Solidariedade 2014 1

Solidariedade 2014 1


DisciplinaTeoria Geral das Obrigações359 materiais7.948 seguidores
Pré-visualização1 página
*
OBRIGAÇÕES SOLIDÁRIAS
Prof. Ms Rosane Felhauer UniRitter
*
Solidariedade
Art. 264		
Cada um dos devedores é obrigado pelo todo e cada um dos credores tem direito à dívida toda.
a) Se vários devedores \u2013 credor escolhe qualquer um deles para cumprir toda a obrigação (como se fosse um único devedor).
b) Se vários credores \u2013 todos podem exigir o cumprimento de toda a obrigação (como se fosse um único credor).
*
Espécies de solidariedade
PASSIVA (pluralidade de devedores e um credor)
ATIVA (pluralidade de credores e um devedor)
MISTA (pluralidade de devedores e de credores)
*
Características das obrigações solidárias
A) Pluralidade de sujeitos: credores (ativa); devedores(passiva) credores e devedores (mista)
B) Integralidade ou unidade da prestação: Cada devedor responde pelo débito todo e cada credor pode exigi-lo por inteiro. 
C) Corresponsabilidade dos interessados: Direito de regresso
Ativa: Se um dos credores recebe a integralidade, a dívida se extingue(relação externa) ficando ele obrigado, perante os demais, pelas quotas de cada um (relação interna). 
Passiva: se um dos devedores faz o pagamento integral, a dívida se extingue para todos (relação externa), mas, o que paga, pode reaver dos demais devedores as quotas de cada um (relação interna).
*
Relação externa e relação interna
RELAÇÃO EXTERNA:
Dos vários credores X devedor comum
Dos vários devedores X credor comum
RELAÇÃO INTERNA: Direito de regresso 
Dos vários credores entre si
Dos vários devedores entre si
Obs: na relação interna não há solidariedade \u2013 as obrigações são divisíveis, exceto se há acordo diverso entre os cocredores ou codevedores)
*
Princípios comuns
	1º A solidariedade não se presume, resulta da lei ou da vontade das partes. (Art. 265)
	2º A obrigação solidária pode ser de modalidade diferente para um ou alguns codevedores ou cocredores. (Art. 266)
*
1º Princípio (art. 265)
Art. 265. A solidariedade não se presume, resulta da lei ou da vontade das partes. 
SOLIDARIEDADE LEGAL
A que resulta da lei.
Exs:
Art. 585: entre os comodatários
Art. 680: entre os mandantes
Art. 942: entre os coautores do dano
A solidariedade é uma exceção.
Obs: A regra geral quando há pluralidade de credores ou devedores é a divisbilidade, se o objeto permitir).
SOLIDARIEDADE CONTRATUAL
Quando as partes voluntariamente a convencionam.
Quando os interessados se obrigam solidariamente ou se utilizam de expressões tais como: \u201cpor inteiro\u201d, \u201cpelo todo\u201d, pro indiviso etc.
*
2º Princípio (Art. 266)
Art. 266: \u201cA obrigação solidária pode ser pura e simples para um dos cocredores ou codevedores, e condicional, ou a prazo, ou pagável em lugar diferente, para o outro.
Exs:
Para uns a obrigação pode ser pura e simples, para outros a termo ou sob condição.
O lugar e o tempo de pagamento podem ser diferentes para cada um.
A obrigação pode ser válida quanto a uns e nula quanto a outros.
*
Diferenças entre indivisibilidade e solidariedade
Indivisibilidade \u2013 cada devedor só deve a sua quota parte. Pode, porém, ser obrigado ao pagamento da totalidade se o objeto for indivisível (ex: um automóvel, uma biblioteca...).
Solidariedade - cada devedor pode ser compelido a pagar sozinho a dívida inteira, por ser devedor do todo.
*
Diferenças entre solidariedade e indivisibilidade
Indivisibilidade - perde a qualidade de indivisível se o objeto se impossibilitar (converte em dinheiro) \u2013 mas pelas perdas e danos só responde o culpado(art. 263 CC). 
Solidariedade \u2013 não perde a qualidade de solidária se o objeto se impossibilitar \u2013 não se divide \u2013 mas pelas perdas e danos só responde o culpado (art. 279 CC).