DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO – PONTO 02
38 pág.

DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO – PONTO 02


DisciplinaDireito Tributário I23.168 materiais271.763 seguidores
Pré-visualização9 páginas
Fazem a ligação entre os planos de longo e médio prazos e representam os meios e instrumentos de ação, organicamente articulados para o cumprimento das funções. Os programas geralmente representam os produtos finais da ação governamental. Esse tipo de orçamento é normalmente denominado Orçamento-Programa.
No Brasil, o Orçamento-Programa está estruturado em diversas categorias programáticas, ou níveis de programação, que representam objetivos da ação governamental em diversos níveis decisórios. Assim, a classificação funcional programática apresenta:
 a) um rol de funções, representando objetivos mais gerais: o maior nível de agregação das ações, de modo a refletir as atribuições permanentes do Governo.
b) um rol de programas, representando produtos concretos: são os meios e instrumentos de ações organicamente articulados para o cumprimento das funções. 
Em síntese:
- as funções representam as áreas de atuação do Governo;
- os programas e subprogramas representam os objetivos que se pretende alcançar;
- os projetos e atividades representam os meios de alcançar tais objetivos.
10. CRÉDITOS ADICIONAIS
CRÉDITOS ADICIONAIS: são autorizações do legislativo para efetivação de despesas não previstas ou insuficientemente previstas na LOA. 
Espécies:
a)crédito suplementar;
b)crédito especial:
c)crédito extraordinário:
a)crédito suplementar: destinados a REFORÇO DE DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA. Trata de despesas que já havia sido prevista na LOA, mas de forma insuficiente.
Os créditos suplementares dependem de prévia autorização legislativa.
CF
Art. 167.São vedados: 
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.
É possível que a LOA já traga a autorização. [art. 165, § 8º, CF] 
CF
Art. 165.
§ 8º - A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.
Instrumento normativo para abertura de crédito suplementar: DECRETO DO EXECUTIVO (art. 42, Lei 4.320/64). São autorizados por lei, mas abertos por decreto do executivo.
Lei 4.320/64
Art. 42. Os créditos suplementares e especiais serão autorizados por lei e abertos por decreto executivo.
Os créditos suplementares dependem da existência e da indicação da disponibilidade de recursos. 
CF
Art. 167.São vedados: 
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.
Lei 4.320/64
Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da existência de recursos disponíveis para ocorrer a despesa e será precedida de exposição justificativa. (Veto rejeitado no D.O. 05/05/1964)
 Utilização de MP para abertura: IMPOSSIBILIDADE. [art. 62, §1º, I, d, CF]
CF
Art. 62.
§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
d) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias, orçamento e créditos adicionais e suplementares, ressalvado o previsto no art. 167, § 3º; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
b)crédito especial: destinados às despesas para as quais não haja dotação orçamentária específica. Visa atender necessidades novas (não previstas na peça orçamentária) surgidas no decorrer do exercício. Trata-se de uma despesa que não estava esperava que fosse ocorrer. (ex.: ordem judicial determinando o pagamento de certo valor).
Há a necessidade de prévia autorização legislativa.
CF
Art. 167.São vedados: 
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.
Diferente do que ocorre com o crédito suplementar, a LOA não pode trazer autorização, nesse caso será necessária a edição de uma lei autônoma para que essa autorização ocorra.
Instrumento normativo para abertura de crédito suplementar: DECRETO DO EXECUTIVO. São autorizados por lei, mas abertos por decreto do executivo.
Lei 4.320/64
Art. 42. Os créditos suplementares e especiais serão autorizados por lei e abertos por decreto executivo.
CF
Art. 167.São vedados: 
V - a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e sem indicação dos recursos correspondentes.
Lei 4.320/64
Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da existência de recursos disponíveis para ocorrer a despesa e será precedida de exposição justificativa. (Veto rejeitado no D.O. 05/05/1964)
Utilização de MP para abertura: IMPOSSIBILIDADE.
CF
Art. 62.
§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
d) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias, orçamento e créditos adicionais e suplementares, ressalvado o previsto no art. 167, § 3º; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
Vigência dos créditos especiais: [art. 167, § 2º, CF]
REGRA: vigência no EXERCÍCIO FINANCEIRO EM QUE FOREM AUTORIZADOS.
EXCEÇÃO: se o ATO DE AUTORIZAÇÃO FOR PROMULGADO NOS ÚLTIMOS QUATRO MESES DO EXERCÍCIO, eles serão incorporados ao EXERCÍCIO FINANCEIRO SEGUINTE, sendo reaberto nos limites dos seus saldos.
CF
Art. 167.
§ 2º - Os CRÉDITOS ESPECIAIS e EXTRAORDINÁRIOS terão vigência no EXERCÍCIO FINANCEIRO EM QUE FOREM AUTORIZADOS, salvo se o ato de autorização for promulgado nos ÚLTIMOS QUATRO MESES daquele exercício, caso em que, reabertos nos LIMITES DE SEUS SALDOS, SERÃO INCORPORADOS AO ORÇAMENTO DO EXERCÍCIO FINANCEIRO SUBSEQÜENTE.
\uf0e8crédito suplementar x crédito especial
 	crédito suplementar: 
		\uf0c4está relacionada a uma despesa já prevista na LOA.
 		\uf0c4autorização para abertura já pode estar prevista na LOA, nesse caso não sendo necessária a edição de lei específica para tal autorização
 	crédito especial:
		\uf0c4está relacionada a uma despesa não prevista na LOA.
 		\uf0c4autorização para abertura não está prevista na LOA, nesse caso será necessária a edição de lei específica para tal autorização
c)crédito extraordinário: destinados a despesas urgentes e imprevistas, em caso de guerra, comoção intestina ou calamidade pública.
Não há necessidade de prévia autorização legislativa. Após a abertura do crédito extraordinário o Poder Legislativo é comunicado.
Não há necessidade de indicação da disponibilidade de recursos. Realiza-se a despesa, depois promove-se a readequação do orçamento.
Utilização de MP para abertura: POSSIBILIDADE. [art. 62, § 1º, I, d c.c. art. 167, § 3º, CF]
CF
Art. 62.
§ 1º É vedada a edição de medidas provisórias sobre matéria: (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
d) planos plurianuais, diretrizes orçamentárias, orçamento e créditos adicionais e suplementares, ressalvado o previsto no art. 167, § 3º; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 32, de 2001)
Art. 167.
§ 3º - A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para atender a despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, observado o disposto no art. 62.
Vigência dos créditos extraordinários: [art. 167, § 2º, CF]
REGRA: vigência no EXERCÍCIO FINANCEIRO EM QUE FOREM AUTORIZADOS.
EXCEÇÃO: se o ATO DE AUTORIZAÇÃO FOR PROMULGADO NOS ÚLTIMOS QUATRO MESES DO EXERCÍCIO, eles serão incorporados ao EXERCÍCIO FINANCEIRO SEGUINTE, sendo reaberto nos limites dos seus saldos.
CF
Art. 167.
§ 2º - Os CRÉDITOS ESPECIAIS e EXTRAORDINÁRIOS terão vigência no EXERCÍCIO FINANCEIRO EM QUE FOREM AUTORIZADOS, salvo se o ato de autorização for promulgado nos ÚLTIMOS QUATRO MESES daquele exercício, caso em que, reabertos nos LIMITES DE SEUS SALDOS, SERÃO INCORPORADOS AO ORÇAMENTO DO EXERCÍCIO