A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Ascensão e queda da Nokia

Pré-visualização | Página 1 de 3

Ascensão e queda da Nokia
 Em 2012, a Nokia, com sede em Espoo, na Finlândia, era a maior fabricante de telefones móveis do mundo, posição que vinha mantendo desde 1998, em setembro de 2013, a Microsoft comprou a divisão de aparelhos móveis da Nokia por €5,4 bilhões. No fim da década de 2000, a posição da Nokia como líder do mercado de dispositivos móveis foi ameaçada pela concorrência dos novos fabricantes asiáticos de produtos de baixo custo, e o lançamento em 2007 do iPhone da Apple estabeleceu uma categoria totalmente nova : a dos smartphones.
 Em 2012, a Nokia publicou perda operacional de €2,3 bilhões e perdeu a posição de fabricante líder para a Samsung, em 2013, a divisão de aparelhos móveis da Nokia estava à venda, e por um preço muito atraente.
 O começo da Nokia; 1865- década de 1970
 A Nokia Ab, fundada em 1865 como uma madeireira perto da cidade de Nokia, na Finlândia, cresceu com o tempo e tornou-se uma grande fabricante de papel.No fim de 1960, a empresa fundira-se com várias firmas finlandesas, incluindo um fabricante de pneus e de calçados de borracha, e um fabricante de cabos e materiais eletrônicos. Essa nova organização tinha cinco divisões principais: borracha, cabos, silvicultura, eletrônicos e geração de energia.
 A Nokia produziu os primeiros telefones sem fio da Escandinávia para serviços do governo, em 1971, a Nokia começou a vender radiofones analógicos para carros. E nesse mesmo ano, também começou a desenvolver seus próprios computadores e lançou o computador MikroMikko. No inicio da década de 1970, a Nokia tinha 80% de participação do mercado de vendas de computadores da Finlândia.
 A empresa fornecia a infraestrutura de rede, incluindo a estação-base e conexão com a Salora. A empresa criou a Telefenno Oy, um empreendimento conjunto com uma empresa de telecomunicações do governo. Em todos esses anos, a Nokia teve relações delicadas com o governo finlandês.
 Nokia sob o comando de Kairamo (1977-1988): a era de crescimento
 Kari Kairamo, engenheiro com conhecimento de processamento de texto sobre a indústria de papel, foi nomeado CEO em 1977. Em 1979, a Nokia entrou num empreendimento conjunto com a Salora, originando a empresa de radiofone Mobira Ou. A Mobira produziu os primeiros telefones para carro com base na rede Nordic Mobile Telephone (NMT).
 No começo da década de 1980, a Nokia pegou seus ganhos com infraestrutura de telecomunicações. Com isso, investiu fora da Finlândia e fez sua primeira aquisição internacional. Kairamo era frequentemente citado como força motriz por trás da ascensão e transformação da Nokia de uma empresa de papel e borracha em uma organização de equipamentos eletrônicos e telecomunicações.
 Em 1987, a Nokia apresentou o primeiro telefone móvel desenvolvido para a rede analógica NMT. Ao final da década de 1980, a economia finlandesa também estava em alta. Com os mercados estavam liberado, os bancos faziam mais empréstimos, e muitas empresas aproveitaram a oportunidade para crescer. Só em 1989, os salários aumentaram 10% e o desemprego caiu para 3%.
 Nokia sob o comando de Vuorilehto: muitos desafios (1988-1992)
 Em dezembro de 1988, Kairamo, suicidou-s. Vuorilehto foi nomeado presidente e CEO. Vuorilehto estava na Nokia desde quando a empresa fabricava papel.
 Vuorilehto modernizou a administração e reestruturou a empresa em seis divisões de negócios: telecomunicações( rede), telefones móveis, dados, cabos & máquinas, indústria básicas e eletrônicos. Em 1991, as vendas totais da Nokia caíram 31%, a divisão de eletrônicos teve uma grande queda, com vendas reduzidas de televisões coloridas, vários fatores contribuíram para o baixo desempenho da Nokia. A moeda finlandesa teve uma grande desvalorização, durante toda a década de 1980,a Nokia tinha feito financiamento com base em títulos.
