Av de Literatura Portuguesa
4 pág.

Av de Literatura Portuguesa


DisciplinaLiteratura Portuguesa1.243 materiais6.267 seguidores
Pré-visualização1 página
Parte superior do formulário
		
	
	 
	 Fechar
	Avaliação: CEL0244_AV_201301933244 » LITERATURA PORTUGUESA
	Tipo de Avaliação: AV
	Aluno: 201301933244 - DEISE LUCIA DE MEDEIROS
	Professor:
	CLAUDIA DE FREITAS LOPES S M DA SILVA
	Turma: 9001/AA
	Nota da Prova: 5,5        Nota de Partic.: 1,5        Data: 11/11/2014 15:21:51
	
	 1a Questão (Ref.: 201302157953)
	Pontos: 0,0  / 0,5
	As peças de Gil Vicente dividem-se em:
		
	 
	autos pastoris, teatro religioso, farsas episódio, autos cavaleirescos, alegorias de temas profanos.
	
	autos pastoris, teatro religioso, farsas epicas, autos meridionais, alegorias de temas profanos.
	 
	autos meridionais, teatro religioso, farsas epicas, autos cavaleirescos, alegorias de temas profanos.
	
	autos pastoris, teatro religioso, farsas episódio, autos cavaleirescos, alegorias de temas carnavalescas.
	
	autos pastoris, teatro religioso, farsas epicas, autos devaneios, alegorias de temas profanos.
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201302157278)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	O Renascimento cultivou as qualidades da obra de arte clássica, mas no fim do período renascentista, essas qualidades começam a ser colocadas em dúvida, começam mesmo a ser substituídas lentamente pelo Maneirismo. A opção que NÃO caracteriza o Maneirismo,é:
		
	 
	clareza
	
	crise
	
	imperfeição
	
	obscuridade
	
	angústia
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201302259342)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	A formação da literatura portuguesa deu-se em um contexto específico. Marque entre as alternativas abaixo aquela que não corresponde às circunstâncias desse contexto:
		
	
	No século XII, surgiu, em Portugal, um novo tipo de expressão artística, os cancioneiros e os jograis de poesia trovadoresca, que transitavam entre as feiras medievais e as cortes dos palácios, sempre acompanhado pela música.
	 
	De acordo com António Saraiva, já no século XII, as crônicas eram escritas em língua portuguesa.
	
	Esse contexto está relacionado com a organização da própria identidade pátria, em que um elemento fez-se primordial: a língua.
	
	Afonso II, neto do primeiro rei de Portugal, Afonso Henrique, optou por escrever o seu testamento em português, no século XIII, legando, assim, um dos primeiros documentos escritos em nossa língua.
	
	A língua portuguesa, desde os seus primórdios como língua galego-portuguesa, é um elemento muito importante de organização identitária, assumindo, a literatura, um papel importante, e a poesia galego-portuguesa como uma dimensão fundamental nas reflexões sobre a identidade portuguesa.
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201302157746)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	Quanto à formação da nacionalidade, a cultura portuguesa, bem como a de todos os povos constituídos, origina-se na:
		
	
	No descobrimento do Brasil.
	
	Dança africana.
	
	Na busca de um novo rei.
	
	No andarilho.
	 
	Oralidade.
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201302157763)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	As Cantigas de Amor provençais apresentam as seguintes principais características, EXCETO:
		
	
	subserviência à Dama ("mia senhor", "mia dona").
	 
	amor carnal, realidade, contemplação mútua. 
	
	contemplação da Dama amada pelo trovador.
	
	regras do amor cortês: sentimento comedido (mesura), ocultação do nome da amada, vassalagem amorosa.
	
	sofrimento de amor (coita).
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201302157466)
	Pontos: 0,5  / 0,5
	A epopeia é um poema que narra grandes feitos heróicos dos humanos.A opção que não caracteriza a epopeia, é:
		
	
	apresentar heróis de grande caráter
	
	girar em torno de assunto ilustre.
	 
	tratar de assuntos intimistas
	
	ter tom elevado, heróico e grandiloqüente
	
	deve prender-se a acontecimentos históricos
	
	
	 7a Questão (Ref.: 201302158100)
	Pontos: 1,0  / 1,0
	O Simbolismo, que tem origem no grupo dos poetas malditos franceses (Mallarmé, Baudelaire e Verlaine), juntamente com Rimbaud, torna-se modelo para o Simolismo português.
Que tendência da literatura é abandonada pelos simbolistas franceses?
		
