FARMACOLOGIA 06 - Medicamentos antiinflamatórios esteroidais
10 pág.

FARMACOLOGIA 06 - Medicamentos antiinflamatórios esteroidais


DisciplinaFarmacologia Médica Básica24 materiais563 seguidores
Pré-visualização6 páginas
g‰nica da colagenase, enzima respons…vel por degradar o col…geno, substŒncia 
de extrema importŒncia na cicatriza‚ƒo.
PRINCIPAIS EFEITOS ADVERSOS
\uf0fc Susceptibilidade a infec‚Šes, mesmo por microorganismos normalmente in€cuos ou pouco agressivos (Ex: 
leveduras, candid†ase).
\uf0fc Repara‚ƒo de ferimentos mais lenta.
\uf0fc Maior probabilidade de surgirem ferimentos por diminui‚ƒo da actividade dos fibr€citos.
\uf0fc Perda de massa €ssea devido Ž inibi‚ƒo da fun‚ƒo dos osteoblastos.
Arlindo Ugulino Netto \u2013 FARMACOLOGIA \u2013 MEDICINA P4 \u2013 2009.1
7
\uf0fc Hipercoagulabilidade do sangue.
\uf0fc Desordens menstruais.
\uf0fc Supressão da capacidade do doente de fabricar o seu próprio cortisol 
devido à atrofia do córtex da adrenal por feedback negativo.
\uf0fc Osteoporose
\uf0fc Perda da massa muscular, fraqueza.
\uf0fc Cataratas.
\uf0fc Face em lua: alteração da conformação devido à perda de musculo e 
modificação da depoisição da gordura.
\uf0fc Obesidade
\uf0fc Euforia alternada com depressão.
\uf0fc Hipertensão intracraniana benigna
\uf0fc Glaucoma.
\uf0fc Diminuição do uso da glicose; hiperglicémia; estimulo da 
gliconeogénese. Aumento do catabolismo protéico com perda de 
massa muscular. Aumento do uso dos lípidos como fonte de energia.
\uf0fc Redistribuição do tecido adiposo (gordura) da periferia (nádegas e 
membros) para o centro (abdominal e peritoneal).
\uf0fc Hipernatrémia com aumento da tensão arterial
\uf0fc Hipocaliémia
\uf0fc Perda de cálcio.
\uf0fc Síndrome de Cushing iatrogénico (causado pelo medicamento).
PRINCIPAIS REPRESENTANTES DO GRUPO DOS GLICOCORTIC†IDES
\uf0b7 Hidrocortisona (Acetato de Hidrocortisona®, Androcortil®, Otosporin®, Cortisonal®, etc.): fármaco usado 
para substituição de cortisol, quando há déficites na sua produção normal. Quando biotransformada, é inativada.
\uf0b7 Cortisona: tem efeitos mineralocorticóides acentuados. 
\uf0b7 Corticosterona
\uf0b7 Dexametasona (Maxtrol®, Decadron®): pouco efeito mineralocorticóide. O Decadron® é bastante utilizado, 
juntamente à adrenalina, para tratar edema de glote secundário à reação anafilática.
\uf0b7 Betametasona: pouco efeito mineralocorticóide. O Diprospan® (dipropionato de betametasona + fosfato 
dissódico de betametasona) é um corticóide de absorção rápida utilizado para casos emergenciais de reações 
alérgicas do tipo anafilactóide.
\uf0b7 Prednisona: para se tornar ativa, deve ser biotransformado pelo citocromo P450, convertendo-se em 
prednisolona. 
\uf0b7 Prednisolona (Predsim®): primeira escolha na inflamação sistêmica. Consiste no metabólito ativo 
biotransformado da prednisona.
\uf0b7 Metilprednisolona
\uf0b7 Budesonide: usado na pele (creme) e como aerosol na asma e rinite alérgica. 
\uf0b7 Beclometasona: usado na pele e como aerosol na asma e rinite alérgica. 
…NDICE FARMACOL†GICO DESENVOLVIDO
HIDROCORTISONA
\uf0b7 Propriedades. Corticosteróide, Antiinflamatório esteróide e Imunossupressor.
\uf0b7 Indicações. Insuficiência adrenocortical aguda ou primária crônica, doenças alérgicas, doenças do colágeno, anemia 
hemolítica adquirida, anemia hipoplástica congênita, trombocitopenia secundária em adultos, doenças reumáticas, doenças 
oftálmicas, tratamento do choque. Doenças respiratórias, neoplásicas (manejo paliativo de leucemias e linfomas em adultos, 
e de leucemia aguda na infância), estados edematosos, doenças gastrintestinais (para ajudar o paciente a superar períodos 
críticos em colite ulcerativa e enterite regional), triquinose com compromisso do miocárdio. Tratamento dermatológico em 
crianças e lesões de face.
