Sociologia Clássica - Durkheim, Weber e Marx
108 pág.

Sociologia Clássica - Durkheim, Weber e Marx


DisciplinaSociologia da Comunicação148 materiais1.816 seguidores
Pré-visualização38 páginas
eles que ainda nos ajudam a pensar a 
realidade do mundo de hoje; pois é isto que faz com que Durkheim, Weber e Marx sejam 
considerados \u201cclássicos\u201d da sociologia. Foi para responder quais são estas \u201cquestões\u201d e, 
qual sua relação com a \u201crealidade do mundo de hoje\u201d que concebemos este trabalho. Ao 
longo destas linhas, vamos convidá-lo a conhecer em profundidade cada um destes autores 
e perceber de que modo suas teorias e interpretações apontam para as características do 
mundo moderno e de nossa própria vida individual.
1. Método de estudo
Além de apontar para atualidade dos clássicos da sociologia, também é nossa 
intenção oferecer-lhe uma nova maneira de estudar e compreender estes autores. Existem 
muitos trabalhos sobre este tema e responder a questão da validade dos clássicos está longe 
de ser um tema novo. Logo, nosso trabalho não pode cair na mera repetição do que já foi 
exaustivamente explicado. 
Porém, como novas leituras sempre são possíveis, pretendemos oferecer neste texto 
uma interpretação dos clássicos da sociologia à partir de três eixos fundamentais: 
(1) suas contribuições teórico - metodológicas ,
(2) suas interpretações à respeito do surgimento e do caráter da sociedade moderna, 
(3) suas diferentes propostas políticas. 
Longe de simplesmente repetir o que outros textos esclarecem , estas três dimensões 
de análise vão nos permitir dar um tratamento novo ao conteúdo da obra dos clássicos. 
Para entender esta proposta de estudo, é importante situá-la em relação a outras 
abordagens.
 Normalmente, o estudo da sociologia clássica é realizado segundo duas perspectivas: 
uma de caráter histórico e outra de caráter sistemático. Na primeira, o pensamento do autor 
é apresentado de acordo com sua evolução interna, acompanhando a própria construção 
cronológica de sua teoria. Apesar de nos parecer a mais adequada e mais fiel para entender 
a obra de cada autor, é um método bem mais complexo e que requer um desenvolvimento 
mais demorado. Outra perspectiva, bastante comum, busca apresentar um quadro 
sistemático do pensamento do autor estudado. Neste método, abstrai-se da história de 
construção do pensamento do autor e se apresenta uma síntese final de sua teoria. 
Tomando estes dois esquemas como parâmetros, podemos dizer que este trabalho 
adota uma perspectiva de estudo sistemático. Portanto, neste ensaio, pretendemos 
apresentar um esquema que possibilite uma compreensão global e unitária dos aspectos 
1 GIDDENS, Anthony. Política, sociologia e teoria social. São Paulo: UNESP, 1998, p. 15. 
5
mais importantes das obras dos autores estudados. Todavia, a inovação que gostaríamos de 
introduzir no estudo sistemático dos clássicos da sociologia é uma maior atenção ao seu 
aspecto comparativo. Ou seja, trata-se de apresentar um esquema teórico que permita ao 
estudante uma possibilidade de comparação entre os autores destacados. Pretende-se realçar 
especialmente as semelhanças e diferenças de cada teoria, em relação à aspectos que lhes 
sejam comuns, e que permitam uma avaliação crítica dos mesmos. 
E é justamente em relação aos três aspectos acima mencionados, que nos parece 
residir a contribuição fundamental da obra de Durkheim, Weber e Marx. Cada um deles, (i) 
apresentou um aparato de conceitos e teorias para a interpretação da realidade social, (ii) 
formulou uma explicação para o mundo moderno e (iii) inspirou diferentes 
posicionamentos políticos diante da realidade social. Em outras palavras, se o primeiro 
eixo representa a contribuição teórico-analítica destes autores, o segundo representa sua 
contribuição teórico-empírica e, finalmente, o terceiro eixo diz respeito a dimensão 
teórico-política. Enquanto o primeiro eixo se preocupa em construir um caminho de 
interpretação da realidade (uma teoria sociológica), o segundo representa os resultados da 
pesquisa (ou seja, uma teoria da modernidade) e o terceiro uma teoria política, ou uma 
proposta de intervenção na própria realidade social.