	
	Ilusionismo.
	 
	Realismo-Naturalismo.
	
	Idealismo-Facismo.
	
	Ocultismo.
	
	Exclusivamente no facismo.
	
	
	 8a Questão (Ref.: 201302151542)
	Pontos: 1,0  / 1,5
	Em 1641, proclamada a Restauração da Independência de Portugal,O Pde Antonio Vieira foi convidado a acompanhar a delegação enviada pelo vice-rei, Marquês de Montalvão, a fim de jurar fidelidade e reconhecimento ao monarca português, D. João IV. Em Lisboa teve a oportunidade de revelar os seus dotes oratórios como pregador e logo conquistou a admiração não só do povo, mas também do rei que o convidou para ser seu pregador pessoal. Foi então nomeado para o importante cargo de Pregador Régio, a fim de pregar regularmente à família real e à corte.
Instituído neste papel tão influente, desempenhou um papel decisivo no aconselhamento político do governo do reino. A pertinência e inteligência das suas propostas causaram a admiração de muitos, mas também as hostilidades de alguns quantos instalados nos seus interesses.
 
Neste contexto, Antonio Vieira criou a utopia do Quinto Império Português com que objetivo?
		
	
Resposta: A volta de Dom Sebastião, desparecido e verdadeiro héroi do povo português traria, enfim, a justiça e a igualdade ao povo .
	
Gabarito: O Quinto Império foi uma forma de legitimar a autonomia de Portugal do longo período da Unificação da Península Ibérica(1580 a 1640).
	
	
	 9a Questão (Ref.: 201302259486)
	Pontos: 0,0  / 1,0
	Antero de Quental foi, sem dúvida, um dos catalisadores do movimento realista português, na condição de autor de Bom senso e bom gosto. Sobre este poeta e a sua obra é verdadeiro afirmar:
		
	
	Em sua obra, Sonetos, o tom de protesto já aparece no texto introdutório: a poesia moderna é a voz da revolução.
	
	O eu lírico, acentuadamente racional e revolucionário, evitava todo e qualquer idealismo, próprio do romantismo burguês.
	 
	O poeta, apoiado no racionalismo e nas teorias cientificistas, concebia a poesia como um instrumento transformador, revolucionário, o que se confirmava em seus poemas.
	
	A formação do poeta, inicialmente, católica juntou-se de forma pacífica aos estudos das filosofias materialistas do século XIX, em que se fundamentou a educação superior de Quental.
	 
	Toda sua obra, longe de qualquer tipo de idealismo, apresenta uma escrita poética vigorosa, sempre voltada para a ideia de revolução.
	
	
	 10a Questão (Ref.: 201302157389)
	Pontos: 1,0  / 1,5
	Caracterize a Cantiga de Escárnio.
		
	
Resposta: Na cantiga de Escárnio a sátira é subjetiva ao destinatário, ela não é diretamente usada para ofender, mas para zombar.
	
Gabarito:
A cantiga de escárnio
Na cantiga de escárnio, o eu-lírico faz uma sátira a alguma pessoa. Essa sátira era indireta, cheia de duplos sentidos. As cantigas de escárnio (ou "de escarnho", na grafia da época) definem-se, pois, como sendo aquelas feitas pelos trovadores para dizer mal de alguém, por meio de ambigüidades, trocadilhos e jogos semânticos, num processo que os trovadores chamavam "equívoco". O cômico que caracteriza essas cantigas é predominantemente verbal, dependente, portanto, do emprego de recursos retóricos. A cantiga de escárnio exigindo unicamente a alusão indireta e velada, para que o destinatário não seja reconhecido, estimula a imaginação do poeta e sugere-lhe uma expressão irônica, embora, por vezes, bastante mordaz.
	
	
	Período de não visualização da prova: desde 06/11/2014 até 25/11/2014.
Parte inferior do formulário