RESUMO_MACRO
19 pág.

RESUMO_MACRO


DisciplinaAnálise Macroeconomica365 materiais812 seguidores
Pré-visualização9 páginas
que a quantidade produzida, haverá acúmulo de estoque, se a demanda agregada for maior que a quantidade produzida, haverá falta de estoque. A posição de equilíbrio se dá quando a produção agregada iguala ao produto (oferta = demanda).
Aula 4 \u2013 Determinação da renda e da produção de equilíbrio
- Modelo Keynesiano: diz que a demanda por produtos tem papel fundamental na determinação do nível de produção e de renda de uma economia. Se a demanda agregada aumenta, as empresas procuram atender essa elevação por meio de mais produção e mais empregos, o que faz aumentar a renda, e possibilita o aumento da produção até alcançar novo ponto de equilíbrio.
- Função de consumo: diz que a quantidade de gastos de uma pessoa depende de sua renda, e conforme essa renda aumenta, também aumenta o consumo.
- Propensão Marginal a Consumir: é a fração de renda adicional que uma pessoa gasta
- PMC = (mudança no consumo) / (mudança na renda)
- Consumo autônomo: sempre ocorrerá, mesmo que a renda de uma pessoa seja equivalente à zero. É o consumo de itens de subsistência, que não conseguimos viver sem ele.
Consumo = Consumo autônomo + Renda esperada
C = Co + cY
C = Co + cYd (Consumo = consumo autônomo + renda disponível, renda apropriada pelas famílias, descontados os impostos diretos pagos ao governo)
- A propensão marginal a poupar é a fração da renda adicional que uma pessoa destina à poupança.
- A soma da PMc e da PMp deve ser igual a l. (consumo + poupança = 1)
- Renda = consumo + poupança + impostos => (Y = C + S + T)
- Função poupança: (S = \u2013 Co + (1 \u2013 c)Yd
- Se a renda disponível for zero, a poupança será de \u2013 Co. O consumo autônomo se refere aos gastos essenciais. Um indivíduo que não tem renda não pode gastar com nada que não se encaixe nesse tipo de despesa.
- Renda em equilíbrio: (T + C + Sexp = C + I + G) impostos + consumo + poupança esperada = consumo + investimentos + gastos governo
- Poupança em equilíbrio: (Sexp + T = I + G) poupança esperada + impostos = investimentos + gastos governo
- Dentro do modelo Keynesiano, o consumo autônomo, os gastos do governo e as exportações são considerados gastos autônomos.
Ye = ( 1 / 1 \u2013 c ).( Co \u2013 cT + I + G ) 
- C é variação consumo/renda; Co consume autônomo; cT variação dos impostos; I investimento e G gastos governo
- O primeiro termo é o multiplicador de gastos \u2013 o valor da renda de equilíbrio será m vezes o valor da equação de gastos autônomos (segundo termo).
- (Yd = Y \u2013 T = Y \u2013 tY) Renda disponível = renda \u2013 impostos = renda \u2013 tributos sobre renda
- (C = Co + cYd = Co + c (Y \u2013 tY) consumo = consumo autônomo + variação consumo renda x renda disponível = consumo autônomo + variação consumo/renda X (renda \u2013 tributos sobre renda)
- Balanço de Transações Correntes = Exportação \u2013 Impostação
BTC: saldo de movimento da balança comercial (exportações menos importações) e de serviços como pagamento de juros da dívida externa.
Aula 5 \u2013 Os investimentos e as taxas de juros
- Investimentos: são elementos importantes da demanda agregada e podem aumentar a capacidade produtiva, aumentando os recursos disponíveis destinados à produção de bens e serviços (estoque de capital). 
- Fases do investimento: a 1ª quando há despesas com a compra de capital, o que impulsiona a demanda agregada. A 2ª após a maturação dos investimentos, o que resulta em aumento da produção e da capacidade produtiva da economia.
- Investimento é a ação que eleva a oferta agregada e o estoque de capital no sistema econômico.
- Investimento líquido: é a diferença entre investimento bruto e depreciação (montante de investimento destinado a cobrir o que se desgasta ao longo do tempo).
