Nutrição Animal 2
19 pág.

Nutrição Animal 2


DisciplinaNutrição Animal1.600 materiais30.992 seguidores
Pré-visualização6 páginas
a sua absorção no trato digestivo e 
cumprem a mesma função metabólica no tecido ou na célula. 
Entre os minerais orgânicos não existe antagonismo, somente sinergia, por isso tem melhor 
aproveitamento. 
\u2212 Minerais orgânicos retidos na estrutura dos animais \u2013 Mineralização correta 
\u2212 Minerais inorgânicos excretados nas fezes \u2013 Mineralização deficiente 
 
 
 
 
3. Aplicabilidade dos Aditivos Alimentares nas Dietas e Rações Comerciais 
Os aditivos são substâncias não nutritivas utilizadas nas rações para modificar beneficamente as 
características químicas, físicas, microbiológicas e sensoriais das rações (BERTECHINI, 2012). 
O uso de microingredientes tem por finalidade a prescrição de fórmulas racionais e 
tecnologicamente corretas, assegurando nutrição sustentável e economicamente viável. 
 
\ufffd Objetivos 
Garantir que os nutrientes ingeridos sejam digeridos e protegidos da destruição, absorvidos e 
transportados para as células do organismo, otimizando o desempenho animal. É comum a inclusão 
de microingredientes NÃO fornecedores energia aos animais, mas que possuem e conferem 
propriedades e/ou características desejáveis as formulações dietéticas comerciais. 
 
\ufffd Conceito 
\u201cSubstâncias adicionadas às dietas e rações em pequenas quantidades, com funções (prónutricionais, 
condicionadoras e/ou profiláticas), não sendo prejudiciais aos animais e não deixando resíduos nos 
produtos de consumo, desde que prescritos racionalmente\u201d (BUTOLO & FEED ADDITIVE 
COMPENDIUM, 1998). 
 
\ufffd Classificação 
 
PROMOTORES DE ABSORÇÃO (PRÓ-NUTRIENTES): Conferem otimização no desempenho animal; 
COADJUVANTES (SUBSTÂNCIAS AUXILIARES): Atuam sobre as propriedades organolépticas, 
armazenamento e mistura dos ingredientes; 
PROFILÁTICOS: Utilizados de maneira geral para controlar e/ou combater doenças. 
 
 
Acidificantes: adicionados à dieta para reduzir o pH estomacal com o objetivo de facilitar a digestão 
e controlar a microbiota; 
Adsorventes: substâncias não absorvidas no intestino, ligando-se quimicamente as micotoxinas, 
desativando-as e promovendo seu transporte ao longo do trato intestinal até sua excreção; 
Aglutinantes: substâncias naturais ou artificiais que auxiliam e melhoram o processo de peletização 
das rações, aumentando a qualidade e durabilidade dos peletes; 
Anticoccidianos: compostos químicos que adicionados as rações previnem o aparecimento de 
coccidiose; 
Antifúngicos: previnem e/ou eliminam a presença de fungos em matérias primas e/ou rações; 
Antioxidantes: previnem a oxidação lipídica, retardando a deterioração, rancificação e perda da 
coloração dos tecidos cárneos; 
Conservantes: inibem e/ou controlam o crescimento bacteriano nos ingredientes e/ou rações; 
Aromatizantes conferem aroma; 
Palatabilizantes: modificam o paladar dos produtos destinados a alimentação animal, melhora a 
aceitação e o consumo; 
Pigmentantes: substâncias naturais ou artificiais que conferem ou intensificam a cor aos produtos 
destinados a nutrição animal; 
Enzimas: promovem hidrólise dos componentes dos alimentos tornando os nutrientes mais 
disponíveis para a absorção; 
Probióticos: bactérias fornecidas através da dieta, estabelecem microbiota capaz de competir pelos 
sítios de ligação no intestino delgado; 
Prebióticos: ingredientes não digeríveis, estimulam seletivamente o crescimento e/ou atividade de 
uma ou mais espécies bacterianas no intestino delgado; 
Simbióticos: aliam conjuntamente os microrganismos com substâncias específicas, estimulando o 
desenvolvimento e a atividade intestinal; 
Antibióticos: produtos quimicamente sintetizados que inibem o crescimento de certas bactérias; 
Desodorizantes: substâncias adicionadas nas rações, com a finalidade de reduzir o mau cheiro 
provocado pelas fezes.