Dissertacao EDIFICIO DE ESCRITÓRIOS
249 pág.

Dissertacao EDIFICIO DE ESCRITÓRIOS


DisciplinaAtelier de Projeto de Arquitetura VII6 materiais80 seguidores
Pré-visualização50 páginas
devido aos avanços da tecnologia 
computacional, mas existem diversas dificuldades para sua adaptação no uso de projetos de 
edificações, entre elas: pouca integração da ferramenta de modelagem em relação aos 
softwares de desenho e cálculo atualmente utilizados; alto investimento requerido para 
aquisição da ferramenta e treinamento dos funcionários; riscos deste investimento, uma vez 
que o setor de projetos e construção brasileiro é fragmentado e não há garantias de que 
todos os agentes da cadeia produtiva terão a mesma ferramenta para troca de informações; 
e falta de base de dados das ferramentas para o contexto de edificações e de tecnologias 
construtivas nacionais. 
 
Capítulo C \u2013 Aspectos de Gestão 164
 Integração digital entre as 
disciplinas na mesma base e 
ambiente digital 
Arquivo 
Base 
Arquitetura 
(3D) 
Outras 
disciplinas 
Sistemas 
Prediais 
Estrutura 
 
 
 
 
 
 
 
Figura 57 \u2013 Uso integrado de ferramentas tridimensionais de projeto 
 
As ferramentas BIM permitem que o processo do projeto seja feito de forma colaborativa, 
em que \u201ctoda a equipe decide em conjunto, co-participa das decisões e da condução do 
processo, sem centralizar demasiadamente as decisões em um ou outro parceiro de projeto\u201d 
(FLORIO, 2007). Contudo, a dificuldade em se fazer mudanças na metodologia de trabalho 
das empresas de projeto para que o processo colaborativo seja efetivamente utilizado, 
aliada às demais dificuldades já citadas para adaptação do uso das ferramentas BIM 
disponíveis, acaba justificando a baixa adesão atual ao seu uso. 
Mesmo com estas dificuldades, entende-se que um dos aspectos para a evolução do 
processo do projeto e sua respectiva ligação com a execução da obra esteja atrelado ao uso 
deste tipo de ferramenta, pois a integração dos fatores tempo e custo, em um projeto 
modelado pela BIM, permite a simulação das etapas de sua construção ainda no ambiente 
virtual, o que pode trazer grandes vantagens em termos de planejamento do 
empreendimento como um todo. 
 
 
3.1.2 Extranets 
 
As extranets de projeto são websites, criados e mantidos por empresas especializadas, que 
controlam o acesso às informações do ambiente da internet por meio de protocolos de 
autorizações. De acordo com Manzione (2006), uma extranet de projeto lida com a 
informação eletrônica através do armazenamento centralizado de dados e a manutenção de 
Capítulo C \u2013 Aspectos de Gestão 165
um ambiente de trabalho em rede, que permite aos usuários acesso às informações 
armazenadas, possibilitando o acompanhamento do seu processo de trabalho. Desta forma, 
a troca intensiva de informações entre equipes de projeto e agentes do processo, 
fisicamente distantes entre si, é facilitada (Figura 58). 
Ainda segundo pesquisa exploratória conduzida por Manzione (2006), a situação atual 
mostra que as extranets, apesar de importantes como ferramentas, não atingiram ainda uma 
maturidade tecnológica suficiente para solucionar as questões relacionadas à gestão do 
processo do projeto, pois têm enfoque maior no gerenciamento de documentos, e pouco ou 
nenhum no gerenciamento das comunicações e no gerenciamento do workflow (processo de 
trabalho). As poucas ferramentas que têm atuação nestes dois últimos itens limitam de tal 
forma a condução do processo, que muitos empreendedores desistiram de utilizá-las. 
Acredita-se, porém, que é possível desenvolver alternativas de solução para estas 
dificuldades, dependendo do nível de demanda e da disposição dos fabricantes de 
softwares. Uma eventual evolução das ferramentas, tanto das extranets quanto das de 
cálculo e modelagem tridimensional, poderá influenciar em mudanças significativas no 
processo de gestão do projeto de edificações, e provavelmente na gestão do 
empreendimento como um todo. 
 
