Direito Constitucional 1 (Dalton)
7 pág.

Direito Constitucional 1 (Dalton)


DisciplinaDireito Constitucional I64.473 materiais1.491.399 seguidores
Pré-visualização4 páginas
constituição, sendo assim possível a estes estabelecer sua auto-organização.
Poder Constituinte Derivado Revisor:  conhecido também como poder anômalo de revisão ou revisão constitucional anômala ou ainda competência de revisão. Destina-se a adaptar a Constituição à realidade que a sociedade aponta como necessária. Exemplo desta variedade de Poder Derivado é o artigo 3º dos ADCT (Atos das Disposições Constitucionais Transitórias), estabelecendo uma revisão à Constituição de 1988 a ser realizada após 5 anos de promulgação da mesma, por voto da maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional em sessão unicameral.
*Córun da emenda equivale a 3/5. 
* Represdinação quando a se cria a Lei 1, se torna inválida por conta da Lei 2, ai surge a Lei 3 que volta a validar a Lei 1,
Correntes doutrinárias, atribuem o poder constituinte ao um poder de fato, poder de direito e um poder político.
O que é poder de Fato? É algo que vem da pessoa. Ex: A menina sabe dirigir, mas não tem carteira. Por ela saber dirigir bem, ela tem o poder de fato de saber dirigir. O poder de fato, está dentro do ser humano, é um poder imanente do cidadão. 
-
Limites Subjetivos ( É quando se faz uma análise do sujeito, e não do que é visto. Ex: Bater na mulher, você irá pensar que é covardia. Mas quando analisado, e sabendo o real motivo dele bater nela (seqüestro) você faz uma análise subjetiva. 
Limites Circunstanciais ( Está previsto no Art. 60,CF, no parágrafo primeiro. Os limites circunstanciais existem, para garantir 
Classificação das Constituições.
1ª Quanto a forma. É dividida em consituições escritas e não escritas.
Na constituição escrita, é aquela onde encontramos uma copilação de normas constitucionais. Já as não escritas, tem como exemplo a constituição da Inglaterra. A principal diferença entre uma norma escrita e a não escrita, é necessário de uma emenda para alterar a constituição escrita, ou seja ela tem um processo legislativo diferenciado. Já a não escrita não precisa desse processo diferenciado.
2ª Quanto a origem. Onde ela pode ser outorgada ou promulgada
A Outorgada é aquela constituição que é imposta, pelo estado perante seus cidadãos. É aquela que não tem uma consulta popular. 
Promulgada é aquela que tem ampla participação social. Um exemplo é a Const. Brasileira de 1988 é um exemplo disso. 
3ª Quanto a extensão. Classifica-se em constituições sintéticas e analíticas. 
Sendo as Constituições sintéticas, são aquelas constituições mais curtas sobre o ponto de vista formal. A constituição norte americana é considerada uma constituição curta. São aquelas que tem uma interpretação mais ampla. 
Já as constituições analíticas(pontuais), são constituições mais detalhistas em relação ao seu texto. A constituição brasileira é um exemplo dessa. A constituição de 1988 pode ser usada como exemplo, em vista que ela tem 250 artigos.
4ª Quanto ao conteúdo. Constituições formais e materiais.
Formais ( São aquelas que consideram suas normas constitucionais, pelo simples fato de estarem alocadas no texto constitucional.
Materiais ( Contemplam normas constitucionais, pelo seu conteúdo. Onde o conteúdo trata-se de uma norma constitucional que vislumbra direitos fundamentais, limitação do serviço do poder. E estrutura econômica tributaria e social do estado. (C.F 1988)
5ª Elaboração.
Dogmática ( São as constituições que onde os dogmas fazem parte da preponderância da sociedade. 
Histórica ( É uma constituição que guarda respeito a sua cultura e tradição histórica. É a constituição que preserva o estado e sua sociedade através da sua cultura e tradição histórica.
6ª Mutabilidade. O que muda é o processo de elaboração de uma respectiva reforma.
Rígidas ( É o fato de comportar, um processo legislativo diferenciado, de todo processo legislativo conhecido no meio jurídico.