- Estoque de capital desejado = relação entre capital e produto multiplicado pelo nível de produto (PIB).
- Quando há um gasto com investimentos, a renda e o produto deverão aumentar por conta do multiplicador dos gastos. Quando o produto aumenta, os investimentos também aumentam. Ao elevar o estoque de capital, a oferta do produto aumenta também.
- Acelerador dos investimentos: diz que uma taxa de crescimento do produto (PIB) causa uma elevação nos investimentos, o que aumenta os níveis do produto, o que acelera os investimentos mais uma vez. 
- Investir requer um desembolso financeiro, que pode ser com recursos próprios ou de terceiros. Se for de terceiros, deve pagar juros. Outra forma de fazer investimentos é quando a empresa dispõe de lucros do período anterior retidos em nível suficiente para bancar seus gastos com investimentos. Neste caso, ela deve avaliar a possibilidade de aplicar esses lucros retidos em títulos que rendam em ritmo igual ao das taxas de juros.
- Seja com recursos próprios (lucros retidos) ou de terceiros (empréstimos), a taxa de juros representa o custo de investir.
- O conceito de taxa de juros recai sobre duas taxas: taxa nominal e taxa real. 
- Taxa nominal: expressa em termos de quantas unidades monetárias são pagas como juros \u2013 são os juros pagos. Um empréstimo de 100 u.m. com taxa de juros de 10% representa juros de 10 u.m. Estes últimos são os juros nominais, aqueles pagos no mercado.
- Taxa real: expressa em termos de poder aquisitivo ou poder de compra; mede o quanto realmente se paga, levando em conta o poder aquisitivo do dinheiro antes e depois de pago o empréstimo \u2013 são os juros pagos menos a inflação.
- Taxa real = taxa nominal / índice de preços.
- O que importa para os empresários são as taxas de juros reais, pois ela mede o valor real dos juros que precisaram ser pagos. Os preços dos produtos que os empresários vendem devem estar acompanhando o ritmo inflacionário.
- Os determinantes do investimento: os investimentos dependem das variáveis: nível de produto, taxa de juros nominal, inflação e estoque de capital no período anterior.
Relação entre as variáveis importantes e o nível de investimento: um aumento no nível de produto estimula os investimentos (a elevação do produto causa mais vendas, e assim, um estoque maior de capital é desejável); Se a taxa de inflação se mantiver fixa, quanto maior a taxa de juros, maior será o custo de investir e menor será a motivação para investir, e quanto menor a taxa de juros, menor será o custo de investir e maior será a motivação para investir; Se a taxa nominal de juros se mantiver fixa, se a taxa de inflação aumentar, o valor real do que se pagará com os empréstimos para investir diminuirá, e por estar mais barato para investir, o nível desejado de investimentos deve aumentar, assim como a redução da taxa de inflação aumenta o valor real do que se pagará com os empréstimos para investir, tendendo a diminuir o nível de investimentos; Quanto menor o estoque de capital do período anterior, maior será a necessidade de investir para cada nível de produção desejada.
- Efeito multiplicador de gastos (o aumento de investimento eleva a renda); efeito acelerador (o aumento da renda devido ao multiplicador leva a novo aumento de investimentos).
- Os investimentos são importantes para o sistema econômico porque são um componente de demanda agregada (estimulam o crescimento do PIB pelo lado da demanda) e porque aumentam a capacidade produtiva da economia devido à elevação do seu estoque de capital. 
- Os mais importantes fatores que influenciam o nível de investimentos são a taxa real de juros, que depende da taxa nominal e da inflação, e o crescimento do produto.
Aula 6 \u2013 O sistema monetário
- A moeda representa o dinheiro e todas as outras formas de pagamento ou recebimento que dispomos.
- Funções da moeda: intermediário de troca, unidade de conta, e reserva de valor.
- Moeda como intermediário de troca: A moeda transforma as transações em trocas indiretas.
- Moeda como unidade de conta: expressa os valores das mercadorias e de todos os ativos em geral pela sua própria unidade. Uma atribuição da moeda é cotar os valores (unidades de conta) em unidades monetárias.
- Moeda como reserva de valor: