RESUMO_MACRO
19 pág.

RESUMO_MACRO


DisciplinaAnálise Macroeconomica365 materiais812 seguidores
Pré-visualização9 páginas
aumentou, mas essa renda não foi dividida de forma igual, houve concentração de renda. - Em relação a isso é que o governo tem a função distributiva, pois ele pode fazer a redistribuição de renda.
- O governo pode fazer a redistribuição de renda utilizando as transferências, os tributos e os subsídios, ele pode realizar essa função sim. 
- Na função distributiva, quanto maior a produção do país, maior a renda agregada da população. Se a produção aumenta, a necessidade de contratar mais fatores de produção (trabalho, capital e recursos naturais) também aumenta, ou seja, diminui o desemprego.
- Outra função do governo é a função estabilizadora. Em caso do país apresentar elevadas taxas de desemprego, o governo deve intervir na economia com o objetivo de diminuir o desemprego.
- Todas essas funções do governo dependem da teoria econômica que está por trás da ação política adotada, que diz se o Estado precisa intervir na economia, ou se essa intervenção deve ser a mínima possível...
- A busca por uma menor participação do Estado na economia também tem o objetivo de satisfazer a função estabilizadora.
- O preço dos produtos fabricados no país também têm uma importância muito grande para o Estado. Se ocorrer um aumento geral dos preços desses produtos, o poder de compra da moeda emitida pelo governo é diminuído. Toda vez que há inflação, parte da população perde poder de compra (fica mais pobre). Isso refere-se a mais uma função estabilizadora do governo: manter estável o nível de preços.
- Algumas recomendações que devem ser seguidas para que a estrutura tributária não se torne injusta ou ineficiente: é recomendável tributar em parcela maior o agente que ganha mais. Essa forma de tentar tornar mais justo a estrutura tributária é chamada de princípio da capacidade de pagamento;; cobrar impostos em conformidade com quem está sendo mais beneficiado ou de quem poderia se beneficiar mais. Essa forma de tributação é chamada de princípio do benefício;; a estrutura tributária deve ser organizada de forma a não atrapalhar a alocação de recursos da economia. Essa forma de tributar é chamada de princípio da neutralidade;; os tributos que o governo impõe à sociedade devem ser de fácil arrecadação. Essa forma de tributar é chamada de princípio da simplicidade.
- Tipos de impostos: impostos diretos (são cobrados diretamente de quem está pagando, é cobrado na finte emissora do tributo, como IRRF) e impostos indiretos (incidem sobre bens e serviços e não são cobrados diretamente da fonte pagadora, mas sim sobre um produto consumido, como ICMS e IPI). Além dos impostos, existem as contribuições e outras formas de arrecadação, como as taxas (taxa de incêndio, por exemplo).
- O governo realiza seus gastos comprando bens e serviços produzidos na sociedade e/ou pagando seus funcionários, e/ou transferindo renda e/ou dando subsídios.
- Os bens e serviços podem ser divididos em bens e serviços de consumo, bens e serviços intermediários e bens de capital. Quando o governo compra a merenda da escola, os remédios do hospital, o material do escritório para o Executivo, ele compra bens de consumo. Quando a Petrobrás compra algum insumo para ajudar na produção do petróleo, está comprando um bem intermediário (matéria-prima). Quando o governo constrói um hospital, uma estrada, uma escola, uma plataforma de petróleo, ele está comprando bem de capital, isto é, está criando estruturas de funcionamento a sociedade para períodos seguintes. 
- Os gastos realizados nas compras de bens e serviços de consumo e intermediários são chamados gastos correntes ou de custeios. Os gastos realizados na compra de bens de capital são chamados gastos de capital.
- As transferências de renda que o governo realiza são as transferências de renda para quem no momento não está recebendo uma renda qualquer. Como exemplo, paga a aposentadoria de quem já não tem idade para trabalhar mais, outros exemplos temos o seguro desemprego, o bolsa família, o bolsa escola...