Semi- rígidas ( São aquelas que contemplam um mecanismo difere7nciado de alteração, em PARTE do seu texto. E em outra parte ela autoriza a reforma constituição em forma de um processo legislativo comum ou ordinário.
Flexíveis ( São aquelas que podem ser alteradas, pelo processo legislativo comum. Permite que se altere uma constituição, com o mesmo córum de uma lei ordinária 
-
2° Bimestre
Norma Constitucional
(Conrrad Hess, A força normativa da constituição)
A norma constitucional, é uma norma jurídica. Ela é uma norma diferenciada, pois ela é a norma \u201cmãe\u201d, é com ela que se baseia todas as normas infraconstitucionais.
A norma constitucional, tem caráter principiológico. 
Classificação da Norma Constitucional.
Quanto a Eficácia: É o atributo da norma ser aplicável. No Brasil é adotada a teoria tripartide. Ou seja, são as noras auto aplicáveis e normas não auto aplicáveis. 
Onde as Normas auto aplicáveis, se dividem em normas de eficácia plena e de eficácia contida.
Já as não auto aplicáveis, é somente de eficácia limitada.
Teoria de José Afonso da Silva. 
As auto aplicáveis, NÃO dependem de outra norma, pois produzem normatividade sozinhas. 
As de eficácia plena, não podem ser restringida, ou seja, não pode ser limitada no seu âmbito de aplicação. 
As normas de eficácia contida, embora sejam auto aplicáveis, elas podem ter sua aplicabilidade restringida. Exemplo: Inciso 13,do Art. 5º CF. 
Normas de eficácia limitada: As normas de eficácia limitada, elas precisam de uma norma infraconstitucional para restringir-lá. 
Classificação quanto ao conteúdo, as normas constitucionais se dividem em regras e princípios.
Regras são modelos descritivos, de determinada relação jurídica. O juízo de subsunção é um juízo de adequação do fato a norma, e é através dele que analisamos a regra.
Quando se fala em juízo de subsunção, se exerce a análise do caso concreto e aplicar a norma. 
Juizo de subsunção \u2013 é um juízo prévio diante do caso concreto, para saber se esse c.c está inserido no amplo rol de casos sociais que está incluído na criação de determinado legislativo.
Princípios básicos.
1º principio democrático, onde há de se preservar o estado democrático de direito, é o principio que atribui toda a função do estado, a um critério da participação popular. Havendo um compromisso com a sociedade. 
2º republicano \u2013 é o principio que estabelece a forma de governo. Sua maior característica é sua maior representação no poder e da alternância da representação. 
3º federativo \u2013 todos os estados devem estar representados igualmente no governo central.
Princípios gerais
1° principio da legalidade, estabelece que todos nos juridicionados, governantes nos impomos ao \u201cimpério da lei\u201d, submetendo -- se a qualquer força de lei. O princípio da legalidade, determina que só devemos nos submeter ao que diz a constituição ou lei derivada dela.
2° isonomia \u2013 todos são iguais perante a lei
3° da tutela jurisdicional perante ao estado ( inciso 35, Art 5, C.F. Tem que ser tutelada tempestivamente. 
4° do devido processo legal ( se aplica também ao processo administrativo, é o respeito por TODOS os atos, ou seja, respeito ao andamento processual. 
Princípios Setoriais ( porque são princípios atentos a várias partes do direito. (vinculação a lei)
 Estão alocados, dentro da parte da administração publica. Onde, temos como princípios base: o princípio da legalidade, moralidade, eficiência, impessoalidade, publicidade.
Podemos então dizer que o administrador(estado), pode tudo, até o momento em que o principio da legalidade intervém,dizendo aquilo que ele pode fazer ou não pode.
No direito civil e direito privado, temos os direitos dos principio da autonomia da vontade, obviamente, dentro dos limites da lei.
Pacta sunt Servanda, PACTA SUNT SERVANDA é o Princípio da Força Obrigatória, segundo o qual o contrato obriga as partes nos limites da lei. É uma regra que versa sobre a vinculação das partes ao contrato, como se norma legal fosse, tangenciando a imutabilidade. A expressão significa \u201cos pactos devem ser cumpridos\u201d.
No direito penal, tem