Figura 58 \u2013 Comunicação em um empreendimento com extranet de projeto 
Fonte: Nascimento (2004) 
 
Capítulo C \u2013 Aspectos de Gestão 166
4 SUSTENTABILIDADE 
 
4.1 INTRODUÇÃO 
 
 
Esta seção relaciona a importância do tema sustentabilidade com o ciclo de vida da 
edificação \u2013 e consequentemente com o projeto \u2013, abordando conceitos de construção 
sustentável e \u201cedifícios verdes\u201d (green buildings), e identificando modelos de avaliação de 
desempenho de empreendimentos disponíveis no Brasil. Os aspectos técnicos de soluções 
relacionadas a este tema, quando pertinentes, estão apresentados dentro de cada 
especialidade de projeto (capítulo B). Exemplo: aspectos sobre o ar condicionado na 
construção sustentável de edifícios de escritório estão abordados em seção específica dos 
Sistemas Prediais. 
 
 
4.1.1 Definições 
 
Sustentabilidade é um conceito em evolução e multidisciplinar. De modo genérico, pode-se 
adotar a seguinte definição: 
Sustentabilidade é um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos 
econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana. Propõe-se a ser um meio 
de configurar a civilização e atividades humanas, de tal forma que, a sociedade, os seus 
membros e as suas economias possam preencher as suas necessidades e expressar o seu 
maior potencial no presente, e ao mesmo tempo preservar a biodiversidade e os ecossistemas 
naturais, planejando e agindo de forma a atingir pró-eficiência na manutenção indefinida 
desses ideais (WIKIMEDIA FOUNDATION, 2008). 
O termo de origem, ainda segundo a Wikimedia Foundation (2008), foi \u201cdesenvolvimento 
sustentável\u201d, que, segundo a CMMAD59 da Organização das Nações Unidas, é \u201caquele que 
atende às necessidades presentes sem comprometer a possibilidade de que as gerações 
futuras satisfaçam as suas próprias necessidades\u201d. Esta é a mesma definição feita no 
relatório de Brundtland de 1987. 
 
59 Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 
Capítulo C \u2013 Aspectos de Gestão 167
O reconhecido tripé em que se baseia o desenvolvimento sustentável (Figura 59) surgiu na 
Declaração de Política de 2002 da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, 
realizada em Joanesburgo, que afirma que o mesmo é construído sobre \u201ctrês pilares 
interdependentes e mutuamente sustentadores\u201d \u2014 desenvolvimento econômico, 
desenvolvimento social e proteção ambiental. 
ECONOMIA SOCIEDADE
 
 
 
 
MEIO
AMBIENTE 
 
 
 
Figura 59 \u2013 Pilares do desenvolvimento sustentável 
 
 
4.1.2 A construção sustentável 
 
Cabral (2007) afirma que \u201co conceito de construção sustentável surgiu pela primeira vez 
com a crise do petróleo nos anos 70, quando os altos preços da energia levaram à busca 
por sistemas alternativos e mais baratos (...)\u201d. Por este mesmo motivo, os primeiros edifícios 
projetados com esta preocupação foram os de países onde a matriz energética dependia em 
grande parte da geração de termelétricas, tais como Alemanha, Holanda e norte da Europa. 
Mas, as primeiras medidas mais consequentes relacionadas ao tema são da década de 90, 
com estudos mais sistemáticos e resultados mensuráveis, como reciclagem de materiais e 
redução de perdas e energia. Mais recentemente, os aspectos relacionados às condições 
sociais, econômicas e culturais do ambiente construído passaram a ser considerados na 
construção sustentável. 
As definições e diretrizes de construção sustentável estão mais bem conceituadas no texto 
da Agenda 21 para Construção Sustentável (2000). Este texto é uma sistematização de 
todos os estudos do CIB60 sobre o tema, realizados nas duas últimas décadas do século XX, 
com ênfase nos últimos cinco anos. O CIB, por sua vez, é uma organização internacional 
 
60 International Council for Research and Innovation in Building