A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
143 pág.
Graca Abundante ao Principal dos Pecadores   John Bunyan

Pré-visualização | Página 33 de 35

profissão de té.
Quando imaginei, de talo, que poderia ser banido por causa de mi­
nha protissáo de té, pensei neste versículo: “Foram apedrejados, provados, 
serrados pelo meio, mortos a tio de espada; andaram peregrinos, vestidos 
de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, afligidos, maltratados (ho­
mens dos quais o mundo não era digno)” (Hb 11.37-38). De acordo com 
o pensamento do mundo, esses homens eram muito maus para habitat 
e ficar entre eles. Também pensei neste versículo: “Senão que o Espirito 
Santo, de cidade em cidade, me assegura que me esperam cadeias e tribula­
ções". Verdadeiramente, lenho pensado que é por meio desle versículo que 
minha alma, às ve:es, se convence do estado delicado e triste de set banido 
e exilado — como essas pessoas eram expostas à tome, ao frio, a perigos, 
à nudez, a inimigos e a milhares de calamidades, e, ao fim de tudo isso, a 
morrer num losso, lalvez, como uma ovelha pobre e desolada. Mas, graças 
a Deus que, até agora, não tenho sido mudado por esses traços raciocínios, 
antes, eles me têm feito confiar meu coracão a Deus mais ainda.
U m a t e s t e m u n h a i t e l a t é a o m m
Certa vez, eu estava, mais do que em qualquer outro tempo, num 
estado muito triste e abatido por várias semanas. Nesse tempo, sendo 
apenas um novo prisioneiro, nao familiarizado com as leis, pensei que,
I I A M K V I t v t l 1)1 r . K I M d U M 1 ' K I M O N i I K O >'<>K A M O K A U I V A N t i l I l l t l ^ 1 ”i l
C.KA», A AlU M I A M I A t t p K I M l l 'AI I H h Pl( Al ><>KI N
de acordo com tudo que eu sabia, meu aprisionamento acabaria na forca. 
Portanto, Satanás trabalhou arduamente para destruir qualquer contiança 
e certeza que me testavam, sugerindo- “O que lhe acontecerá, se, ao chegar 
sua hora de morrer, você ainda estiver nesta condição, ou seja, não se 
deleitando nas coisas de Deus, nem possuindo em sua alma qualquer 
evidência de herança na vida por vir?”. Nesse tempo, todas as coisas de 
Deus se escondiam, de fato, de minha alma Então, quando comecei a 
pensar sobre isso, fiquei muito aflito, pois achava qne, em minha presente 
condição, náo estava pronto para morrer, nem pensava que poderia morrer 
se tosse chamado a isso. Além disso, pensava que, se fizesse grande esforço 
pata subir as escadas da forca, daria ao inimigo, ou por meus temores, ou 
por outros sinais de debilidade, uma razão para censurar os caminhos de 
Deus e o seu povo, por ininha timidez.
Isso me afligiu muito, potque eu tinha vergonha de morrer empali­
decido e com joelhos trôpegos, numa situação como essa Então, orei para 
que Deus me confortasse e fortalecesse, a fim de que eu cumprisse e sofresse 
aquilo para que ele me chamara. Nenhum conlorlo veio; tudo continuava 
oculto. Nesse petíodo, eu estava tao obcecado com o pensamento da morte, 
que frequentemente me sentia como se estivesse na forca, com uma corda ao 
redor do pescoço. Nessas circunstâncias, o único pensamento que me trazia 
algum encorajamento era que eu pudesse 1er uma oportunidade de lalar 
minhas últimas palavras a uma multidão que, eu pensava, viria pata me ver 
morrer. Pensei também: se for assim, não considerarei minha vida perdida 
ou desperdiçada, se Deus converter ao menos uma alma por intermédio de 
minhas ultimas palavras. Entretanto, todos os benefícios c bênçáos dc Deus 
estavam ocultos de minha vista, e o tentador ainda me perseguia, questio­
nando: “Mas aonde você irá quando morrer? O que será de você? Onde você 
se encontrará no outro mundo? Que evidências você tem de que está de 
viagem ao céu, á glória e a uma herança entre aqueles que sáo sautiiiçados?” 
Assim, eu era sacudido de um lado para o outro por muitas semanas; e não 
sabia o que fàzer. Por fim, este pensamento veio sobre mim, com vigor: estou 
nesta situaçáo por amor à Palavra e aos caminhos de Deus, logo, estou com­
prometido a nao esquivar-me disso nem por um milímetro.
