A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
MOBILIZAÇÃO ARTICULAR

Pré-visualização | Página 1 de 3

MOBILIZAÇÃO ARTICULAR 
 
OMBRO 
ART. GLENOUMERAL (G.U.) (usado para controle da dor 
e mobilidade geral): 
Paciente em decúbito dorsal, apoiando o abraço entre o tronco e o 
cotovelo do terapeuta. O terapeuta usa sua mão E para o ombro E, 
colocando-a na axila com o polegar anteriormente e os dedos 
posteriormente. Com a outra mão apoia o úmero lateralmente, 
movendo o úmero para fora. 
 
DESLIZAMENTO G.U. CAUDAL (usado para aumentar a 
abdução próxima de 90°): 
Paciente em decúbito dorsal, com o braço abduzido no final da 
ADM disponível, com rotação externa do úmero. O terapeuta deve 
estabilizar o braço (cotovelo) do paciente contra seu tronco e a 
outra mão estabilizar o ombro empurrando o úmero inferiormente. 
 
 
ELEVAÇÃO DA G.U. (usado para aumentar a elevação além 
de 90°): 
Paciente em decúbito dorsal, com o braço abduzido e elevado no 
final da ADM disponível, o úmero é rodado externamente até seu 
limite. O terapeuta ficará na mesma posição anterior e realizará 
uma força para baixo. 
 
 
DESLIZAMENTO G.U POSTERIOR (usado para aumentar 
a flexão; para aumentar a rotação interna): 
Paciente em decúbito dorsal, com o braço na posição de repouso. 
O terapeuta fica em pé de costas para o paciente, entre o tronco e 
o braço dele. Ele deve apoiar o braço contra seu tronco segurando 
o úmero distal com sua mão lateral. Posicionar a borda lateral da 
mão de cima distalmente a margem anterior da articulação, com 
os dedos apontados superiormente (fornece força mobilizadora), 
deslizando a cabeça umeral posteriormente. 
PROGRESSÃO DO DESLIZAMENTO POSTERIOR (usado para aumentar o 
deslizamento posterior quando a flexão se aproxima de 90°; para aumentar adução 
horizontal): 
Paciente em decúbito dorsal, com os braços fletidos em 90°, rodados internamente, com os 
cotovelos fletidos. Colocar uma toalha sobre a escápula, o terapeuta posiciona a mão sobre a 
diástase do úmero e a outra mão no cotovelo fletido para aplicar uma separação. Pode ser 
utilizada uma cinta entorno da pelve do terapeuta e do úmero do paciente para aplicar a força 
de separação. O terapeuta desliza o úmero posteriormente empurrando para baixo. 
 
DESLIZAMENTO G.U. ANTERIOR (usado para aumentar a 
extensão e rotação externa): 
Paciente em decúbito ventral, com o braço na posição de repouso 
na beira da maca, apoiado sobre a coxa do terapeuta. O terapeuta 
estabiliza o acrômio com uma toalha, ficando em pé de frente a 
cabeceira da maca com a perna perto da maca em posição de 
passada a frente. Posicionar a mão na borda ulnar distalmente ao 
ângulo posterior do acrômio, com os dedos apontados 
superiormente fornecendo a força mobilizadora deslizando a 
cabeça do úmero anteriormente e levemente medial. 
 
PROGRESSÕES DA ROTAÇÃO EXTERNA 
GLENOUMERAL (usado para aumentar a rotação 
externa): Ombro em posição de repouso, rode externamente o 
úmero até o final da ADM e então aplique uma separação 
perpendicular ao plano de tratamento. 
 
 
 
ARTICULAÇÃO ACROMIOCLAVICULAR 
DESLIZAMENTO ANTERIOR (usado para aumentar a 
mobilidade articular): 
Paciente sentado, o terapeuta fica em pé atrás do paciente 
fixando a escápula com a mão mais lateral ao redor do acrômio 
e estabilizando o acrômio com os dedos. O polegar empurra 
para baixo sendo colocado na clavícula, medialmente ao 
espaço articular. Com o polegar empurre a clavícula 
anteriormente. 
 
DESLIZAMENTO ESTERNOCLAVICULAR 
POSTERIOR E SUPERIOR (usado para aumentar o 
movimento de rotação (deslizamento posterior) e 
aumentar o movimento de depressão da clavícula 
(deslizamento superior): 
Paciente em decúbito dorsal, então o terapeuta coloca o 
polegar na superfície anterior da extremidade proximal da 
clavícula. Flexionando o dedo indicador e coloque a falange 
media ao longo da superfície caudal da clavícula para apoiar o polegar. Para o deslizamento 
posterior empurre com o polegar no sentido posterior; já no deslizamento superior empurre 
com o indicador no sentido superior. 
 