Em resumo, é pelos caminhos teóricos que lançaram, pelas interpretações que fizeram 
e pelas opções que inspiraram, que Durkheim, Weber e Marx tornaram-se uma via 
fundamental para quem quer prosseguir na tarefa apaixonante da sociologia: descrever e 
explicar os fenômenos sociais. 
2. Organização do texto
Tendo em vista esta proposta, nosso estudo começa fazendo algumas considerações 
sobre as origens da sociologia e uma análise daquele que é considerado o pai - fundador 
desta ciência: Augusto Comte. No primeiro capítulo, cada uma das dimensões de análise 
que servirão de referência para o estudo dos clássicos será devidamente detalhada. Neste 
capítulo, vamos esclarecer ao estudante, em minúcias, em que medida a dimensão teórico-
analítica, a dimensão teórico-empírica e a dimensão teórico-política vão nos fornecer um 
roteiro de análise da teoria social clássica.
No restante do livro, dedicamos um capítulo para cada um dos fundadores da 
sociologia, sempre buscando suas teorias sociológicas, suas análises do mundo moderno e 
suas propostas políticas. No início de cada um destes capítulos, apresentamos uma resenha 
da vida e das obras de cada autor e, no final, uma breve bibliografia complementar (entre 
livros e artigos especializados) é sugerida, para que o próprio estudante possa enriquecer 
seus estudo com outras fontes e aprofundar os temas em questão. 
Finalmente, o último capítulo do texto tem como objetivo realizar uma análise crítica 
e comparativa entre Durkheim, Weber e Marx. Neste capítulo final, vamos retomar cada 
um dos aspectos da obra destes autores, buscando no confronto entre eles seus limites e 
contradições, bem como seus acertos e contribuições. 
Para terminar, gostaríamos ainda de esclarecer duas outras questões. 
6
Em primeiro lugar, é importante destacar que este texto tem uma preocupação 
especialmente didática. Como dissemos, seu \u201clugar de origem\u201d é a sala de aula, na 
discussão com alunos preocupados em entender os conceitos fundamentais da sociologia e, 
a partir deles, pensar a realidade no qual estamos inseridos. Procuramos sempre 
desenvolver uma linguagem simples e acessível, fazendo largo uso de metáforas, exemplos 
e esquemas diversos. Nossa preocupação é oferecer ao estudante uma porta de entrada ao 
estudo dos clássicos, sempre conscientes das limitações redutoras deste tipo de trabalho; 
bem como da necessidade de encaminhar o aluno a textos mais profundos e, acima de tudo, 
à leitura das obras dos próprios clássicos da sociologia.
Esta preocupação didática, por sua vez, nasce de uma profunda empatia com a obra 
dos clássicos, seja pelo esforço destes autores em entender a vida social moderna ( em sua 
totalidade e em suas características particulares), pela suas tentativas de elaborar categorias 
e teorias para abordar a realidade social e, enfim, pelo empenho e contribuição que cada 
um deles deu para a construção da sociologia como ciência e como atividade profissional. 
A leitura dos clássicos é sempre uma fonte rica para quem deseja compreender a atividade 
do sociólogo, partilhar suas preocupações e continuar suas atividades.
Enfim, o que esperamos, é que este trabalho desperte no leitor o mesmo interesse 
que nos move (e a tantos outros estudiosos) para retomar o estudo dos clássicos da 
sociologia, na busca de compreensão do mundo contemporâneo. Ao mesmo tempo, que 
este trabalho possa conduzir o estudante na compreensão dos aspectos fundamentais da 
teoria social clássica, possibilitando-lhe uma chave de leitura que o introduza nos primeiros 
passos no estudo da sociologia. Se este trabalho, ainda que de forma humilde, puder 
alcançar o objetivo de abrir-nos uma porta de entrada