A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
artigo psicanalise faveni

Pré-visualização | Página 1 de 5

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU
NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO
FAVENI
PERSONALIDADE COMPORTAMENTAL: TRANSTORNO DE DÉFICT DE ATENÇÃO
ELIAS VALÉRIO DAMASIO
BELO HORIZONTE 2018
PERSONALIDADE COMPORTAMENTAL: TRANSTORNO DE DÉFICT DE ATENÇÃO
ELIAS VALÉRIO DAMASIO
Artigo científico apresentado a FAVENI como
 					Requisito parcial para a obtenção do título de 
Especialista em psicanálise 
BELO HORIZONTE 2018	
PERSONALIDADE COMPORTAMENTAL: TRANSTORNO DE DÉFICT DE ATENÇÃO
¹Elias Valério Damásio
RESUMO: O Transtorno de Défice de Atenção e Hiperatividade (TDAH) ou é um transtorno mental do neuro desenvolvimento no qual se verificam diversos problemas significativos de atenção, hiperatividade ou impulsividade que não são apropriados para a idade da pessoa. 
O diagnóstico requer que os sintomas tenham início entre os seis e doze anos de idade e que persistam por mais de seis meses. Nas crianças em idade escolar, os sintomas de déficit de atenção muitas vezes estão na origem de mau desempenho escolar. Apesar de ser o mais estudado transtorno psiquiátrico em crianças e adolescentes, na maioria dos casos a causa é desconhecida. 
Palavra-Chave: Adolescentes; Medicação; Psicológicos.
ABSTRACT: Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) is a mental disorder of neurodevelopment in which there are several significant problems of attention, hyperactivity or impulsivity that are not appropriate for the person's age. 
The diagnosis requires that the symptoms begin between six and twelve years of age and persist for more than six months. In school-aged children, symptoms of attention deficit are often the cause of poor school performance. Despite being the most studied psychiatric disorder in children and adolescents, in most cases the cause is unknown.
Keyword: Adolescents; Medication; Psychological.
¹Minicurriculum do Autor – Graduado em Teologia pela Faculdade Unida da Vitória
Graduado em Licenciatura plena em Filosofia pela Faculdade Entre Rios do Piaui FAERP
Professor de Teologia no Instituto Educacional Teológico Valerius 
Pós graduado em Teologia e Direitos Humanos pela FAVENI
E-mail: eliasdamasiovalerio@gmail.com
1. INTRODUÇÃO
É com o intuito de fazer uma descrição criteriosa do transtorno mental mais comum na infância, o presente trabalho discorrerá sobre o Transtorno de déficit de atenção e Hiperatividade – TDAH enfatizando a importância do diagnóstico responsável e tratamentos que auxiliam a evolução dessas crianças bem como a necessidade da integração escola, responsáveis e profissionais das áreas de saúde.
As características do Transtorno de déficit de atenção e Hiperatividade – TDAH é facilmente confundida com outros problemas comuns na idade escolar. Assim, um diagnóstico preciso que engloba diversas áreas do conhecimento é necessário, a fim de evitar o excesso de prescrição de medicamentos estimulantes para crianças e adolescente erroneamente diagnosticados com TDAH. 
Atualmente é exorbitante o número de crianças em idade escolares classificadas como hiperativas, tem crescido de forma assustadora. Observa- se que muitos desses diagnósticos estão equivocados, pois são realizados por profissionais não qualificados que adotam o procedimento incorreto e não consideram o meio social daqueles escolares.
Os principais sintomas a ser analisados no Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade, são a desatenção, hiperatividade e impulsividade que tendem a se manifestar com grande intensidade, na maioria dos casos na fase do desenvolvimento da criança. Portanto, não é possível compreender o comportamento gerador de baixo rendimento escolar apenas como um problema clínico ficando restrito ha um diagnóstico e concluir que a solução são medicamentos, isso significa transferir aos médicos toda a responsabilidade pela aprendizagem.