DESLIZAMENTO ESTERNOCLAVICULAR 
ANTERIOR E CAUDAL (usado para aumentar o 
movimento de prostração (deslizamento anterior) e 
aumentar para a elevação da clavícula (deslizamento 
caudal): 
Paciente em decúbito dorsal, então o terapeuta coloca os 
dedos superiormente e o polegar inferiormente, em torno da 
clavícula. Para mobilizar, o terapeuta usa os dedos e o polegar 
para levantar a clavícula anteriormente para um deslizamento anterior. Os dedos são 
pressionam inferiormente para um deslizamento caudal. 
 
MOBILIZAÇÃO ESCAPULOTORÁCICA (usado para 
aumentar os movimentos escapulares de elevação, 
depressão, prostração, retração, rotação e rotações para 
cima e para baixo e movimento alar): 
Paciente em decúbito lateral com o paciente de frente para o 
terapeuta. Então, o terapeuta apoia o peso do braço do 
paciente envolvendo-o com seu braço inferior e permitindo 
que fique pendurado, de modo que os músculos escapulares 
fiquem relaxados. O terapeuta cola sua mão superior ao redor do acrômio para contara a 
direção do movimento com os dedos da mão inferior, fazendo uma concha embaixo da borda 
medial e ângulo inferior da escápula. Ele move a escápula na direção desejada levantando o 
ângulo inferior ou empurrando o acrômio. 
 
COTOVELO E COMPLEXO DO ANTEBRAÇO 
ARTICULAÇÃO UMEROULNAR (UU) (usado para 
controle da dor, aumentar a flexão e extensão): 
Paciente em decúbito dorsal com o cotovelo na beira da 
maca. O terapeuta apoia o punho do paciente em seu ombro 
permitindo, que o cotovelo fique na posição de repouso ou 
ADM de flexão final para o tratamento. O terapeuta coloca 
os dedos da mão medial sobre a região proximal da ulna e 
superfície volar reforçando com a outra mão. Estando na 
ADM final de extensão, ficando em pé coloque a base da 
mão proximal sobre a porção proximal da ulna e apoie o antebraço distal com a outra mão. O 
terapeuta força contra a ulna proximal em um ângulo de 45° com o corpo do osso. 
 
DESLIZAMENTO UMEROULNAR DISTAL (usado para aumentar a flexão): 
Paciente em decúbito dorsal com o cotovelo na beira da maca. Começando com a posição de 
repouso, então progredindo com a ADM final de flexão. O terapeuta coloca os dedos da mão 
medial sobre a região proximal da ulna reforçando com a outra mão. Então ele aplica uma 
força de separação na articulação no ângulo de 45° com a ulna, mantendo a separação 
direcionando a força no sentido distal fazendo um movimento curvo. 
 
DESLIZAMENTO UMEROULNAR NO SENTIDO RADIAL (usado para aumentar o 
varo): 
Paciente em decúbito lateral sobre o braço a ser mobilizado, com o ombro rodado lateralmente 
e o úmero apoiado na maca. Começando com a posição de repouso, então progredindo com a 
ADM final de flexão. O terapeuta posiciona a base de sua mão proximal perto da região distal 
do cotovelo, apoiando o antebraço distal com a outra mão, forçando contra a ulna no sentido 
radial. 
 
DESLIZAMENTO UMEROULNAR NO SENTIDO ULNAR (usado para aumentar o 
valgo): 
A mesma posição do anterior, porém colocando uma toalha por baixo na região proximal do 
antebraço para estabilização. Começando com a posição de repouso, então progredindo com a 
ADM final de extensão. O terapeuta forçará contra a região distal do úmero no sentido radial, 
fazendo com que a ulna deslize no sentido ulnar. 
 
SEPARAÇÃO UMERORRADIAL (usado para 
aumentar a mobilidade da articulação e deslocamento 
proximal do rádio): 
Paciente em decúbito dorsal ou sentado, com o braço apoiado 
na maca. O terapeuta se posiciona ao lado ulnar do antebraço 
do paciente, ficando entre o quadril e o antebraço. Ele 
estabilizará o úmero com