similar aos de equipamentos de raios-x convencionais, porém a diferença consiste na posição que assume, anulando o EFEITO ANÒDICO.
Os detectores são responsáveis pela captação dos raios-x que conseguem ultrapassar o corpo do paciente. Os detectores ou bancos de detectores são apresentados aqui com as seguintes características:
Câmaras de ionização: Formados por várias câmaras de gás XENÔNIO, que ao interagirem com o feixe de raios-x, sofrem ionização, gerando uma corrente elétrica (sinal elétrico) que ao ser captado pelo sistema e interpretado por cálculos matemáticos (Análise bidimensional de FOURIER – tempo e espaço) produzem a imagem. 
B) Cristais luminescentes: São pequenas câmaras fotomultiplicadoras que ao interagirem com os feixes de raios-x, amplificam o sinal, transformando-o em corrente elétrica que, também será interpretada pelos cálculos matemáticos no computador. 
OBS: Os cristais luminescentes são mais utilizados, devido a sua eficiência, estabilidade e velocidade.
 A TC convencional caracteriza-se pelo andamento da mesa de exames e um giro do tubo de raios-x ao redor da área de interesse no exame (giro de 360º), realizando cortes. Já no sistema HELICOIDAL, caracteriza-se pela movimentação contínua do tubo de raios-x e detectores e o andamento também contínuo da mesa de raios-x.
A TC HELICOIDAL reduziu o tempo de exames e garantiu a análise de estruturas com maior eficácia.
OUTROS CONCEITOS IMPORTANTES:
A) Fator “Pitch”: é a relação entre o deslocamento da mesa de exames (incremento) dividido pela espessura do corte (espessura do feixe de raios-x). 
Quanto maior for esta relação, mais rápida será a aquisição e uma maior área será estudada. Porém a qualidade das imagens será inferior
Quanto menor for esta relação, melhor será a qualidade e maior será o tempo