FARMACOLOGIA 01 - Introdução a Farmacologia - MED RESUMOS 2011
8 pág.

FARMACOLOGIA 01 - Introdução a Farmacologia - MED RESUMOS 2011


DisciplinaFarmacologia Médica Básica24 materiais563 seguidores
Pré-visualização5 páginas
OBS³ - Absorção e 
pH dos fármacos). A motilidade pode ser influenciada por medicamentos (Ex: atropina: inibe a motilidade por ser 
um bloquador muscarínico) ou pela própria alimentação (Ex: alimentos ricos em fibras aumentam a peristalsia);
\uf0fc Fluxo sangüíneo esplâncnico: importante por distribuir os fármacos depositados no TGI para a via sistêmica;
\uf0fc Tamanho das partículas e formulação farmacêutica. É importante que a cápsula de medicamentos encapsulados 
não seja retirada para a sua administração pois ela participa de uma série de cálculos farmacológicos 
relacionados com a sua absorção no momento e local certo.
\uf0fc Fatores físico-químicos: caráter ácido ou básico do fármaco (ver OBS³ - Absorção e pH dos fármacos).
OBS4: Os movimentos gastrointestinais podem reduzir (antagonistas muscarínicos, por exemplo) ou aumentar a 
absorção (pró-cinéticos aumentam). A presença de alimentos ou distúrbios que provoquem estase gástrica podem 
retardar a absorção.
OBS5: Vantagens e desvantagens da administração enteral via oral:
Vantagens Desvantagens
\uf0fc Auto-administração;
\uf0fc Econômica;
\uf0fc Indolor;
\uf0fc Confortável;
\uf0fc É possível remover o medicamento;
\uf0fc Efeitos locais e sistêmicos;
\uf0fc Absorção pode ser ineficiente;
\uf0fc Período de latência médio a longo prazo;
\uf0fc Ação dos sucos digestivos;
\uf0fc Sabor;
\uf0fc pH do meio pode alterar;
\uf0fc Pode sofrer efeito de primeira passagem.
VIA ENTERAL SUBLINGUAL
A via sublingual se baseia na administração do fármaco através dos capilares sublinguais. É quase remota a 
possibilidade de o fármaco sofrer efeito de primeira passagem por essa via. É útil quando:
\uf0fc O fármaco é instável em pH gástrico;
\uf0fc Existe necessidade de resposta rápida: embora seja uma região pequena, é bastante vascularizada, o que faz 
com que o fármaco entre na sua totalidade imediatamente para a via sistêmica sem que haja um efeito de 
primeira passagem no fígado. Com isso, a biodisponibilidade de fármacos administrados via sublingual é quase 
que totalmente constante, salvo em casos de deglutição de parte do medicamento.
\uf0fc Quando o fármaco é rapidamente metabolizado pelo fígado, chegando em nível sistêmico, pouca concentração 
desse fármaco. Administrados dessa maneira, eles escapam do efeito de primeira passagem.
Arlindo Ugulino Netto \u2013 FARMACOLOGIA \u2013 MEDICINA P3 \u2013 2008.2
5
VIA ENTERAL RETAL
A via enteral retal pode ser utilizada para f‡rmacos que devem produzir 
um efeito local (Ex: supositˆrio de glicerina que amolece as fezes, evitando a 
constipa…„o) ou mesmo efeitos sistêmicos. Este tipo de administra…„o, 
entretanto, n„o  muito confi‡vel (pois depende muito dos movimentos 
perist‡lticos e da posi…„o do medicamento), mas  ‰til para pacientes em quadro 
emtico ou incapazes de tomar a medica…„o oral.
Pela via retal, h‡ 50% de possibilidade do f‡rmaco sofrer efeito de 
primeira passagem, dependendo de qual rota venosa o f‡rmaco pode levar: uma 
que v‡ ao sistema porta para sofrer metabolismo de primeira passagem ou outra 
rota que o leve diretamente ao cora…„o.
VIA PARENTERAL INDIRETA
Mtodo de administra…„o em que o f‡rmaco  depositado de maneira \u201cparalela\u201d ao TGI e essa deposi…„o n„o 
seja por meio de uso de inje…†es. F‡rmacos podem ser administrados da seguinte maneira: Cut‚nea, Sprays nasais, 
Colƒrios, Inala…„o, etc. 
A grande vantagem de se administrar o medicamento de forma parenteral indireta  que o f‡rmaco geralmente 
age diretamente no local de seu sƒtio de a…„o, sem que seja necess‡rio passar por efeitos de primeira passagem, o que 
implica que pouca quantidade (porm efetiva) do f‡rmaco dever‡ ser utilizado. 
VIA PARENTERAL DIRETA
Mtodo de administra…„o em que o f‡rmaco  depositado de maneira \u201cparalela\u201d ao TGI, mas por meio do uso de 
inje…†es. 
Vantagens Desvantagens
\uf0fc A…„o r‡pida do f‡rmaco;
\uf0fc Muito utilizadas em emerg€ncias;
\uf0fc N„o necessita da colabora…„o do 
paciente;
\uf0fc Permite reposi…„o r‡pida de 
lƒquidos eletrˆlitos.