 Apesar dessas dificuldades,a divisão de telecomunicações da Nokia, que completava a divisão de telefones móveis,ela fornecia a infraestrutura para redes sem fio quando começou a implementação da rede GSM na Europa e aumentou a demanda por infraestrutura. Na América do Norte, o padrão digital 2G CDMA, incompatível com os aparelhos GSM, desenvolvia-se lentamente. A tecnologia GSM era considerada superior, pois transferia mais dados e permitia enviar mensagens de texto por um custo mais baixo.
 Nokia sob o comando de Ollila (1992-2006): empresa de comunicação móvel
 Jorma Ollila foi nomeado presidente e CEO da Nokia em janeiro de 1992, quando Vourilehto saiu do comando. Olila implementou “o jeito Nokia”, reforçando os valores centrais da empresa de satisfação do cliente, respeito pelo indivíduo, conquista e aprendizado contínuo.Com Ollila, a Nokia acabou com suas divisões de dados, silvicultura e produtos químicos mantendo apenas quatro áreas principais: telefones móveis, eletrônicos, redes e cabos. Ollila acreditava que era possível salvar a empresa apenas com enfoque nos telefones móveis e continuando a desenvolver os equipamentos de rede GSM para Europa.
 Nokia Mobile Phones( divisão de telefones móveis da Nokia)
 Em 1992, a Nokia lançou o primeiro telefone digital de produção em massa, o Nokia 1011, para a tecnologia GSM. No fim de 1992, a Nokia era maior produtora de telefones móveis na Europa e a segunda maior do mundo, atrás somente da Motorola. Ollila previu que a taxa de penetração de aparelhos móveis nos países industrializados ultrapassaria 20% da população no ano de 2000.
 A Nokia obteve rápido crescimento no mercado de telefones móveis nos anos seguintes. A empresa investiu muito em anúncios nos mercados locais e adaptou recursos e preços para atender à demanda local. Segundo um analista, “a Nokia investiu em cada mercado vertical do ecossistema dos telefones móveis: fabricação, distribuição e P&D de design’.
 A Ericsson e Motorola também estavam integradas verticalmente neste momento, fornecendo a infraestrutura e os telefones.
 A Nokia e o mercado consumidor em evolução 
 Em 1994, a maior taxa de penetração dos telefones móveis era na Suécia, onde 13% da população tinha um telefone celular, seguida da Finlândia, com 10%, e dos Estados Unidos, com 6%.
 O Nokia 2100 foi a primeira série de telefones digitais da empresa oferecidos nos Estados Unidos. O modelo 2120, era o telefone mais leve e menor do mundo em 1994, ao contrário dos primeiros modelos Cityman, o telefone mais de mais fácil utilização incluía uma tela LCD de 5 linhas,99 espaços na memória de discagem rápida, teclado soft touch, ringtones (sons) selecionáveis que podiam ser personalizados e antena retrátil, o preço na loja sugerido em 1994 era menor que €703. A Nokia tinha que negociar com as portadoras, como a At&T ou Verizon, para que vendessem seus modelos.
 A Nokia, a Ericsson e a Motorola controlavam 75% do mercado global de aparelhos móveis no fim de 1995. Mesmo dominando a produção de rede GSM, a Nokia encontrou uma forma de entrar no mercado de rede CDMA dos Estados Unidos e da Coreia do Sul. A Nokia começou a comercializar seus telefones móveis como acessórios de moda, seus aparelhos eram finos e elegantes.
 O Nokia 8110, tinha uma tampa deslizante para proteger o teclado. Os telefones Nokia ofereciam uma série de rigntones, em 1998, a Nokia vendia produtos em 140 países, personalizando-os para atender à demanda local, lançando novos modelos anualmente.
 Nokia no auge
 Em 1998, a Nokia tornou-se a principal fabricante de telefones móveis do mundo, com 23% do mercado e 163 milhões de unidades vendidas, ultrapassando a Motorola, com 20% de participação de mercado. A Nokia também tinha outro benefício em relação à Motorola, que era sua logística imbatível. Com capacidade de produção insuficiente, os concorrentes da Nokia começaram a terceirizar a fabricação, enquanto a Nokia continuava produzindo seus aparelhos internamente. O número total de patentes da Nokia saltou de 796 em 1998 para 1469 em 1999.
 Em 1999, fornecedores de capital de risco investiram mais de €285 milhões em novas empresas finlandesas, a Nokia também mantinha