Vale ressaltar que nem toda criança agitada ou que não se concentra em classe é hiperativa ou tem déficit de atenção. Muito pelo contrário. Na maioria dos casos, trata-se de características comuns a essa etapa da vida. O entusiasmo, a energia precisa ser aplicada em brincadeiras e esportes faz parte do crescimento. Não pode ser natural e conveniente para pais e professores que tem filhos e alunos com problemas de comportamento já rotular com um transtorno sem uma investigação adequada.
O TDAH só pode ser atestado por um médico, após investigar a criança e conversar com todo o circulo social daquele paciente. A análise deve ser criteriosa, é preciso que psiquiatras, psicólogos, pediatras, professores e responsáveis enxerguem que a saúde mental dos estudantes, bem como todo o seu desenvolvimento acadêmico e social está diretamente ligada a um diagnóstico correto e como consequências a tratamentos eficazes para cada caso
2. A CIÊNCIA DAS EMOÇÕES FAMÍLIA E AMIGOS
	As atitudes que o ser humano tem no decorrer da sua existência, normalmente se da por algum fato que aconteceu na sua infância. Quando a pessoa se torna agressiva, quieta, tímida, com vontade de proporcionar o mal a todos que o cerca, é porque presenciou cenas marcantes na sua infância e adolescência, coisas que o atingiu psicologicamente.
	Observamos as atitudes de duas crianças, uma adotada e a outra filho legitimo, o filho adotivo tem de tudo o que o dinheiro pode dar, tem amor familiar, carinho, boa educação, entre outros, no entanto tem uma agressividade repulsiva com todos os que o cerca. Essa atitude que esta criança tem com seus pais adotivos e sua atual família, não é por falta de amor, mais sim, por indignação com os pais de sangue. O psicológico dessa criança ficou abalado por ter sido deixada em um orfanato. Nem todos reagem da mesma forma, há magoas, raiva, entre outros sentimentos que provoca reações adversas ao comportamento normal de uma criança em um ambiente familiar estruturado. 
Já com o filho legitimo o tratamento é igual, suas reações são favoráveis a uma boa índole, no entanto prevalece o ciúme, insegurança, sentimentos bons e ao mesmo tempo ruins, bons porque o faz ser mais amoroso e ruins porque não há previsão sobre seu futuro.
Observa-se que toda ação tem uma reação, as pessoas nem sempre são como são por opção, mas torna-se reflexo do seu passado, e com seu passado aprenderam a não confiar, tem medo, ser inseguro e muitas vezes se torna uma má pessoa. Uma forma de ajudar é tendo um acompanhamento psiquiátrico desde sua infância, para não ocasionar problemas sérios no futuro.
2.1. HISTÓRICO SOBRE OS PRIMEIROS RELATOS DO TRANSTORNO DE DÉFICT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE.
Os primeiros relatos na história dos sintomas atualmente conhecidos como Transtorno de Déficit de Atenção-TDAH remetem há um período anterior a Jesus Cristo, mais precisamente no ano de 493 a.C., segundo o D., Texeira (2011):
‘’O filósofo e médico Hipócrates descreveu pacientes que apresentavam comportamento impulsivo e baixa capacidade de concentração. O médico atribuiu essa condição a um desequilíbrio do fogo em relação à água.’’ 
Posteriormente já passados séculos, novamente em 1798 houve se falar numa inquietação cerebral, na obra do médico escocês Alexander Crichton explicou como ela poderia prejudicar a aprendizagem das crianças denominando doença da atenção. 
Em 1845 outra importante publicação do alemão Heinrich Steuwwwelpeter, descreve o comportamento de um menino desatento, agitado e inquieto em seu livro.
Contudo, o marco histórico dos estudos com as primeiras discrições sobre os transtornos com o nome de hipercinéticos ocorreu em 1902, quando o pediatra inglês George Still, considerado o pai da pediatria britânica numa palestra no, Royal College of Physicians faz a primeira descrição médica do TDAH. Ele foi quem primeiro vinculou o transtorno da atenção a um defeito da vontade inibitória e quem ofereceu as bases clínicas do diagnóstico do TDAH.
As análises de Still considerou um grupo de crianças classificadas conforme suas características, mencionado no artigo da Pós Doutora Luciana Viera