Também pensei que Deus podia escolher se me daria o coníorto 
agora ou na hota da morte; mas nao cabia a mim a escolha de manter ou 
não minha profissão de té Eu estava preso, nias ele, livre; o meu dever 
era permanecer firme ao lado da sua Palavra, embora ele não olhasse para 
mim nem me salvasse, no final. Então, pensei, se este tosse o caso, eu 
continuaria e confiaria meu estado eterno a Cristo, sendo eu confortado 
ou não aqui Se Deus não ti:er nada para me livrar, pensei, vou saltar 
da escada para a eternidade, mesmo com os olhos vendados, nadarei ou 
alundarcr, venha ecu ou infemo. Senhor Jesus, se desejas me tomar, ia:e-o, 
se nao, arriscarei tudo por teu nome.
Mal havia teito esta resolução, as seguintes palavras entraram em 
minha mente: “J6 serve a Deus em troca de nada?” Era como se o acusador 
tivesse dito: “Senhor, Jó não 0 um homem justo; ele tem outras motivações 
em servir-te: ‘Acaso, nao o cercaste com sebe... Estende, porém, a imo, 
e toca-lhe em tudo quanto tem, e verás se não blasfema contra ti na tua 
tace!”* E agora?, pensei. O sinal de uma alma justa é o desejo de servir a 
Deus, quando tudo Uie é tirado? O homem piedoso é aquele que serve a 
Deus em troca de nada, em ve: de desistir? Bendito seja Deus, espeto que 
eu tenha um cotação justo, pois estou decidido, dando-me o Senhor forças, 
a nunca negar minha protissáo de té, amda que nada receba por minhas 
dores. Enquanto pensava nisso, Salmos 44.12 e outras passagens loratn 
colocadas diante de m im Agora meu coraçao estava cheio de consolação 
e esperava que tosse sincera. Eu náo teria trocado esta provação por quase 
nada, sou confortado toda ve: que penso nela e espero bendi:er a Deus 
para sempre pelas coisas que aprendi por meio delas. Eu poderia detalhar 
muitos outros feitos de Deus para comigo, mas estes, como os despojos 
da guerra, tenho dedicado à conservação da casa do Senhor ( I C r 26.27).
II A SI KVIl .O 1)1 C h I M I ) U m CHIMONI IMO I'OK AMOK AO I VANI i l I IIO 1 ' i i
1. IV rodas as rentaçòes que tenho enfrentado em minha vida, questionar 
o scr dc Deus c a veracidade de seu evangelho c a pior c a mais dificil de 
suportar. Quando essa tentação surge, tira-me o amparo e remove de meus 
pés os alicerces Oh1 sempre tenho pensado nestas palavras: “Cingindovos 
com a verdade”; e: “Destn lidos os fundamentos, que poderá ta:er o justo?"
2. As vezes, depois de cair em pecado, quando esperava castigo severo da 
paite de Deus, a próxima coisa que recebia dele era a revelação de sua 
"raça. Por vezes, ao ser contòrtado, tenho me chamado de tolo, por me 
afundar tanto cm afliçáo, e, novamente, quando abatido, essas coisas 
pesam sobre mim com tanta intensidade e lorça, que nao acho sábio dar 
lugai ao conforto tào facilmente
3. Muito me questiono sobre uma coisa: embora Deus conceda à minha 
alma uma abençoada revelaçao de si mesmo, descobri, nas horas se­
guintes, que meu espirito se enche tanto de escuridão, que perco todo 
pensamento a respeito de quem Deus é ou do que era aquele conforto 
com o qual eu fui revigorado.
4. Às vezes, vejo tanto em uma linha da Biblia que mal posso dizer como 
permanecer de pé sob o seu peso e glória, outras vezes, a Riblia inteira 
é como um caniço seco para mim, ou melhor, meu coração fica tão 
morto e seco, que não posso extrair dela a menor consolação, ainda que 
a busque em rodas as partes da Ivscritura.
1 ')Ó C k A I , A Al t l M I A M I At) l’ KINt ll*AI I H h P l ( A DOK I .N
5. De todos os temores, os melhores são os causados pelo sangue de Cris­
to; dc todas as alegrias, a mais doce é aquela que está unida com o pran­
to a respeito de Cristo Oh! como é bom estai de joelhos, com Cristo em 
nossos braços, diante de Deus! Fspero que eu saiba alguma coisa disso.
6. Até hoje, encontro sele abominações em meu coração: (1) inclinação à 
descrença; (2) esquecimento súbito do amor e da misericórdia que Cris- 
to manifesta; (3) inclinação ás obras da