A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Autores Contratualistas

Pré-visualização | Página 2 de 2

a sociedade que o corrompe” 
 
10. Nesse sentido, o estado de natureza vai deixando de ser bom, pois surgindo a 
propriedade privada o homem vai passar a ter conflitos 
11. Essa transição para o estado de sociedade não é algo bom segundo Rousseau, 
porque vai ter como objetivo garantir a propriedade privada, que gera 
desigualdade 
12. O estado de sociedade não garante a igualdade porque as pessoas em si não são 
iguais em condições econômicas 
13. No estado civil os eleitos serão sempre os ricos, porque apesar de todos serem 
iguais perante a lei, na hora de uma eleição os ricos terão mais oportunidade e 
recursos para serem eleitos 
14. Uma vez eleito, os ricos perpetuam a desigualdade social 
15. No estado de sociedade, as pessoas não são livres como garantido por lei, porque 
elas só podem ir e vir limitadas pelo dinheiro que tem, além disso, elas não vão 
eleger quem elas querem, mas quem está disponível 
16. A liberdade e a igualdade são falsas nesse sentido, pois, na pratica, do ponto de 
vista material, não existem 
17. Já no terceiro momento, Rousseau propõe a criação do contrato social, em que 
os indivíduos saem do estado de sociedade que é ruim 
18. Primeiro passo: As pessoas saem da condição alienada em que estão, elas 
precisam se dar conta de que não são livres, pois fazem aquilo que outros 
definem para fazê-lo 
19. O segundo passo é a implantação de uma democracia direta, na qual o indivíduo 
participa do processo de criação da lei, fazendo critica a democracia 
representativa em que o representado apenas obedece a lei 
20. Critica a Hobbes e Locke, pois a única forma de garantir a liberdade política é na 
situação em que todos os indivíduos HOMENS, estariam em conjunto criando as 
leis em que se submetem, participando do processo em que se criam as leis 
21. Terceiro ponto: Vontade geral = fazer aquilo que é o certo. Todos os indivíduos 
sabem o que é certo e errado, independe do fato concreto que estão vinculados. 
22. É quando os indivíduos olham para o fato concreto que eles cometem a 
corrupção, pois abandonam seus princípios do que é verdadeiro e justo 
23. Já que a lei é reflexo da vontade geral, toda lei vai ser justa 
24. O legislador é aquela pessoa de bom caráter que mostra as demais pessoas o que 
é a vontade geral. É uma pessoa excepcional, espécie de conselheiro que abre os 
olhos dos outros 
25. Já que ele pressupõe uma democracia direta, coloca a situação do exercício da 
soberania popular “o povo é soberano porque não cede e nem transfere seus 
direitos naturais, sempre permanece com ele” 
26. Quando o indivíduo cria a lei é chamado de soberano, quando a cumpre é 
chamado de súdito 
27. Os executores da lei são chamados de governo, mas no sentido de exercer uma 
função. 
28. Se garante assim a liberdade e igualdade (econômica), pois não há distinção de 
ricos e pobres de acordo a vontade geral, portanto, a lei criada garante o fim da 
desigualdade social 
29. 4 características da soberania: inalienável, indivisível, infalível e absoluta. 
30. Se toda essa hipótese altruísta der errado, a medida alternativa é que se deve 
surgir um ditador com paradigmas romanos, para solucionar o problema em 
determinado período 
31. Ele teria a função de levar as pessoas do estado de sociedade para o contrato 
social, e depois que o fizesse seria uma pessoa comum (essa teoria é alvo de 
muitas críticas) 
32. Revolução Francesa ocorreu com base nos pensamentos de Rousseau

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.