\uf0b7 Posologia. Adultos comprimidos/suspensão oral: 20 a 240mg/dia em dose única ou dividida em várias ingestões. Doses 
pediátricas insuficiência adrenocortical: 0,56mg/kg/dia ou 15 a 20mg/m 2/dia. Em crianças, a dose é determinada mais em 
função da gravidade do estado e da resposta do paciente do que pela idade ou peso corporal. Forma parenteral IM em 
adultos: 15 a 240mg/dia. Doses pediátricas: insuficiência adrenocortical IM, 0,56 mg/kg/dia. Outras indicações: IM, 0,66 a 
4mg/kg a cada 12 ou 24 horas. Adultos: injeção intra-articular, 5 a 75mg a cada 2 ou 3 semanas. 
Arlindo Ugulino Netto \u2013 FARMACOLOGIA \u2013 MEDICINA P4 \u2013 2009.1
8
\uf0b7 Reações adversas. O risco de que sejam provocadas reações adversas com doses farmacológicas aumenta com a duração 
do tratamento ou com a freqüência da administração, e em menor grau com a dose. A administração local reduz, mas não 
elimina, o risco de efeitos sistêmicos. Requerem atenção médica se forem provocados durante o uso prolongado: úlcera 
péptica, pancreatite, acne ou problemas cutâneos, síndrome de Cushing, arritmias, alterações do ciclo menstrual, debilidade 
muscular, náuseas ou vômitos, estrias avermelhadas, hematomas não-habituais, feridas que não cicatrizam. São de 
incidência menos freqüente: visão turva ou diminuída, diminuição do crescimento em crianças e adolescentes, aumento da 
sede, incômodo, queimação, adormecimento, dor ou formigamento perto do local da injeção, alucinações, depressões ou 
outras mudanças do estado anímico, hipotensão, urticária, sensação de falta de ar, rubor no rosto ou bochechas. 
\uf0b7 Precauções. Não é recomendável a administração de vacinas de vírus vivos a pacientes que recebem doses farmacológicas 
de corticóides, dado que a reprodução dos vírus da vacina pode potencializar-se. Durante o tratamento, aumenta o risco de 
infecção e, em pacientes pediátricos ou geriátricos, o de efeitos adversos. É recomendável a administração de dose mínima 
eficaz durante o tratamento mais curto possível. Não é recomendável a injeção na articulação onde tenha havido ou esteja 
em andamento uma infecção. É muito provável que os pacientes de idade avançada em tratamento com corticóides 
desenvolvam hipertensão. Além disso, os idosos, principalmente mulheres, são mais propensos a apresentar osteoporose 
induzida por corticóides. 
\uf0b7 Interações. O uso simultâneo com paracetamol aumenta a formação de um metabólito hepatotóxico deste, portanto aumenta 
o risco de hepatotoxicidade. O uso com analgésicos não-esteróides (AINE) pode aumentar o risco de úlcera ou hemorragia 
gastrintestinal.O risco de edema pode aumentar com o uso simultâneo de andrógenos ou esteróides anabólitos. Diminui os 
efeitos dos anticoagulantes derivados da cumarina, heparina, estreptoquinase ou uroquinase. Os antidepressivos tricíclicos 
não aliviam e podem exacerbar as perturbações mentais induzidas pelos corticóides. Podem aumentar a concentração de 
glicose no sangue, razão pela qual será necessário adequar a dose de insulina ou de hipoglicemiantes orais. Os 
anticoncepcionais orais ou estrogênios aumentam a meia-vida dos corticóides e, por isso, seus efeitos tóxicos.Os glicosídeos 
digitálicos aumentam o risco de arritmias. O uso de outros imunossupressores com doses imunopressoras de corticóides 
pode aumentar o risco de infecção e a possibilidade de desenvolvimento de linfomas e outros distúrbios linfoproliferativos. 
\uf0b7 Contra-indicações. Para injeção intra-articular: anterior à artroplastina articular, transtornos da coagulação sangüínea, fratura 
intra-ocular, articulação instável. Infecção fúngica sistêmica. Hipersensibilidade aos componentes. Para todas as indicações 
deve-se avaliar a relação risco-benefício em presença de AIDS, cardiopatia, insuficiência cardíaca congestiva, hipertensão, 
diabetes mellitus, glaucoma de ângulo aberto, disfunção hepática, miastenia gravis, hipertireoidismo, osteoporose, lúpus 
eritematoso, TBC ativa, disfunção renal severa.
DEXAMETASONA
\uf0b7 Propriedades. Antiinflamatório esteróide e imunossupressor.
\uf0b7 Indicações. É indicada no tratamento de várias patologias devido a seus efeitos antiinflamatórios e imunossupressores; 
proporciona um alívio sintomático, porém não tem efeito sobre o desenvolvimento da doença subjacente. Terapêutica 
substitutiva no tratamento de insuficiência supra-renal. Diagnóstico da síndrome de Cushing. Isquemia cerebral. Prevenção 
da Síndrome de membrana hialina (aceleração