- Se os gastos totais do governo são maiores que o total de arrecadação, o país apresenta déficit nas contas do governo, e haverá a necessidade de financiamento do setor público (NFSP). O governo, nessa situação, precisa arrumar formas para cobrir o déficit, como lançar títulos da dívida, ou pegar empréstimos. Como ele é o único fabricante de moeda que circula no país, ele pode emitir moeda para fechar suas contas (o que necessariamente, não geraria inflação).
- NFSP nominal (necessidade de financiamento do setor público nominal): é a NFSP levando em conta o pagamento com juros nominais, ou seja, inclui o ganho real mais a parte referente à inflação.
- NFSP nominal: as contas do governo serão as receitas com os tributos e taxas, os gastos com despesas não-financeiras mais os gastos com despesas financeiras (pagamento dos juros). A parte referente à emissão de moeda não paga juros. 
- Quase sempre a taxa de juros oferecida pelo governo é superior à inflação. A taxa de juros total, isto é, levando em conta a inflação, é chamada taxa de juros nominal. A taxa de juros, excluindo-se a inflação, chama-se taxa de juros real. \u2192 i = r + \u3a0 onde taxa nominal de juros é igual a taxa de juros real mais inflação.
- Quando o governo contabiliza o seu resultado considerando os juros pagos calculados com a taxa de juros nominal temos a NFSP nominal. Quando contabiliza seu resultado considerando o pagamento de juros reais, temos a NFSP operacional.
- NFSP primária, conhecida também como superávit primário do governo: É quando as contas públicas são contabilizadas excluindo as despesas financeiras, isto é, não leva em conta o pagamento de juros (nem reais nem nominais).
- NFSP nominal = Receitas \u2013 Gastos \u2013 Juros Nominais
- NFSP operacional = Receitas \u2013 Gastos \u2013 Juros Reais
- NFSP primária = Receitas \u2013 Gastos
- Ultimamente o Brasil tem feito uma redistribuição de renda do trabalhador para o sistema financeiro. Ele está realizando uma função distributiva, mas no sentido contrário, tirando do pobre e transferindo para o rico. 
- Funções econômicas do governo: função alocativa (prover os chamados bens públicos); função distributiva (distribuir a renda de forma que a sociedade considere justa); e função estabilizadora (buscar baixo nível de desemprego e nível de preços controlado). 
Aula 10
- Se houver um aumento da quantidade produzida de bens e serviços haverá um aumento da renda agregada do país, e assim, a sociedade estará mais rica.
- Objetivo do governo, ao utilizar uma política econômica: afetara renda agregada do país.
- Principais políticas econômicas existentes: política fiscal; política monetária, política cambial e política comercial.
- Os gastos realizados pelo governo também entram para atingir a renda agregada do país.
- Todas as variáveis que são contabilizadas no orçamento público podem ser utilizadas como instrumento da política fiscal. 
- A política fiscal é a forma que o governo tem de intervir na economia utilizando o orçamento público.
- Quando o governo utiliza os tributos, ele está fazendo uma política tributária. Exemplo, quando diminui a taxa do imposto de renda cobrado da população brasileira.
- Quando o governo atua sobre os gastos, está fazendo uma política de gastos. Exemplo, quando resolve construir uma estrada.
- Como essas políticas fiscais afetam a renda agregada? Tanto reduzindo ou aumentando a alíquota do imposto de renda, o governo consegue afetar a renda agregada. O governo pode afetar a renda agregada do país por meio da utilização dos componentes de seu orçamento (arrecadação de tributos e gastos). Se aumentar a alíquota, adota uma política fiscal expansionista, e se diminui a alíquota adota uma política fiscal contracionista.
- Quando o governo deve agir de forma expansionista: Como Keynes sugeriu, a economia atua com desemprego involuntário dos fatores de produção, principalmente da força de trabalho. Como a economia nunca chegaria ao pleno emprego