\uf0fc Alto custo; 
\uf0fc Alto risco; 
\uf0fc Inconveniente e desconfort‡vel para o 
paciente.
\uf0b7 Injeção intradérmica: Via utilizada para testes alrgicos; Usa-se geralmente a por…„o interna do bra…o; Volume 
a ser ejetado  de 0.06 a 1 mL.
\uf0b7 Injeção subcutânea: Ž administrada no espa…o subcut‚neo abaixo da derme; Volume a ser injetado  de 0,3 a 
1mL; As drogas n„o devem ser irritantes; Administra-se solu…†es aquosas e oleosas; Deve-se ter cuidado para 
n„o atingir nenhum vaso.
\uf0b7 Injeção intramuscular: Usa-se agulhas de maior calibre devido a viscosidade do material a ser injetado; Volume 
a ser injetado  de no m‡ximo 10mL; Possui alta absor…„o por se tratar de uma ‡rea bem vascularizada.
\uf0b7 Injeção intravenosa: vantagens: Administra…„o de grandes volumes de lƒquidos e de solu…†es hipertnicas, 
mesmo certos tipos de subst‚ncias irritantes (ex: KCl); desvantagens: aparecimento mais r‡pido dos efeitos 
colaterais; sobrecarga cardƒaca por infus„o de grandes volumes de lƒquidos.
\uf0b7 Injeção intrarraquídea: Utiliza-se para efeitos no S.N.C.
o Via subaracnoidea ou intra-tecal - Inje…„o no espa…o sub-aracnˆide atravs de agulha de pun…„o lombar.
o Via epidural ou peridural \u2013 inje…„o entre a dura-m‡ter e a parede do canal raquidiano
OBS6: Fatores que limitantes da velocidade de absor…„o
\uf0fc Difus„o pelo tecido;
\uf0fc Fluxo sangƒneo: Hipervolemia, aumenta a absor…„o; Insufici€ncia circulatˆria diminui a absor…„o; Uso de 
vasoconstritores, diminui a absor…„o; Modifica…†es das caracterƒsticas fƒsicas de uma prepara…„o, pode 
aumentar ou diminuir.
OBS7: Anestsicos locais geralmente s„o utilizados associados a vasoconstrictores (como a epinefrina) para que se 
aumente o tempo do efeito da anestesia. O anestsico age sobre a fibra nervosa, evitando a sua despolariza…„o sob 
estƒmulo nociceptivo, e o vasoconstrictor, ao diminuir a luz do vaso, prolonga a presen…a do anestsico no local de a…„o.
DOSIMETRIA
Um dos mais importantes estudos da farmacocintica  a dosimetria dos f‡rmacos. Os f‡rmacos geralmente 
est„o disponƒveis no mercado na forma de solventes que os contm como solutos. Isso significa dizer que em uma 
ampola de 20 mL de um determinando f‡rmaco, o princƒpio ativo est‡ em propor…†es de massa e volume muito 
menores, designado na forma de porcentagem. 
Arlindo Ugulino Netto \u2013 FARMACOLOGIA \u2013 MEDICINA P3 \u2013 2008.2
6
Cabe ao profissional converter, por meio de fórmulas da dosimetria, esta porcentagem em massa, determinando, 
assim, a massa de um fármaco presente naquela quantidade de solvente na ampola. Isso é importante ainda mais 
quando se fala de dose tóxica de um fármaco, que geralmente é dada da unidade de mg/kg, isto é, quantas mg do 
fármaco é tolerável para cada kg do paciente.
A fórmula para calcular a massa total de um fármaco em um recipiente é a seguinte:
Ex: Aplicação clínica com a lidocaína. Utilizaremos a lidocaína (Xilocaína®), anestésico local mais utilizado no meio 
médico, como protótipo para fins didáticos. A Xilocaína® é comumente comercializada em ampolas de 20 mL 2%. Como 
vimos anteriormente, a dose tóxica de Xilocaína® com vasoconstrictor é 10 mg/kg e sem vasoconstrictor é 7 mg/Kg. 
Sabendo esses dados, pergunta-se: até quantos mL de lidocaína sem vasoconstrictor podem ser injetados em um 
paciente com 50 kg?
Lembrando dos preceitos de dosimetria, temos a seguinte solu€o:
i. Quantos grama de lidoca‚na temos em uma ampola de 20 mL a 2%?
20 mL x 2% = 0,4g = 400 mg\uf0e0Hƒ 400 mg de lidoca‚na no frasco de 20 mL a 2%.
ii. Qual a dose t„xica para o paciente de 50 kg?
Se a dose t„xica s/ vasoconstrictor … 7mg/kg, temos: 50 kg x 7 mg = 350 mg\uf0e0 dose t„xica para paciente de 50 kg.
iii. Sabendo quantos grama de lidoca‚na temos em um frasco de 20 mL (400mg) e sabendo que a dose t„xica de lidoca‚na para 
um paciente de 50 kg … 350 mg temos, por meio de uma regra de tr†s simples:
20 mL \u2013 400 mg
x \u2013 350 mg
x=17,5 mL; isto …, podemos administrar at… 17,5 mL de lidoca‚na em paciente